Bolsonaro diz que indicará nomes para novo segundo escalão da Saúde

Segundo presidente, ministro defende utilização da hidroxiclororoquina para pacientes com coronavírus

Brasília

Com a troca no comando do Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (16) que o segundo escalão deve ser alterado mesmo em meio a uma pandemia do coronavírus.

Na entrada do Palácio da Alvorada, ele disse que todos os secretários serão trocados e que ele pretende indicar pessoalmente nomes para a nova equipe da pasta, que deve passar por um período de transição.

"Não estamos com pressa em demitir. Mas, obviamente, alguns nomes serão trocados com toda a certeza", disse. "Ele [novo ministro] logicamente vai nomear boas pessoas. Eu vou indicar algumas pessoas também. Já foram sugeridos nomes", afirmou.

O presidente Jair Bolsonaro ao lado do novo ministro da Saúde, Nelson Teich - Reprodução/TV Brasil

Bolsonaro disse que o novo ministro, Nelson Teich, "pensa da mesma maneira" que ele em muitos assuntos, entre eles, de acordo com o presidente, sobre a utilização da hidroxiclororoquina em paciente em estágio inicial da doença.

Ele ressaltou que, embora não tenh​am ainda estudos conclusivos sobre a utilização da substância no tratamento da doença, "não tem outra alternativa no momento".

"Pode ser que a cloroquina não dê certo, mas você não tem outra alternativa no momento. E outra: não tem esse efeito colateral todo como alguns dizem. Obviamente, tem que ter uma recomendação médica, mas é usada a seg​unda versão desde 1955", disse. "Essa é a minha opinião de leigo, eu faria isso [usar mesmo antes de finalizar os estudos]", acrescentou.

O presidente disse ainda que, diferentemente do que foi aventado nas redes sociais, ele não usou ponto eletrônico no pronunciamento que fez mais cedo sobre a troca na pasta.

"Nunca usei ponto na mina vida. Tem que ter cuidado nas palavras para falar dez minutos. Eu falei devagar, até porque a acústica lá é horrivel", disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.