Descrição de chapéu Eleições 2020 Rio de Janeiro

Milícia e tráfico ameaçam eleições municipais no Rio

Tribunal planeja mapeamento do histórico de dificuldades no estado; em 2016, foram 13 assassinatos na baixada fluminense

Rio de Janeiro

Faltava apenas um mês para as eleições municipais de 2008 quando 3.500 militares ocuparam as favelas do Rio de Janeiro, na chamada Operação Guanabara. O objetivo era coibir a influência do tráfico e das milícias sobre a corrida eleitoral e permitir que qualquer candidato pudesse fazer propaganda nas áreas dominadas por estes grupos.

A ação não foi suficiente para garantir a isonomia naquelas eleições. Mesmo com a interferência do Exército, candidatos vinculados a organizações criminosas acabaram se elegendo.

Foi o caso de Carminha Jerominho, filha e sobrinha de, respectivamente, Jerônimo Guimarães Filho e Natalino Guimarães, condenados por chefiar a milícia Liga da Justiça, uma das principais do Rio.

“Não se entendeu que houve sucesso, porque a metodologia era de entrar na comunidade, ficar três dias e sair. Pessoas ligadas a esses movimentos conseguiram se eleger”, afirma o juiz Luiz Márcio Pereira, coordenador da fiscalização da propaganda eleitoral.

Doze anos depois, o tráfico e a milícia ainda representam —e cada vez mais— uma grave ameaça às eleições. Segundo juízes, pesquisadores e políticos, o poder e a influência dessas organizações criminosas vêm crescendo, desde então, a cada ano.

Entrada da comunidade Quarto Centenário, em Jacarepaguá, controlada por portaria e horários determinados para entrada e saída - Ricardo Moraes - 11.jul.2006/Folhapress

Para o sociólogo e professor José Luiz Cláudio Alves, que estuda as milícias há mais de duas décadas, 2020 será o ano da “apoteose” desses grupos. Ele diz que um discurso de extrema direita, que prega a eliminação de bandidos e o armamento da população, obteve vitória nacional em 2018. Essa narrativa linha-dura, segundo o sociólogo, favorece a eleição de personagens ligados às milícias.

“Policiais militares, civis, federais, Forças Armadas, que estão se projetando politicamente, eles próprios ou apoiando pessoas vinculadas a eles, têm nesse momento a apoteose. É o momento de se projetarem, ganharem esse poder, perpetuar essa estrutura da extrema direita que foi vitoriosa em 2018”, afirma.

Os grupos paramilitares são geralmente formados por quadros das polícias Militar e Civil e dos Bombeiros. No estado do Rio, concentram-se principalmente na zona oeste da capital e na Baixada Fluminense. Historicamente, as milícias obtiveram lucros em cima da extorsão dos moradores de comunidades, por meio da venda de segurança, de gás e do acesso à TV por assinatura.

Nos últimos anos, no entanto, esses grupos estenderam seus tentáculos e hoje cobram por consultas em hospitais públicos e até para enterrar o lixo em aterros construídos por eles. A venda de imóveis irregulares, como os dois prédios que caíram em abril de 2019 na comunidade da Muzema, na zona oeste da capital, representa outra perna da sustentação financeira da organização criminosa.

Para influenciar a corrida eleitoral, as milícias agem tanto sobre os eleitores quanto sobre os candidatos. Por um lado, tentam conquistar o eleitor ao vender para a comunidade a imagem de que são benfeitoras. Vangloriam-se, por exemplo, de terem reduzido o número de roubos nesses locais.

Por outro, lançam mão do controle sobre os moradores. Os milicianos têm acesso aos títulos de eleitor, sabem onde cada um vota e exigem o apoio a candidatos chancelados por eles.

Ao mesmo tempo, as milícias impedem os demais postulantes de entrar nos territórios que dominam, fazem uso de ameaças e com frequência assassinam os adversários.

