Descrição de chapéu
Governo Bolsonaro

Investigação sobre ações de Bolsonaro também poderá servir para explicar silêncio de Moro

Apurações sobre presidente são chave para entender narrativa do ex-ministro

São Paulo

A abertura de investigações sobre as acusações do ex-ministro Sergio Moro será essencial não só para esclarecer as circunstâncias em que o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir na sua área, mas também para entender por que Moro silenciou por tanto tempo diante dos abusos do chefe.

Ao justificar sua decisão de romper com o governo, Moro disse na sexta-feira (24) que Bolsonaro fazia pressões para que o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, fosse substituído por alguém que lhe fornecesse informações sobre o andamento das investigações conduzidas pela instituição.

“O presidente me disse, mais de uma vez, expressamente, que ele queria ter uma pessoa do contato pessoal dele, que ele pudesse ligar, que ele pudesse colher informações, que ele pudesse colher relatórios de inteligência, seja o diretor, seja superintendente”, afirmou o ex-juiz da Operação Lava Jato.

Moro afirmou que as pressões do presidente tiveram início no segundo semestre do ano passado, mas foi vago ao mencionar datas e episódios específicos. A demissão de Valeixo, consumada por Bolsonaro na sexta à revelia do ex-ministro, foi o motivo que ele apontou para a precipitação do seu rompimento.

Objetivamente, Moro citou quatro situações em que o presidente teria buscado interferir na PF: a troca do superintendente do Rio, em agosto do ano passado; uma primeira tentativa de substituir Valeixo, em setembro; novas gestões no Rio e em Pernambuco; e a ofensiva final contra o diretor-geral.

Moro disse que o presidente nunca apresentou motivos aceitáveis para justificar essas mudanças, afirmou que tentou administrar as pressões para proteger a corporação e sugeriu que demorou para se dar conta de que o objetivo de Bolsonaro era ter acesso a informações sigilosas da PF, ilegalmente.

“Dialoguei muito tempo com o presidente, busquei postergar essa decisão, às vezes até sinalizando que poderia concordar no futuro com essa possibilidade”, disse, sobre a demissão de Valeixo. “Mas cada vez mais me veio a sinalização de que seria um grande equívoco realizar essa substituição.”

Se é difícil aceitar a ideia de que Moro possa ter demorado tanto tempo para entender o que Bolsonaro esperava dele e da polícia, as investigações que devem se iniciar em breve oferecem uma oportunidade para esclarecer também episódios que contrariam a narrativa feita pelo ex-ministro na sexta-feira.

Em julho do ano passado, a PF prendeu três aliados do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, em meio a uma investigação sobre o uso de candidaturas laranjas para desviar recursos dos cofres do PSL, o partido que Bolsonaro usou para se eleger em 2018 e com o qual rompeu depois.

O inquérito era conduzido sob sigilo, sob supervisão da Justiça Eleitoral de Minas Gerais, mas no dia seguinte o presidente disse que já sabia de tudo, graças a Moro. “Ele mandou a cópia do que foi investigado pela Polícia Federal para mim”, disse Bolsonaro, que estava em viagem à Arábia Saudita.

O Ministério da Justiça confirmou na época que informações sobre o caso tinham sido compartilhadas com o presidente, mas nunca se soube como. Em resposta a requerimentos apresentados pela Folha com base na Lei de Acesso à Informação, o ministério afirmou que o documento citado por Bolsonaro simplesmente não existia.

Moro sempre minimizou o episódio, dizendo em entrevistas que as informações transmitidas ao presidente eram as mesmas que haviam sido divulgadas pela imprensa no dia das prisões. O caso veio à tona antes das primeiras tentativas de Bolsonaro de interferir na PF, se a cronologia de Moro estiver correta.

Na sexta-feira, ao rebater as acusações do ex-ministro, o presidente disse que determinou a Moro a realização de investigações de seu interesse em pelo menos três ocasiões diferentes. Ele revelou ter recebido informações sobre o resultado das diligências da PF uma vez, mas não identificou seu informante.

Estava em jogo o relacionamento da família do presidente com os ex-policiais militares acusados pelo assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. O caso também ocorreu antes do momento em que, segundo Moro, tiveram início as ameaças de Bolsonaro à autonomia da PF.

Em março do ano passado, quando o policial militar reformado Ronnie Lessa foi preso, um delegado da Polícia Civil do Rio disse ter recebido informações sobre um suposto relacionamento do filho caçula do presidente, Renan, com uma filha de Lessa, mas acrescentou que não pareciam ter importância.

