Descrição de chapéu Coronavírus

Em despedida privada com auxiliares, Mandetta fala em ingratidão e risco de colapso na saúde

Ex-ministro, em pequena cerimônia, pediu que Irmã Dulce proteja o SUS e disse que idosos não são descartáveis

Brasília

“Eu agora sou mais um nessa galeria de ex-ministros", afirmou Luiz Henrique Mandetta a servidores e assessores momentos antes de deixar o prédio do Ministério da Saúde.

A fala foi dita por Mandetta em uma cerimônia informal para colocar a foto dele na galeria de ex-ministros no hall do prédio do ministério, após ser exonerado na tarde desta quinta-feira (16) pelo presidente Jair Bolsonaro.

O ex-ministro discursou por dez minutos após ouvir aplausos, cantorias e falas emocionadas de aliados que estiveram com ele durante um ano, três meses e 16 dias em que esteve a frente da pasta.

A reportagem da Folha foi a única a acompanhar o encontro.

Foi com uma menção à Santa Irmã Dulce dos Pobres, canonizada no ano passado, que Mandetta começou a se despedir.

Antes da cerimônia, ele pediu a uma servidora que colocasse a imagem da santa baiana atrás da moldura da sua foto que ficará na galeria. Emocionado, quase derrubou o quadro para checar se a imagem estava no lugar.

“Quando fui a Salvador ver o hospital da obra de Irmã Dulce, estava com prefeito ACM Neto e ele se ajoelhou. Eu decidi ajoelhar também e rezar para que ela iluminasse o país. E disse: Irmã Dulce, se a senhora for santa, vou no Vaticano. Achei que ia demorar 30 anos e pagar a promessa lá na frente, mas fui. Chegando lá, o que eu pedi foi: protege o SUS, porque, ao proteger o SUS, a senhora protege muita gente.”

Mandetta usou do exemplo da santa para se referir ao coronavírus e o desafio em implementar medidas de isolamento social, alvo de críticas de Bolsonaro.

“A obra dela era uma obra para gente pobre, gente da rua de Salvador, que ela nunca negou, nunca fechou a porta. Tudo o que fizemos aqui foi pensando nos mais humildes. No dia que gente desse ministério me falou como era o ônibus que vinha para cá, o grau de proximidade das pessoas, vamos falar em isolamento social como? O SUS vai pagar a conta de séculos de negligência, de favela, de falta de saneamento básico, de falta de cuidado com o povo mais humilde que é a grande massa trabalhadora desse país."

"O que é falar para eles: 'vão trabalhar, por que temos que passar por isso rápido'? Se passar por isso rápido significa estressar muito além do razoável o sistema de saúde", disse o ministro, apontando risco de colapso no SUS.

“Quando a gente vê o sistema de saúde dos Estados Unidos, quando vê Nova York em colapso, Chicago em colapso, a gente pensa no nosso Brasil e nesse povo daqui e fala: Santa Dulce, nossa senhora, ajuda."

Funcionários do Ministério da Saúde colocam quadro com foto de Mandetta na galeria de ex-ministros da pasta
Funcionários do Ministério da Saúde colocam quadro com foto de Mandetta na galeria de ex-ministros da pasta - Renato Onofre/Folhapress

Em seguida, Mandetta disse que, caso sejam afrouxadas as recomendações atuais da pasta, o sistema de saúde brasileiro poderá ter reflexos como o da Europa, em que há funcionários que já atendem “com saco de lixo na cabeça”.

“A gente tomou decisões baseado no que está acontecendo no sistema de saúde da Europa, da França, da Inglaterra. O sistema de enfermagem da Inglaterra foi atender com saco de lixo na cabeça. A nossa aqui, se for pelo mesmo caminho, vai ter que ir também. Porque não tem equipamento de proteção individual em quantidade e qualidade que todo mundo quer, porque o mundo inteiro hoje quer.”