“Em 2016, nas últimas eleições municipais, ocorreram 13 assassinatos de candidatos a vereador na Baixada Fluminense. Seis ou sete eram milicianos, então na verdade era um acerto de contas entre eles. Mas matam quando não concordam com um candidato crescendo na área que dominam”, afirma José Cláudio Alves.

É comum que o tráfico também só permita a propaganda eleitoral em seus territórios de candidatos apoiados pela própria facção. Os traficantes também exercem influência sobre a população na forma de benefícios ou do controle ostensivo. Ainda assim, especialistas avaliam que eles não têm o mesmo poder dos milicianos, embrenhados no Estado.

“O tráfico não tem a mesma proteção. O traficante não é candidato, é um criminoso, vai ser preso ou morto. Não tem a mesma expressão, o mesmo poder de projeção política”, diz o sociólogo.

O presidente do TRE (Tribunal Regional Eleitoral), Cláudio Brandão de Oliveira, assume que existe o risco de que a atuação da milícia e do tráfico gere impacto no processo eleitoral. Ele afirma que o tribunal está em contato com os secretários da Polícia Militar e da Polícia Civil e que está realizando um mapeamento das zonas eleitorais para listar as ocorrências das últimas eleições.

“Já existem pessoas da área de propaganda, de segurança, que estão percorrendo o estado. Eu e o vice-presidente vamos ao interior do estado, em fevereiro ou março. Vamos conversar com os juízes eleitorais e com as pessoas que trabalham nos cartórios. Elas têm a memória do que houve, das dificuldades ali”, diz.

“Se você me perguntar: vamos ter muito problema com milícia? Espero que não. Mas há uma possibilidade de que os caminhos da milícia e da Justiça Eleitoral se cruzem.”

Esses caminhos já se cruzam há décadas. Desde os anos 1990 é comum observar, especialmente na Baixada Fluminense, a eleição de diversos policiais e bombeiros, muitos citados por políticos e pesquisadores como matadores de aluguel. Com o passar do tempo, apesar das prisões de diversos milicianos, a entrada desses grupos nas casas legislativas e nas prefeituras da região não cessou.

Em julho do ano passado, um vereador de Queimados, Davi Brasil Caetano (Avante), foi preso suspeito de liderar uma das milícias mais perigosas do estado. Três meses depois, Marcinho Bombeiro (PSL), ex-presidente da Câmara de Belford Roxo, foi detido suspeito de cometer dois homicídios. Ele também é acusado de chefiar uma milícia.

Enquanto a milícia fortalece sua presença na política institucional e diversifica suas fontes de renda, seguem em curso as ameaças e os assassinatos de adversários.

No ano passado, pelo menos 14 pessoas ligadas à atividade política sofreram atentados no estado. Em dezembro de 2018, a polícia interceptou um plano para matar o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL) durante evento em Campo Grande, na zona oeste.

Freixo foi relator da CPI das Milícias na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) em 2008.

As investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), em março de 2018, também indicam um possível envolvimento da milícia.

Em janeiro deste ano, um carro blindado onde estava a deputada estadual Martha Rocha (PDT) foi alvo de tiros. Ex-chefe da Polícia Civil do Rio, a parlamentar afirmou que já havia recebido ameaças de morte de milicianos.

Outro parlamentar que relatou o recebimento de ameaças foi o presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), que construiu a carreira política na Baixada. Em 2016, perdeu a corrida pela prefeitura de Japeri para Carlos Moraes (PP), que chegou a ser preso dois anos depois por associação ao tráfico. Segundo Ceciliano, Moraes dizia, de dentro da prisão, que iria matá-lo.

“Eu estava morando em Nova Iguaçu e tive que sair. Procuro não chegar com horário certo e sabido, sair e fazer outros trajetos. Milícia e tráfico você pode estar com 20 seguranças, carro blindado… Ajuda? Ajuda. Mas a gente precisa mudar os hábitos, os horários”, afirma.

Questionado se muitos deputados na Alerj já receberam ameaças, ele responde: “Ah, com certeza. Todo mundo tem uma história”.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.