Na sexta-feira, Bolsonaro afirmou que mandou a Polícia Federal tirar a limpo a história imediatamente, ouvindo o ex-policial na prisão: “Foram lá, a PF fez o seu trabalho, e está comigo a cópia do interrogatório onde ele diz simplesmente o seguinte: ‘A minha filha nunca namorou o filho do presidente Jair Bolsonaro’”.

O presidente não explicou exatamente como sua ordem foi transmitida à polícia, nem como teve acesso à transcrição do depoimento, mas usou o episódio para expressar inconformismo com Moro: “Eu que tenho que correr atrás disso? Ou é o ministro ou a Polícia Federal quem tem que se interessar?”

Bolsonaro disse também que precisou “implorar” a Moro para que a PF investigasse o porteiro que o vinculou a outro ex-policial envolvido com o assassinato de Marielle no ano passado, e para que aprofundasse investigações sobre Adélio Bispo, o homem que esfaqueou Bolsonaro na campanha de 2018.

Ao narrar esses episódios na sexta-feira, o presidente afirmou que não via nada de impróprio em suas ações. Horas depois, Moro respondeu divulgando uma troca de mensagens que tivera com ele na véspera, em que Bolsonaro aponta uma das suas razões para a substituição de Valeixo no comando da PF.

De acordo com a imagem divulgada por Moro, o presidente compartilhou com ele uma notícia sobre investigações da PF que têm como alvo deputados bolsonaristas e comentou: “Mais um motivo para a troca”. Segundo o ex-ministro, era uma referência às discussões sobre a demissão do diretor-geral.

É um sinal de que a situação do presidente tende a se complicar bastante com as investigações, mas só o conhecimento da íntegra das mensagens armazenadas nos telefones de Moro e Bolsonaro permitirá entender como a relação dos dois se deteriorou a ponto de tornar seu rompimento inevitável.

Apurações no entorno de Bolsonaro

Inquérito das fake news

Em março de 2019, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, anunciou a abertura de um inquérito para investigar a existência de fake news que atingem a honra e a segurança dos membros da corte e de seus familiares. Paralelamente, em setembro do mesmo ano, a CPMI das Fake News foi instaurada no Congresso.

Desde então, a família Bolsonaro tem se colocado contrária ao funcionamento da comissão, que investiga perfis que fazem parte do arco de apoio do presidente da República. Tanto a apuração do STF quanto a da comissão, com a ajuda de um policial federal, envolvem a suspeita de que o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) estejam por trás do “gabinete do ódio” supostamente mantido pelo Palácio do Planalto para atacar desafetos políticos

Caso Queiroz

Em agosto do ano passado, Bolsonaro anunciou que trocaria o superintendente da Polícia Federal no Rio, Ricardo Saadi, por questões de gestão e produtividade. A corporação passava por momento delicado na ocasião, especialmente após vir à tona o caso Fabrício Queiroz, policial militar aposentado e ex-assessor de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) na Assembleia do Rio. Ele é o pivô da investigação do Ministério Público do Estado que atingiu o senador, primogênito do presidente.

A suspeita da promotoria é de que o dinheiro seja de um esquema de “rachadinha” —quando funcionários são coagidos a devolver parte de seus salários aos deputados. Esse caso específico não está com a PF, mas o órgão tocava investigações envolvendo personagens em comum

Partidos do centrão

O isolamento político de Bolsonaro o levou a começar a negociar com os partidos do centrão (PP, PL, Republicanos, PTB, Solidariedade e PSD). Vários integrantes das siglas que formam o bloco são alvos da Operação Lava Jato, que teve em Sergio Moro seu principal personagem até o final de 2018.

Alguns parlamentares suspeitam que o afastamento de Maurício Valeixo do comando da Polícia Federal e o consequente enfraquecimento de Moro tenha entrado no acerto que Bolsonaro tem costurado com o bloco

Ato pró-golpe

A pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, corre uma investigação sobre os atos antidemocráticos dos quais Bolsonaro participou no domingo (19), em Brasília. O presidente pode ter cometido mais um crime de responsabilidade ao discursar na manifestação que pedia um novo AI-5 e o fechamento do Congresso.

A investigação mira empresários e ao menos dois deputados federais bolsonaristas por, possivelmente, terem organizado e financiado os eventos. Os nomes são mantidos em sigilo

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.