Em um recado de forma indireta a Bolsonaro, que já chegou a comparar a doença a uma “gripezinha”, Mandetta disse que idosos “não são e nunca serão descartáveis sob o argumento da economia que for”.

“Não existe ninguém que a gente esteja autorizado a largar para trás. A gente tem que pensar na cracolândia, na favela, no bairro mais humilde. Temos que pensar nos idosos. Eles não são e nunca serão, em hipótese nenhuma, descartáveis. Jamais serão um ponto em estatística, seja sob o argumento que for, da economia que for, e do que quer que seja”, disse.

Ele expressou preocupação com o relaxamento de medidas de isolamento social e pediu a técnicos da pasta que “não tenham medo de andar ao lado da verdade”.

Horas após a demissão, Bolsonaro anunciou que Mandetta seria substituído pelo médico oncologista Nelson Teich, que se declarou alinhado às demandas do presidente.

“Se acontecer da sociedade começar a se movimentar, não somos juízes de valor de ninguém. Vamos atender e vamos lutar com as forças que tivermos, com as armas que nos derem. Se hoje não estou mais aqui, sou só mais uma foto no passado, que seja, contem comigo como cidadão, como um ombro amigo, como médico, que talvez eu seja útil, ainda que esqueçam tudo o que a gente fez”, disse.

“Mas tenhamos sempre em mente que é não esquecer dos mais humildes. Porque a hora que falar: toca o barco, são eles que podem ser a maior vítima dessa decisão.”

Ainda no discurso, que durou cerca de dez minutos, Mandetta pediu foco à equipe e apoio para a transição. “Minha saída é muito pequena, é insignificante perto da luta que vamos ter que travar. Foco. Nosso inimigo tem nome, e chama-se coronavírus."

Embora com aparência firme, Mandetta deixou transparecer que sai da pasta com um pouco de ingratidão no peito. “O Padre Antônio Vieira falava: se tudo que fizeres pela pátria, e ela ainda assim lhe for ingrata, não tereis feito mais do que sua obrigação.”

Também pediu que os funcionários deem apoio a novas equipes que podem chegar à pasta.

“Temos um futuro amanhã de manhã e temos que ajudar demais seja lá quem for o próximo a ter uma fotografia aqui. Recebam com os braços abertos. Façam o melhor que vocês puderem, a luta não acabou, nem um minuto.”

Em nome dos servidores, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos, Denizar Vianna, afimou que foi um privilégio trabalhar com o ministro e que o corpo técnico da pasta poucas vezes trabalhou com um ministro tão humanista e que pautava "suas decisões na ciência".

Vianna, que é próximo do futuro ministo Nelson Teich, fez questão de ressaltar os panelaços ocorridos durante o anúncio oficial da demissão de Mandetta feito pelo presidente Bolsonaro

"O panelaço comeu solto na sua demissão. Mostrando que a população te apoia".

O secretário afirmou que, sem as ações do ex-ministro, o quadro de mortalidade "poderia sem bem maior" e que o final da tarde no país, quando as entrevistas coletivas eram transmitidas, "virou a novela do brasileiro". "Todo mundo queria ouvir o ministro."

"O povo brasileiro precisa de liderança. Esperamos no futuro ter o senhor em outro posto", afirmou Vianna.

Em outro momento, uma servidora começou a puxar o coro da canção Timoneiro, um dos hinos do samba composto por Paulinho da Viola.

"Não sou eu quem me navega / Quem me navega é o mar / Não sou eu quem me navega/ Quem me navega é o mar", diz o refrão da música. “Vai, timoneiro”, cantou a servidora.

Depois de se despedir, Mandetta saiu pela garagem, nos fundos do prédio. Na portaria principal, ao menos quatro servidores se despediam de colegas com caixas cheias de objetos pessoais nas mãos. Alguns choravam.

Na despedida, houve uma pequena aglomeração de servidores, mas parte deles usava máscara e evitou abraçar o ex-ministro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.