Descrição de chapéu

Bolsonaro faz defesa confusa e escorrega ao responder a Moro

Presidente negou irregularidade e falou até de tacógrafos, mas arranhou ex-ministro sobre vaga no STF

São Paulo

Na defensiva, Jair Bolsonaro optou por um confuso figurino de vítima para tentar responder às acusações do ex-ministro Sergio Moro de que o presidente tentou fazer uma mudança política no comando da Polícia Federal.

O presidente buscou mostrar união em seu governo ao levar o vice, Hamilton Mourão, e seus ministros ao pronunciamento que fez nesta tarde de sexta (24) no Palácio do Planalto.

Bolsonaro, ministros e apoiadores durante o pronunciamento do presidente sobre a crise
Bolsonaro, ministros e apoiadores durante o pronunciamento do presidente sobre a crise - Evaristo Sá/AFP

A presença do patrono da ala militar, general Fernando Azevedo (Defesa), a seu lado buscou dissimular a crise que se instalou no setor com as acusações de Moro. Havia elementos exógenos ao governo, como o filho Eduardo e o também deputado Hélio Lopes (RJ).

Mais importante, o presidente falou amparado pelo pedido de inquérito da Procuradoria-Geral da República para apurar a fala de Moro. Qualquer coisa pode sair daí, inclusive uma acusação de calúnia contra o ex-ministro.

A negativa previsível à acusação de que gostaria de pedir relatórios de inteligência ao diretor do órgão perdeu preponderância ante o relato autocentrado sobre sua figura e temas alheios aos fatos, como um suposto escândalo envolvendo tacógrafos do Inmetro.

Se negou as acusações de irregularidades, Bolsonaro confirmou na fala que sim, quer uma maior interação com a Polícia Federal. E ainda deu uma dica: tem tal contato com órgãos de inteligência militares e da Abin (Agência Brasileira de Inteligência). Qual?

Bolsonaro também não falou nada sobre mexer em superintendências regionais da PF, como disse Moro.

A vida pessoal do presidente foi elevada a tema central das políticas de Estado. "A vida de um presidente tem um significado", enunciou o próprio, ao falar sobre como "implorou" para que fosse investigado o atentado que sofreu na campanha eleitoral de 2018.

Em termos de imagem, foi o pior ato falho de Bolsonaro. Ele disse que a PF deu mais atenção à apuração do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL) e seu motorista, em março de 2018, do que à facada que levou de Adélio Bispo em Juiz de Fora em setembro daquele ano.

Como se sabe, há intersecções entre a investigação acerca de Marielle e aquelas que envolvem Flávio Bolsonaro, então deputado no Rio e hoje senador. Acusados de matar Marielle tinham ligações com o gabinete na Assembleia Legistlativa. Para muitos, a comparação feita por Bolsonaro soará como escárnio.

Lembrou de Fabrício Queiroz, seu amigo desde 1984 e pivô das investigações contra Flávio. Sem responder nada sobre as acusações, que de resto não eram objeto do pronunciamento.

Moro não saiu bem na foto também. A afirmação de Bolsonaro de que ele disse que Maurício Valeixo poderia ser trocado depois de sua indicação ao Supremo Tribunal Federal é daquelas que soa não só mal, mas verossímil. Dificilmente a verdade emergirá na disputa de versões.

Também foi chamado de mentiroso pelo presidente, algo imaterial, mas que cai bem no ouvido popular.

Bolsonaro mirou no presidenciável que emergiu do pronunciamento desta sexta cedo no Ministério da Justiça, citando inclusive tal pretensão. Preferiu ressaltar diferenças com ele, um "desarmamentista" que tentou empregar uma "defensora do aborto".

Num arroubo psicanalítico, lembrou que como "humilde deputado", fora humilhado por Moro antes da campanha eleitoral. "Era um ídolo para mim", confessou.

Para falar à sua base digital, Bolsonaro fez questão de enfatizar que Moro não fez parte de sua campanha. Defendeu o polêmico Abraham Weintraub (Educação), ícone do bolsonarismo raiz e responsável por uma crise diplomática com a China em tempos de pandemia.

Como se viu nas redes sociais ao longo do dia, houve uma grande mobilização de bolsonaristas que se consideraram traídos pelo presidente. Moro é um ícone para esse nicho.

Bolsonaro tergiversou de forma que surpreendeu mesmo quem tem simpatia por ele, segundo a Folha ouviu durante a fala de Bolsonaro.

Falou das habilidades românticas de seu filho Renan, da prisão da avó de sua mulher, de sua infância no interior paulista, dos supracitados tacógrafos, da dicotomia entre diploma e experiência, do ranking educacional Pisa e de armamentos para caçadores.

Com uma linha de raciocínio tortuosa, Bolsonaro deixou a desejar para quem esperava respostas concretas. Até sua cantilena contra as medidas de isolamento social na pandemia da Covid-19 voltou à baila.

A batalha pela permanência de Bolsonaro no cargo foi aberta com uma salva confusa, após o tiro certeiro de Moro dado pela manhã. É apenas o começo.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.