Descrição de chapéu Coronavírus

Destruíram minha vida por causa de um vídeo, diz professora que desabafou a Bolsonaro

Vídeo em que Fátima Montenegro pede militares nas ruas foi postado por Bolsonaro na quinta (2)

Brasília

Acusada em redes sociais de fazer diante do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) um desabafo falso sobre suas dificuldades financeiras, Fátima Dantas Montenegro, 52, diz que não mentiu ao se descrever como uma professora particular desamparada na crise do coronavírus.

Em entrevista à Folha, ela disse ser dona de um pequeno curso de caligrafia há 30 anos em Brasília, que teve de encerrar as atividades após as determinações de isolamento no Distrito Federal. “Não posso dar aulas. Meu espaço é num coworking. Minha renda caiu a zero.”

-
Em vídeo, mulher que se apresentou como professora particular apela para que o mandatário ponha "militares na rua" para encerrar medidas restritivas adotadas por governadores - Reprodução

Eleitora de Bolsonaro, que já postou outros vídeos em apoio ao presidente, Fátima diz ter de sustentar seus três filhos. A pensão desembolsada pelo pai delas, alega, banca apenas o aluguel do apartamento em que vivem.

“Estou desesperada, tenho contas para pagar”, afirma, acrescentando ainda não ter como contar com a ajuda de seus pais.

O vídeo de Fátima foi postado nas redes sociais por Bolsonaro na última quinta (2). Diante do Palácio da Alvorada e em meio a apoiadores que se aglomeravam junto a uma grade, ela chamou o presidente e, entre outros apelos, pediu uma intervenção das Forças Armadas contra o fechamento do comércio.

“Não tem condições de a gente viver nesta situação, vai faltar coisa para os meus filhos. Estou aqui pedindo para o senhor: põe os militares nas ruas”, disse, dramaticamente, ao presidente.

A professora argumentou a Bolsonaro que as pessoas querem trabalhar com liberdade, sem depender de ajudas de custo. “Não quero que o governo banque nossa vida, isso é para vagabundo. Abre esse comércio.” O presidente assistia ao desabafo calado, a alguns metros de distância.

“As lojas Americanas estão abertas, o camelô não pode abrir. Por quê?”, questionou. Bolsonaro não se aproximou, mas declarou ao fim: “Pode ter certeza de que a senhora fala por milhões de pessoas”.

Após a publicação, um internauta postou no Facebook que Fátima é empresária em Brasília e que teria mentido sobre ser uma professora em apuro financeiro.

Nos registros da Receita Federal, ela consta como sócia de duas microempresas, a ABZ Curso de Caligrafia, aberta em 1997, e a Fátima Montenegro Curso de Caligrafia, de 2010. Ambas constam com o inaptas por “omissão de declarações”.

Após a suspeita ser lançada nas redes sociais, críticos e políticos de oposição a Bolsonaro passaram a dizer que o vídeo era uma farsa e a sugerir que a professora foi cooptada para fazer os apelos publicamente.

Um desses foi o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP). “Chega ao fim mais uma farsa. Fátima Montenegro, a mulher que se passou por vitima de perder o emprego e implorou para Bolsonaro o fim da quarentena, é uma empresária de Brasília e militante do bolsonarismo. Foi colocada estrategicamente no dia para criar comoção”, postou Frota em sua conta no Twitter.

Questionada sobre acusações de que foi contratada para fazer o desabafo, Fátima reagiu: “Que contrato, gente? Se tivesse esse contrato, eu estaria bem. Não tem isso."

A professora disse que decidiu ir ao Alvorada após o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), decretar que o fechamento do comércio e de outras atividades não consideradas essenciais vai se estender até 3 de maio. O anúncio, segundo ela, a desesperou.

Pedagoga de formação, Fátima oferece na internet diversos cursos, como de caligrafia técnica e artística, com método que diz ter criado. A modalidade online custa R$ 427 em 12 prestações ou R$ 320 à vista.

Ela conta já ter tentado vender seu peixe a políticos, sem sucesso, no passado. “Meu produto sou eu. O que eu sempre pedi, inclusive para governos anteriores, é que comprassem meu projeto.”

Fátima divulga seu celular no Facebook. Após seu vídeos e as contestações a ele viralizarem, ela diz que seu WhatsApp foi inundado de mensagens, algumas a chamando de nazista e fascista, além de ameaças do tipo “se você sair, vou te pegar”.

Nesta sexta (3), a professora foi a delegacia de polícia para registrar queixa. Chorando, relatou ter saído das redes sociais por causa das intimidações. “Quero proteção, estão me ameaçando. Destruíram minha vida só por causa de um vídeo. Por causa de ideologia.”​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.