Descrição de chapéu
Coronavírus

Saída de Moro tem pouco impacto em estratos de maior peso na população, indica Datafolha

Pesquisa também aponta ligeira alteração no perfil que sustenta índices de apoio a Bolsonaro

Os resultados da mais recente pesquisa telefônica do Datafolha trazem a crescente polarização da opinião pública e a consequente divisão do país quanto à imagem do governo.

Há menos gente considerando Jair Bolsonaro (sem partido) um presidente regular, enquanto taxas de aprovação e reprovação à sua gestão mantêm-se em patamares equivalentes. Um processo de impeachment ou a eventual renúncia do presidente também dividem os brasileiros.

Ao se comparar os dados de popularidade obtidos agora com os observados em dezembro do ano passado, último levantamento com a pergunta de avaliação geral do governo, não se percebem grandes mudanças no total.

Mas, quando se traça evoluções por estratos da população, confirma-se tendência já verificada nas pesquisas realizadas pelo instituto sobre a epidemia de coronavírus ao longo do último mês: há ligeira alteração no perfil que sustenta os índices de apoio a Bolsonaro.

Se por um lado os efeitos da crise sanitária afastaram parte dos mais escolarizados e mais ricos da base do presidente, por outro agregaram segmentos mais carentes e dependentes das políticas públicas, especialmente na área econômica.

Em relação à pesquisa de quatro meses atrás, Bolsonaro perdeu popularidade principalmente entre os que possuem renda familiar superior a cinco salários mínimos. Nesse segmento que corresponde apenas a 10% dos brasileiros, a aprovação do presidente caiu 11 pontos percentuais.

Por outro lado, entre quem tem renda de até dois salários mínimos (aproximadamente 60% dos entrevistados), a taxa de ótimo ou bom subiu oito pontos no mesmo período, grandeza idêntica à observada entre os trabalhadores autônomos e informais, com renda familiar de até três salários mínimos, habilitados, na teoria, a receber o auxílio emergencial liberado pelo governo.

Algo parecido acontece por escolaridade —a reprovação a Bolsonaro cresceu 11 pontos entre os mais escolarizados nos últimos quatro meses, e a aprovação subiu 8 entre os que têm o nível fundamental.

Nesse contexto, como não foram feitas pesquisas de avaliação geral do governo nas últimas semanas, mas sim levantamentos específicos sobre o desempenho da gestão no combate à epidemia, não é possível mensurar de forma direta os efeitos do pedido de demissão de Sergio Moro sobre a popularidade de Bolsonaro.

Os contrastes que se observam justamente nesses segmentos de menor renda e escolaridade apontam para um impacto ainda incipiente.

O baixo grau de informação e o ruído que o episódio pode ter provocado em estratos que possuem elevado peso quantitativo na composição do eleitorado minimizaram seu alcance e os reflexos se concentram nos mais escolarizados e entre os que ganham mais de cinco salários, que já vinham criticando o presidente em função de seu desempenho no combate ao novo coronavírus.

Entre os brasileiros com renda familiar mensal de até três salários mínimos, por exemplo, que correspondem a 75% da população, apesar de a grande maioria afirmar que tomou conhecimento do fato, a taxa dos que se julgam bem informados sobre a atitude do ex-ministro é inferior em 22 pontos percentuais à verificada entre os que têm renda superior a essa faixa.

Com isso, percebem-se índices altos de dificuldade desses que têm menos contato com informação em se posicionarem sobre o tema. Entre os que estudaram até o nível fundamental, por exemplo, praticamente um terço não sabe dizer, diante das acusações mútuas, se acredita mais em Bolsonaro ou em Moro. Entre os de menor renda, essa taxa é de 21%, enquanto entre os mais escolarizados cai para 11%.

Apesar de se colocarem proporcionalmente mais favoráveis à renúncia e ao impeachment do que os de maior renda, é justamente o equilíbrio entre os mais pobres, com renda familiar de até três salários, que garante a divisão da opinião pública sobre o assunto —eles são responsáveis por mais de 70% desses posicionamentos.

Mas se tem algo que historicamente marca os estratos carentes é sua volatilidade em função da dependência dos serviços públicos. E uma amostra do que pode acontecer caso a ajuda do governo não seja efetiva em outras esferas é o aumento recente da reprovação a Bolsonaro na política adotada contra o coronavírus.

Correlata à queda expressiva na avaliação do Ministério da Saúde sob Nelson Teich, o presidente deve aos mais pobres a maioria dos nove pontos de avaliação positiva que perdeu na última semana. Com a doença avançando sobre as periferias das grandes cidades, resta saber até quando o número de mortes não se projetará sobre a percepção dos cidadãos em relação a outras áreas do governo. ​

Mauro Paulino e Alessandro Janoni

Diretor-geral do Datafolha e Diretor de Pesquisas do Datafolha

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.