Passei o dia sendo atacado nas redes bolsonaristas com uma imagem de outra pessoa

Vi nascer uma fake news homofóbica e tentei lidar com humor à turma do ódio nas redes

São Paulo

Na última sexta (17), publiquei um texto no blog #Hashtag, da Folha, com sósias do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, que circulavam nas redes sociais.

No sábado (18), por volta das 9h, começaram a aparecer notificações em meu perfil no Twitter. A primeira veio de um “Diego Garcia”. Como há um repórter de mesmo nome na Folha no Rio de Janeiro, achei que fosse ele, mesmo não tendo contato frequente.

Para minha surpresa, tratava-se de um homônimo, um cientista de dados conservador. “Olha o naipe do cara que me faz uma matéria depreciativa dessas”, dizia a primeira mensagem.

A partir daí, passei o dia sendo atacado nas redes bolsonaristas, por perfis os mais variados, e a curva de notificações na tela do meu celular só começou a achatar mais de doze horas depois.

Fui chamado, a partir das minhas fotos, de gay, usuário de drogas, petista e até me compararam com um tucano –o animal.

Rapidamente, segui todos os passos que o Twitter recomenda em casos de ataques como esse. Tornei minha conta privada, de forma que controlo meus novos seguidores, e acionei a equipe de suporte da empresa para monitorar qualquer ameaça maior ao meu perfil.

As primeiras imagens usadas pela militância digital para me atacar eram, de fato, as que aparecem nos meus perfis no Twitter, Instagram, Facebook e Linkedin.

Como nas outras redes minhas contas já estavam bloqueadas, eram as únicas imagens disponíveis sobre mim (aquela foto constrangedora de uma festa na faculdade ficou longe do perigo).

Há um fenômeno intrigante no meio disso tudo. Pouco depois do meio dia os ataques passaram a ser feitos com uma imagem de uma pessoa que desconheço e cuja semelhança comigo é o fato de o rapaz ter barba, cabelo comprido e usar óculos, algo não muito incomum em um jovem da minha idade.

Na foto, ele usa uma roupa de tom rosa bastante justa ao corpo, com uma abertura na altura do peito, um shorts bem curto, bota preta de cano alto e carrega na cabeça uma faixa com a inscrição “Haddad”.

Desse momento em diante, os ataques adotaram um tom homofóbico.

O blogueiro bolsonarista Allan dos Santos e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fizeram postagens preconceituosas com a imagem do desconhecido.

Allan: “Eis o cara que zombou do novo ministro da saúde. Eu falo ou vocês falam?” Eduardo: “Por trás de toda matéria de extrema imprensa tem uma pessoa esquisita assim”.

A rede bolsonarista fabricou uma fake news e criou sua narrativa. Virei o “jornalista esquerdista maconheiro lacrador da Folha”, mote da maioria dos ataques, inclusive da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), outra a associar a imagem errada.

Redação da Folha de S.Paulo em março de 2020
Redação da Folha de S.Paulo em março de 2020 - Otavio Valle/Folhapress

Se há uma certeza no universo do jornalismo em tempos de Bolsonaro é que, mais dia menos dia, chegará a vez de ser atacado pela militância virtual alimentada por fake news criadas por ela mesma.

Durante todo o sábado, chegaram mensagens de colegas preocupados com minha saúde mental. A verdade é que eu consegui responder ao gabinete do ódio com humor. Cada novo sósia que aparecia de mim –Visconde de Sabugosa talvez tenha sido o mais engraçado–, era motivo para risada em grupos de amigos no WhatsApp.

Embora eu não seja gay nem maconheiro, não posso deixar de notar o caráter sórdido de quem busca utilizar tais adjetivos para agredir, humilhar, "botar no lugar" quem se encaixe na descrição. Para a militância digital, nada mais desprezível do que as diferenças.

Por um dia senti um pouco do que passou a minha colega Patricia Campos Mello, que sofre linchamento virtual há anos.

Fui chamado de covarde por fechar meu perfil e não permitir uma onda de ataques em minha conta pessoal. Se eu sou covarde, como classificar quem passa o dia atrás de uma tela com a missão de espalhar fake news e destilar ódio?

Críticas ao texto podem ser feitas, mas elas devem ser direcionadas ao conteúdo, e não em ataques pessoais ao autor da matéria.

Ao desconhecido que estampa as fotos que viralizaram, caso esteja lendo esse texto, torço para que entre com uma ação na Justiça por difamação contra as pessoas públicas e não públicas que espalharam indevidamente sua imagem, não reproduzida propositalmente neste espaço.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.