Descrição de chapéu Governo Bolsonaro Folha Mulher

Ministra da Mulher, Damares diz que ataques de Bolsonaro a mulheres jornalistas são uma reação

Titular da pasta afirmou em entrevista ao SBT que imprensa é 'terrivelmente cruel' com o presidente

São Paulo

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, disse em entrevista ao SBT que o presidente Jair Bolsonaro estava reagindo a ataques da imprensa quando insultou as jornalistas Patrícia Campos Mello, da Folha, e Vera Magalhães, do jornal O Estado de S. Paulo e da TV Cultura.

Damares afirmou ao programa "Poder em Foco" que condena agressões a mulheres, mas se recusou a comentar especificamente a atitude do presidente nos dois episódios. Na gravação, ela disse ainda que a "imprensa também é cruel com mulheres" e que ela própria já foi um dos alvos.

"O meu presidente para toda manhã para conversar com a imprensa, ele quer trazer o diálogo, ele quer se aproximar, mas eles não compreendem, fingem que não compreendem, e muitas dessas situações que acontecem com meu presidente é uma reação", afirmou a ministra.

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, em entrevista ao programa "Poder em Foco", do SBT.
A ministra Damares Alves em entrevista ao programa "Poder em Foco", do SBT - Sérgio Lima/Divulgação

Damares fez a declaração quando o apresentador Fernando Rodrigues perguntou se ela aprova o tratamento dado pelo presidente a mulheres. O trecho foi transcrito pela assessoria de imprensa do SBT e antecipado à Folha. A entrevista completa irá ao ar à 0h de segunda-feira (9), fim da noite de domingo (8).

No mês passado, após uma testemunha mentir à CPMI das Fake News que Patrícia queria informações "a troco de sexo", Bolsonaro afirmou: "Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo [risos dele e de apoiadores]". Após uma pausa durante os risos, o presidente concluiu: "A qualquer preço contra mim".

Dias depois, após Vera publicar que o presidente havia compartilhado no WhatsApp um vídeo de apoio ao ato marcado para 15 de março a seu favor e contra o Congresso, Bolsonaro disse: "Vera Magalhães, eu não sou da tua laia". Ele também pediu que a jornalista "tenha um pouco mais de vergonha na cara".

Ao SBT Damares afirmou que "gostaria que nenhuma mulher no Brasil fosse agredida" e que todas "fossem respeitadas".

"Mas, com relação ao meu presidente, a imprensa tem sido terrivelmente cruel contra meu presidente", continuou. "Finge que não compreende ele para atacá-lo o tempo todo, e o meu presidente tem procurado o tempo todo ter uma relação legal com a imprensa."

A ministra disse que "essa imprensa também machuca mulheres" e que foi vítima de uma "das maiores violências políticas nessa nação cometida pela imprensa", referindo-se a texto da revista Carta Capital sobre o relato dela de que, quando criança, subiu em uma goiabeira para se matar e desistiu ao ver Jesus.

O ministério divulgou nota de repúdio ao conteúdo, em novembro do ano passado. Segundo Damares, sua história foi tratada de forma cruel pela revista. A ministra disse também ser alvo de ataques por causa de sua fé (ela é evangélica) e pediu respeito à experiência espiritual que viveu.

"E esse jornalista fala que eu perdi a chance de ter tido relações sexuais com Jesus aos dez anos em cima de um pé de goiaba. Naquele momento, [...] eu disse: pronto, agora a imprensa vem toda dizer 'não faça isso com uma mulher', 'não faça isso com uma menina'. E a imprensa não se levantou."

O apresentador do "Poder em Foco" insistiu na pergunta sobre a postura de Bolsonaro, indagando se a declaração sobre a jornalista da Folha foi apropriada para um presidente da República.

"Eu amo o meu presidente, eu amo e respeito aquele homem. E eu conheço quem é o presidente Jair Bolsonaro. Uma das pessoas mais generosas que eu já vi, de um coração extraordinário, e um homem que respeita mulheres", respondeu Damares.

Novamente inquirida, ela afirmou que, "nesse caso, o presidente reagiu".

"O presidente estava reagindo. Veja só, eu não vou dizer para você: o presidente estava certo em atacar uma jornalista. O meu presidente vive sob pressão que a imprensa faz o tempo todo. E a imprensa faz a pressão já esperando dele uma reação", disse a ministra.

O entrevistador questionou mais uma vez se ela considera o tipo de reação adequado. Damares, então, pediu: "Não me coloque contra o meu presidente nessa entrevista".

E emendou: "Não vou me manifestar com relação a essa fala dele. Porque a imprensa se cala quando eu ou outra mulher de direita somos barbaramente atacadas no Brasil. [...] Se você olhar aquela fala do furo, ele fez uma fala reagindo a uma crítica da imprensa naquele momento".

As afirmações de Bolsonaro sobre as jornalistas foram repudiadas por entidades de defesa da imprensa e geraram reação de mulheres. Os veículos em que Patrícia e Vera trabalham também se manifestaram. Em nota, a Folha afirmou que o presidente agrediu sua repórter e todo o jornalismo profissional.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.