Lula critica decisão do Supremo que barrou escolha de Bolsonaro para a PF

Petista diz que presidente tem mais autoridade para fazer indicações do que ministro

São Paulo

O ex-presidente Lula (PT) criticou a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), de barrar a nomeação feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de Alexandre Ramagem para a chefia da Polícia Federal.

Na opinião de Lula, a atitude do ministro só se justificaria caso ficasse provado que Ramagem cometeu algum ilícito que o impedisse de ocupar o cargo. O ex-presidente afirmou em entrevista ao UOL nesta quinta-feira (30) que as indicações cabem ao presidente da República.

"Não pode um único juiz da Suprema Corte tomar atitude de evitar. Não podemos permitir que as instituições ajam politicamente. [...] Que a pessoa prove que o delegado tem um ilicito, aí sim ele está correto [em barrá-lo]", disse.

A decisão de Moraes se baseia, principalmente, nas afirmações de Bolsonaro de que pretendia usar a PF, um órgão de investigação, como produtor de informações para suas tomadas de decisão.

A decisão de Bolsonaro de trocar a chefia da Polícia Federal provocou a saída do então ministro da Justiça Sergio Moro. O ex-juiz da Lava Jato não concordava com a nomeação de Ramagem, amigo dos filhos de Bolsonaro, que, por sua vez, são alvos de investigações da PF. Moro deixou o governo acusando o presidente de tentar interferir politicamente nas investigações da PF.

No impasse entre Moro e Bolsonaro, Lula centrou as críticas ao ex-ministro e afirmou que "a troca do delegado não pode ser nenhum absurdo".

"O presidente da República tem mais autoridade para indicar o delegado do que o ministro, afinal de contas foi o presidente da República que foi eleito. O que é importante é tratar a instituição de forma republicana, ou seja, não é um instrumento do presidente da República", disse.

"Eu não sei qual o crime que o delegado [Ramagem] cometeu. Se ele cometeu algum desvio, obviamente que não poderia mesmo assumir. Mas é preciso que a gente seja preciso, porque um dia você pode ser presidente e você pode querer indicar uma pessoa que você conheça para um cargo e alguém vai dizer que não pode indicar", afirmou Lula ao entrevistador, Leonardo Sakamoto.

Como de costume, Lula fez diversas críticas a Moro, que como juiz foi o responsável pela condenação do ex-presidente na Lava Jato. A sentença foi confirmada em instâncias superiores e Lula acabou preso em abril de 2018.

O ex-presidente deixou a carceragem da Polícia Federal em Curitiba em novembro passado, após decisão do STF que desautorizou a prisão após condenação em segunda instância. Ele ainda aguarda recursos contra a condenação em tribunais superiores.

Lula afirmou na entrevista que Moro buscava ter protagonismo maior do que o de Bolsonaro —algo de que o próprio presidente acusa seu ex-subordinado.

"O Moro achava que estando no ministério ele poderia ser mais importante que o presidente e não é. E foi por isso, na minha opinião, que ele caiu. [...] O ministro não pode achar que é mais importante que o presidente da República", afirmou.

Segundo Lula os elogios de Moro às gestões do PT, afirmando que elas não intervieram na PF como pretendeu fazer Bolsonaro, só demonstram "mau-caratismo" do ex-juiz. O petista afirmou que Moro deveria ter ido além e reconhecido que mentiu ao condená-lo.

Lula afirmou que sempre teve relação institucional com a PF e se defendeu da suspeita de que a troca que promoveu no órgão em 2007 teve intenção de obter informações para o governo. Segundo Lula, a troca ocorreu porque o então diretor-geral da PF era indicado por seu então ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, que estava de saída.

O ex-presidente também chegou a dizer que seu problema com Bolsonaro, que faz com que ele e o PT defendam o "fora, Bolsonaro", não é a saída do Moro do governo —que acabou rachando a base de apoio do presidente e agravou a crise de seu governo.

"Nunca vi a República falir por causa da troca de ministro. Presidente troca de ministro quando quiser [...] Esse não é o problema maior. O problema maior do Bolsonaro é a falta de capacidade de governança que ele está demonstrando", disse Lula.

O petista criticou a postura de Bolsonaro de minimizar a pandemia de coronavírus, de ir contra o isolamento social, de brigar com governadores e afirmou que faltam medidas econômicas para sair da crise.

"Bolsonaro tem que ser o maestro da coordenação de evitar o crescimento da pandemia", disse Lula ao criticar o "e daí?" dito pelo presidente a respeito do número de mortos no Brasil ter passado de 5 mil.

"Ou a gente encontra um jeito de pegar os crimes de responsabilidade que Bolsonaro já cometeu e tira-se ele ou ele vai acabar com esse país. Ele não tem condições de governar", completou.

Lula afirmou que defende o processo de impeachment de Bolsonaro, ressaltou que o da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) teve um julgamento injusto, mas disse que o PT não apresentará pedido para não partidarizar o processo. "Nós achamos que ele [pedido de impeachment] deveria vir de uma entidade da sociedade civil e não de um partido político."

Questionado sobre a hipótese de Moro concorrer à Presidência da República em 2022, Lula disse que "pode ser". Mas questionou o preparo do ex-juiz para enfrentar debates e a campanha de rua.

"Gostaria de enfrentar Moro no primeiro turno. Acho que ele não iria para o segundo turno em nenhuma eleição que tenha debate", provocou o petista. Porém, nas condições em que se encontra hoje, Lula não poderia concorrer em 2022 devido à Lei da Ficha Limpa.

Em seguida, contudo, o próprio petista disse que não tem a intenção de concorrer em 2022 porque estará com 77 anos. "Se eu tiver juízo, eu tenho que ajudar que o PT tenha outro candidato e que eu seja um bom cabo eleitoral. Já dei minha cota de contribuição ao país​. Espero que o PT e o país não precisem de mim."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.