Mulher de Moro defende Mandetta e diz que, entre ciência e achismo, fica com a ciência

Rosangela Moro saiu em defesa de ministro criticado por Bolsonaro; mais tarde, apagou postagem

Curitiba

Rosangela Moro, mulher de Sergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Jair Bolsonaro, postou na noite desta quinta-feira (2) no Instagram uma foto e uma mensagem de apoio ao ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.

Rosangela escreveu: “Entre ciência e achismos eu fico com a ciência. Se você chega doente em um médico, se tem uma doença rara você não quer ouvir um técnico?”.

O ministro Sergio Moro e sua esposa, Rosângela Moro, durante casamento da deputada Carla Zambelli
O ministro Sergio Moro e sua esposa, Rosângela Moro, durante casamento da deputada Carla Zambelli - Pedro Ladeira- 14.fev.20/Folhapress

Na sequência, ela afirmou que Mandetta “tem sido o médico de todos nós”. “In Mandetta I trust”, completou. O post, no entanto, ficou poucos minutos no ar e já foi apagado.

Ele foi postado por ela após Jair Bolsonaro ter feito críticas a Mandetta durante entrevista à rádio Joven Pan. O presidente disse que o ministro precisava de mais humildade.

"O Mandetta quer fazer muito a vontade dele. Pode ser que ele esteja certo. Pode ser. Mas está faltando um pouco mais de humildade para ele, para conduzir o Brasil neste momento difícil que encontramos e que precisamos dele para vencer essa batalha”​, afirmou Bolsonaro.

Segundo Bolsonaro, o ministro "extrapolou" no enfrentamento da pandemia do coronavírus e teria, em alguns momentos, que "ouvir mais o presidente da República"​.

Em outra postagem, mais cedo, Rosangela compartilhou uma reportagem que tinha como chamada a frase do marido: "Tem que seguir as regras de isolamento, mas manter a calma".

Abaixo, ela escreveu: "E mais ministro, temos que ter discernimento (capacidade de compreender situações, de separar o certo do errado)". E também finalizou com "in Moro I trust".

Na última terça (31), a Folha mostrou que Sergio Moro e Paulo Guedes uniram-se nos bastidores no apoio a Mandetta e na defesa da manutenção das medidas de distanciamento social e isolamento da população no combate à pandemia do coronavírus.

O trio formou uma espécie de bloco antagônico, criando um movimento oposto ao comportamento do presidente Jair Bolsonaro, contrário ao confinamento das pessoas, incluindo o fechamento do comércio.

Na manhã desta quinta-feira, em entrevista à Rádio Gaúcha, Moro voltou a defender o isolamento social como orientação técnica para diminuir a expansão do coronavírus.

"Essas medidas de isolamento e quarentena, previstas na Lei do Coronavírus aprovada em fevereiro, devem ser aplicadas, inclusive observando a própria dinâmica da doença", disse.

Ele lembrou que a orientação é para evitar o aumento significativo de casos em um período curto, enquanto o sistema de saúde ainda está se preparando para atender à provável demanda.

O ministro analisou que ainda não é possível saber como a doença vai se comportar no Brasil e afirmou que é prudente seguir as recomendações técnicas de manter o distanciamento social.

Moro citou os governadores, que vem sendo criticados por Bolsonaro. Para o ministro, a discussão sobre isolamento vertical ou horizontal é mal colocada e, no momento, o que se recomenda, principalmente nos estados com maior incidência do coronavírus, é o isolamento rigoroso.

"Eventualmente tem algumas medidas um pouco mais controvertidas, não que elas não tenham razão de ser, mas são um pouco mais questionáveis, por exemplo, as limitações no transporte interestadual. Isso vai se ajustando. O país está se ajustando a essa epidemia. Isso pegou todo mundo, de certa maneira de surpresa, não só no Brasil como no mundo inteiro", disse.

Postagem de Rosangela Moro a favor do ministro Luiz Henrique Mandetta
Postagem de Rosangela Moro a favor do ministro Luiz Henrique Mandetta - Reprodução

Moro havia deixado claro a pessoas próximas e a colegas de Esplanada a sua insatisfação com as recentes atitudes do presidente, como um passeio a pontos de comércio de Brasília no domingo (29).

Na noite desta quinta, em entrevista à Jovem Pan, Bolsonaro, que havia adotado um discurso mais moderado em pronunciamento na terça (31), voltou a minimizar a pandemia e a defender a retomada de atividades.

“Para abrir comércio, eu posso abrir em uma canetada. Enquanto o Supremo e o Legislativo não suspenderem os efeitos do meu decreto, o comércio vai ser aberto. É assim que funciona, na base da lei", disse.

"Eu estou esperando o povo pedir mais, porque o que eu tenho de base de apoio são alguns parlamentares. Tudo bem, não é maioria, mas tenho o povo do nosso lado. Eu só posso tomar certas decisões com o povo estando comigo", afirmou.

O presidente defendeu que, a partir da próxima segunda-feira (6), estados e municípios determinem uma reabertura gradual da atividade comercial, evitando um aumento no desemprego.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.