Descrição de chapéu Coronavírus

Ricos e escolarizados são os que mais rejeitam atuação de Bolsonaro na crise, diz Datafolha

Segmentos estiveram na linha de frente do apoio ao presidente na eleição de 2018

Brasília

A população mais rica e com maior grau de escolaridade responde de maneira mais negativa a declarações e ao desempenho de Jair Bolsonaro na crise do coronavírus.

Pesquisa Datafolha indica que o presidente enfrenta opinião crítica em segmentos que estiveram na linha de frente do apoio à sua candidatura em 2018 e se mantiveram numerosos na sustentação de seu primeiro ano de governo.

Entre eleitores com ensino superior, 68% disseram rejeitar a afirmação de Bolsonaro de que a pandemia é marcada por uma “histeria”. Nos segmentos que têm apenas o ensino fundamental ou o ensino médio, esse percentual foi de 50%.

O grupo de entrevistados mais escolarizados e com maior renda é também aquele que se julga mais bem informado sobre a crise.

Eleitores com ensino superior são aqueles que mais consideram que Bolsonaro faz um trabalho ruim ou péssimo para enfrentar a pandemia: 46% deles pensam assim, enquanto apenas 27% dos entrevistados com ensino fundamental deram essa resposta.

O segmento de escolaridade mais alta também rejeitou mais o comportamento de Bolsonaro no protesto de 15 de março. Nessa faixa, 80% afirmaram que o presidente agiu mal ao cumprimentar apoiadores. O índice foi de 63% entre eleitores com ensino fundamental completo.

Entrevistados de renda mais alta espelham parte dessa avaliação, uma vez que fatias dos dois grupos são coincidentes.

A avaliação negativa das ações do presidente é de 34% entre eleitores que recebem entre cinco e dez salários mínimos e de 51% no grupo com renda superior a dez salários.

Nos segmentos de baixa renda, os índices de reprovação são de 33% (renda de até dois salários mínimos) e 29% (renda de dois a cinco salários).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.