Histórico radical de Bolsonaro mantém crise e puxa desconfiança após apelo por pacto nacional

Horas após pronunciamento, presidente compartilhou, sem checar veracidade, vídeo com ataque; mais tarde, apagou e pediu desculpas

Brasília e São Paulo

O apelo por união feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em rede nacional de rádio e televisão não convenceu governadores e líderes no Congresso, para quem o histórico de radicalização do mandatário não o deixa em condições de assumir as rédeas de um esforço de pacificação nacional para coordenar o combate ao novo coronavírus.

A avaliação de chefes de governo nos estados e de parlamentares ouvidos pela Folha é que pouco deve mudar nos constantes atritos com o Palácio do Planalto.

Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro em rede nacional
Pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro em rede nacional - Reprodução

Se esses líderes terminaram de assistir o pronunciamento de Bolsonaro na TV na noite de terça-feira (31) com alguma esperança de moderação, uma nova publicação do presidente em suas redes sociais na manhã de quarta (1) restabeleceu a sensação geral de ceticismo.

Em seu pronunciamento, Bolsonaro falou em “um grande pacto pela preservação da vida e dos empregos”, elencando "Parlamento, Judiciário, governadores, prefeitos e sociedade".

Menos de 12 horas depois, no entanto, o mandatário compartilhou um vídeo em que um homem aparece na Ceasa (Central de Abastecimento) de Belo Horizonte e relata situação de falta de produtos, citando "fome, desespero e caos". A culpa, prossegue a pessoa no vídeo, é dos governadores.

Acompanhando a publicação, Bolsonaro postou três frases: "Não é um desentendimento entre o presidente e alguns governadores e alguns prefeitos", diz. "São fatos e realidades que devem ser mostradas", prossegue. "Depois da destruição não interessa mostrar culpados."

A CeasaMinas contestou o conteúdo da publicação, negou desabastecimento e disse que a movimentação no centro segue normal. Diante do desmentido, Bolsonaro apagou a mensagem.

Ainda nesta quarta, Bolsonaro pediu desculpas por ter compartilhado o vídeo.

"Quero me desculpar, não houve a devida checagem do evento. Pelo o que parece aquela central de abastecimento estava em manutenção. Quero me desculpar publicamente, foi retirado o vídeo rapidamente. Acontece, a gente erra na notícia. Eu tenho a humildade de me desculpar sobre isso", declarou o presidente, em entrevista ao apresentador José Luiz Datena, da TV Bandeirantes.

O episódio reforçou a estratégia dos governadores de centralizar suas demandas no Congresso e nos ministros Paulo Guedes (Economia) e Luiz Henrique Mandetta (Saúde).

“Eu, ontem, como cidadão, como brasileiro e como governador, fiquei feliz de assistir um presidente da República mais moderado e com bom-senso, colocando uma mensagem equilibrada à população brasileira”, declarou em entrevista à imprensa o governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

“Mas amanheci preocupado, vendo o mesmo presidente da República numa postagem agredindo os governadores. Em qual presidente da República nós devemos confiar?", acrescentou.

À noite, em publicação em rede social, Bolsonaro voltou a repetir, de uma forma indireta, uma crítica que tem feito a alguns governadores, especialmente a Doria.

"Se todos colaborarem, inclusive aqueles que trabalham mais interessados em poder no que na vida das pessoas, na manutenção de seus empregos e no bem estar do país, os problemas serão enfrentados de forma mais eficiente e o Brasil sairá ainda mais forte dessa tempestade", escreveu Bolsonaro, que também fez ataque indireto à Globo, mas sem nominá-la.

"Não há mudança de tom quando se fala em salvar vidas após alertar sobre histeria, como sugere determinada emissora", escreveu Bolsonaro, dizendo ainda combater "o pânico disseminado por todo país com grande contribuição de parte da imprensa".

