Descrição de chapéu DeltaFolha

Lives de Bolsonaro priorizaram pesca mesmo em meio à pandemia do coronavírus

Levantamento da Folha analisou 55 mil palavras das transmissões deste ano; presidente só priorizou doença a partir de meados de março

São Paulo

A China registrava 3.000 mortes pelo novo coronavírus no começo de março, e o Brasil possuía quatro casos confirmados. Desde 30 de janeiro, a Organização Mundial da Saúde já havia declarado emergência mundial. Na live semanal nas redes sociais do presidente Jair Bolsonaro, porém, a doença não apareceu.

Um dos assuntos no dia 5 do mês passado na transmissão era o peso da tilápia, que é abatida por volta de 800 g para o consumo, conforme contou o secretário de Pesca do governo, Jorge Seif, convidado do presidente. Na quase meia hora de transmissão, a Covid-19 não foi abordada.

O tema da pesca é simbólico da demora para que o novo coronavírus passasse a ser uma prioridade nas transmissões de Bolsonaro em 2020, mostra levantamento da Folha, que analisou as 6 horas e 18 minutos de conversa desde janeiro. Um modelo estatístico agrupou as 55 mil palavras ditas nas lives.

Em março, levantamento da Folha mostrou que Bolsonaro era o terceiro líder mundial que menos falava no Twitter sobre a doença, considerando 24 presidentes e primeiros-ministros.

No ano todo, a pesca ocupou 19% das lives do presidente. Coronavírus chegou a 30%, mas basicamente pelas transmissões a partir da metade de março.

Desde o início do mandato o presidente diz que as lives são uma das principais formas de se comunicar diretamente com a população. Em diversas delas, ele pergunta para um auxiliar quantas pessoas estão online (na última, eram 92 mil) e questiona se a rádio Jovem Pan está retransmitindo.

Apenas em 12 de março a pandemia dominou a transmissão. O então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, foi o convidado daquela semana. Os dois apareceram de máscara. No dia anterior, a OMS havia declarado que a doença era uma pandemia.

Mesmo em lives que o tema coronavírus dominou, o tom não foi de emergência sanitária. A principal preocupação nessas transmissões foi o impacto econômico das medidas para diminuir a circulação do vírus.

Naquele 12 de março, por exemplo, Bolsonaro passa a palavra para Mandetta dizendo: “não tem uma grande letalidade, mas quem tem mais de 60 anos, aumenta um pouquinho”.

O próprio ministro, que passou a ser conhecido como defensor de isolamento social (o que desgastou a relação com o presidente), não foi naquela live tão incisivo sobre a quarentena.

Mandetta foi reticente, por exemplo, ao defender o fechamento das escolas, porque, segundo o ministro, as crianças poderiam passar a ser cuidadas pelos avós, público de risco e que poderia ser infectado pelos jovens.

Live do presidente Jair Bolsonaro mascara
O presidente Jair Bolsonaro, ao lado do então ministro Luiz Henrique Mandetta e da tradutora de Libras, em live do dia 12 de março - Reprodução

Na live do dia 9 de abril, o principal tema foi o coronavírus, mas do ponto de vista econômico. Os temas foram o pagamento de R$ 600 para desempregados, crédito para a construção civil e custo para repatriar brasileiros.

Durante essa transmissão, Bolsonaro, sem máscara, tossiu três vezes (duas na mão e uma sem nenhum bloqueio). E precisou de ajuda do auxiliar para pronunciar corretamente o termo “Covid-19”.

Sobre a doença em si, tratou apenas da cloroquina, dizendo que pode vir a ser uma substância importante para combater o novo coronavírus (estudos científicos vêm apontando problemas com essa estratégia).

Na última live, na quinta (16), Bolsonaro apareceu ao lado do novo ministro da Saúde, Nelson Teich. A cara fechada do presidente contrastou com as demais transmissões, em que ele faz piadas, em geral com o convidado. Naquele dia o mandatário havia demitido o ministro Mandetta.

“Dia muito cansativo, eu tenho de tomar decisões. Podemos errar, mas vamos buscar fazer o melhor para o Brasil”, afirmou o presidente.

Também nessa transmissão, Bolsonaro enfatizou o prejuízo econômico do isolamento social, ainda que tenha dito que reconhecia a gravidade da doença. “Se os aeroportos estão fechados, não dá para transportar um coração para transplante, por exemplo”, disse.

O novo ministro concordou com o chefe. Segundo ele, a pasta precisa considerar que emprego também é saúde.

Além de pesca e coronavírus, um tema que o presidente abordou consideravelmente no ano foi a relação do governo com outros Poderes.

No dia 27 de fevereiro, por exemplo, Bolsonaro falou sobre o Ceará, onde a polícia havia feito motim, e o estado havia solicitado apoio das Forças Armadas. Bolsonaro aproveitou o episódio para chamar os governadores a pressionar o Congresso para aprovar o excludente de ilicitude, artifício que prevê evitar punição a militar que venha a cometer um crime em missão.

O ESTUDO

O modelo usado nesta análise procura grupos de palavras que aparecem juntas frequentemente no texto, para agrupar os termos em temas.

Ele permite ter uma visão geral dos temas abordados, ainda que possa haver perdas na análise. Por exemplo, se um tema é abordado muito brevemente, provavelmente o modelo não consegue captá-lo.

Um mesmo trecho também pode ser enquadrado em mais de uma categoria.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.