Abater Moro é prioridade dos partidos do centrão, além de obter cargos e verbas de Bolsonaro

Com integrantes implicados na Lava Jato, grupo agora tem interlocução direta com o presidente

Brasília

Alçado à condição de base informal de sustentação do governo Jair Bolsonaro, o centrão tem há muito tempo uma característica tão forte quanto a busca por ocupar cargos da máquina federal: a oposição aos métodos, ao grupo e à figura de Sergio Moro.

Desde antes do início do atual governo, o grupo, formado por partidos de centro e de centro-direita que reúnem cerca de 200 dos 513 deputados, buscou minar projetos do então ministro da Justiça, cargo que Moro ocupou até a última sexta-feira (24).

O motivo é que o agora ex-ministro foi o juiz responsável pela operação que desde 2014 devastou boa parte do mundo político, levando aos tribunais líderes das siglas que formam o centrão.

Para além disso, o centrão afirma que Moro e a Lava Jato simbolizam o movimento de criminalização da política, corrosivo à democracia, com interesses políticos ocultos de eles próprios assumirem o leme futuramente.

Esse não é um sentimento só do centrão —o PT de Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Lava Jato, entre outros partidos, compartilha da análise— e a revelação das trocas de mensagens da Lava Jato reforça essa visão ao mostrar indicativos de que Moro agiu sem a imparcialidade que se espera de um juiz.

Não só ele, é fato, mas o sentimento anti-Moro ajuda a explicar por que o grupo saiu em defesa de Bolsonaro logo após a demissão do ministro, se colocando contra a instauração de um processo de impeachment.

Integrantes da Polícia Federal e secretários de Segurança Pública disseram à Folha acreditar que os encontros de Bolsonaro com presidentes e líderes desses partidos, nas últimas semanas, serviram para o presidente ter a segurança de que poderia se livrar de Moro sem risco de ficar com o mandato sob ameaça.

Segundo relatos que eles receberam, Bolsonaro perguntou se os congressistas reforçariam sua retaguarda na eventualidade da saída do ministro. Congressistas ouvidos pela reportagem negaram ter tratado da situação de Moro nas conversas com o presidente.

No discurso de despedida do governo, o agora ex-ministro chegou a fazer referência a algumas derrotas políticas para o centrão, embora sem se referir diretamente ao grupo. Ele citou principalmente aquele que deveria ter sido um dos marco de sua gestão, o pacote anticrime.

No Congresso, esse pacote foi desidratado, além de ter sido atrelado à tramitação do projeto de abuso de autoridade, visto no Congresso justamente como uma resposta a Moro e à Lava Jato.

O texto final ficou sem várias das medidas vistas por Moro como essenciais, como a condenação após prisão em segunda instância.

Estiveram com Bolsonaro nas últimas semanas ou conversaram por telefone com ele presidentes e líderes do PP, PL, Republicanos, PSD, Solidariedade, MDB e DEM.

Por sua iniciativa, por exemplo, Bolsonaro falou ao telefone, mais de uma vez, com o principal cacique do PL, Valdemar Costa Neto, condenado e preso no escândalo do mensalão.

Em um dos encontros, gravou um vídeo ao lado do deputado Arthur Lira (AL), líder da bancada do PP, uma das siglas mais implicadas no escândalo de desvio de recursos da Petrobras.

Embora diga que não conversou com Bolsonaro, o presidente do PTB, Roberto Jefferson, que revelou e também foi condenado no escândalo do mensalão, assumiu a linha de frente da defesa do mandatário.

Congressistas que foram a esses encontros dizem que é natural que os partidos conversem diretamente com Bolsonaro já que a interlocução anterior, feita pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi cortada.

Nessas reuniões estariam sendo discutidas não só a ampliação da distribuição de cargos às siglas —que já têm participação no governo—, mas outros pleitos, como as emendas parlamentares.

Um dos poucos a falar abertamente é o presidente do Solidariedade, o deputado Paulo Pereira da Silva (SP). "Me ofereceram o porto de Santos e eu não vou aceitar, não vou para o governo uma hora dessas. O ideal agora é fazer um entendimento entre Maia e Bolsonaro e garantir a governabilidade", afirmou.

Além do Porto de Santos, as negociações de Bolsonaro com o centrão envolvem a ampliação da participação do grupo no Banco do Nordeste, Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba) FNDE (Fundo Nacional para o Desenvolvimento da Educação), Dnocs (Departamento Nacional de Obras Contra as Secas) e Funasa (Fundação Nacional de Saúde), entre outros.

O novo centrão —não confundir com grupo de congressistas que atuou sob o mesmo nome no final dos anos 80— ressurgiu em 2014, sob a batuta do então líder do MDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), mas passou por alterações desde então.

Era naquela época formado por partidos médios e pequenos como PP, PL, PTB, Republicanos, PSD (que nega fazer parte do grupo), que nos anos anteriores oscilaram de um lado ao outro dos polos que dominaram a política desde os anos 90: PSDB mais à direita, PT mais à esquerda.

Em 2015, Cunha chegou à presidência da Câmara derrotando o candidato do governo, com o centrão como alicerce.

Com a derrocada do emedebista, afastado do comando da Câmara e depois cassado, em 2016, Rodrigo Maia (DEM) derrotou a ala do centrão ligada a Cunha e, em seguida, reorganizou o grupo ao seu redor.

A situação perdurou até ele romper recentemente com Bolsonaro, o que deu a senha para o presidente da República estabelecer um canal direto com o grupo que ele passou a demonizar publicamente desde que colocou na rua sua intenção de chegar ao Palácio do Planalto.

Isso não significa que o centrão pretenda isolar Maia. Líderes dessas siglas negaram essa intenção, até porque a maioria tem boa relação com o presidente da Câmara, que ocupa uma cadeira capaz de influenciar o dia a dia e interesse de todos eles.

Eles dizem, porém, que o DEM de Maia tem cargos no governo e é natural que eles possam ser contemplados também.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.