"O vergonhoso vídeo da Ceasa mostra o que realmente pensam Bolsonaro e o seu núcleo íntimo. Resta-nos a esperança de que o seu isolamento seja tamanho que ele seja objetivamente forçado a pactos, mesmo que não queira. Se ele efetivamente deixar de ser desleal, creio que a imensa maioria dos governadores está pronta a ajudar", afirmou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B).

Outros três governadores, que pediram para não ser identificados, vão na mesma direção. De diferentes partidos, eles cobram mais coerência e menos retórica do governo federal, além de maior agilidade na liberação do pacote de socorro aos estados e de auxílio a informais para fazer frente ao período de paralisação da economia.

Um dos exemplos mais citados pelos governadores é a prometida suspensão do pagamento da dívida com a União. O compromisso ainda não saiu do papel e diversos estados tiveram que recorrer à Justiça para garantir o não pagamento de uma parcela que venceu na segunda (30).

Para evitar batidas de frente com Bolsonaro, líderes que estão em conflito aberto com o mandatário têm tentado tocar demandas de seus estados com ministros considerados mais pragmáticos.

Um dos principais antagonistas do presidente, o governador Wilson Witzel (PSC), do Rio, negocia diretamente com Guedes a antecipação de partes dos recursos da Cedae (companhia de água e esgoto do estado) previsto para outubro, cuja outorga é calculada em R$ 11 bilhões.

A insatisfação com a forma de atuar de Bolsonaro extrapola os governadores e é compartilhada da centro-direita à esquerda no Congresso Nacional.

Deputados e senadores classificaram o presidente como “irresponsável” e “incontrolável”, alguém que não transmite segurança suficiente para guiar o país na crise.

As queixas foram externadas pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), durante um evento organizado Bradesco. Maia afirmou que Bolsonaro perde a oportunidade de construir pontes e repactuar as relações com o Congresso e com os governadores em favor de alimentar sua militância virtual.

“A relação entre o Parlamento e o governo não se encaminhou para um afastamento definitivo por causa da crise [do coronavírus]”, disse.

Parlamentares afirmaram que as postagens feitas pelo presidente na manhã desta quarta trazem uma imprevisibilidade desnecessária. “O presidente só sabe causar caos. É assim que ele trabalha”, afirmou o deputado Paulo Pereira da Silva (Solidariedade-SP), um dos líderes do chamado centrão.

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), minimizou o desconforto.
"Imprevisível? Ele é o mais previsível que tem. Ele foi assim por 30 anos no Parlamento. E os 58 milhões que o elegeram o elegeram por ele ser assim", afirmou o senador.

Ele reduziu a importância das postagens feitas por Bolsonaro em que ele atacou governadores e disse, de maneira falsa, haver desabastecimento em Minas Gerais. "O presidente tem responsabilidade com a sua base e fala com ela através das redes. É só isso", justificou o líder do governo.

Entre auxiliares palacianos, a explicação para o novo capítulo de radicalização é que Bolsonaro encontra-se pressionado entre duas forças de seu governo.

De um lado, a ala moderada que quer o presidente em trégua com os governadores e mais alinhado com orientações de sanitaristas pelo isolamento; e do outro expoentes do grupo ideológico e empresários que o apoiaram na campanha e que pregam a volta à normalidade.

Ao longo de terça e de quarta, representantes tanto dos segmentos empresariais como dos trabalhadores autônomos fizeram ligações e enviaram mensagens a assessores do presidente em defesa do fim da interrupção da atividade comercial.

Um dos que entrou em contato com Bolsonaro foi o diretor do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos de Ourinhos (SP), Ariovaldo Almeida Junior, um dos líderes da paralisação do setor em 2018. "Eu defendi a ele a necessidade de manter atividade econômica ativa, reabrindo comércios e shoppings", disse.

Desde a semana passada, o presidente tem recebido o recado de que, caso ele não se posicione ao lado do setor produtivo neste momento de prejuízos, abre-se o risco de perda de apoio de parcela significativa do setor empresarial.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.