Descrição de chapéu
Coronavírus

Presidente se afasta de bolsonaristas católicos ao minimizar pandemia, aponta Datafolha

Discurso de Bolsonaro contrasta com mensagem do Vaticano e da CNBB sobre os riscos do coronavírus

Reginaldo Prandi Mauro Paulino Alessandro Janoni

A politização do debate sobre a pandemia do novo coronavírus tem gerado ruído em diferentes esferas da vida cotidiana, em especial no Brasil, onde a Presidência da República mantém discurso polêmico que por vezes contradiz recomendações de autoridades sanitárias de seu próprio governo.

A mensagem que relativiza a ciência e suas instituições, por exemplo, remete à religião papel determinante na busca por soluções sobrenaturais e cura para parcela considerável da opinião pública.

A pesquisa Datafolha realizada de 1º a 3 de abril, com amostra de 1.511 brasileiros adultos de todas as regiões do país, permite comparar avaliações e comportamentos diante da pandemia assumidos por católicos e evangélicos, que juntos somam a esmagadora maioria da população brasileira.

O presidente Jair Bolsonaro neste domingo de Páscoa (13), durante transmissão, via redes sociais, em que conversou com líderes religiosos como o pastor Sila Malafaia  e Iris Abravanel, mulher do empresário Silvio Santos
O presidente Jair Bolsonaro, neste domingo de Páscoa (13), durante transmissão, via redes sociais, em que conversou com líderes religiosos como o pastor Sila Malafaia e Iris Abravanel, mulher do empresário Silvio Santos - Jair Bolsonaro - 13.abr.20 /Reprodução Facebook

Quando se pergunta se haverá muitas mortes ou poucas mortes, respondem que serão muitas mortes 50% dos católicos e 53% dos evangélicos. Diferença pouco significativa. O mesmo se dá quando dizem que os brasileiros estão se preocupando com a epidemia mais do que deveriam (20% e 19%, respectivamente).

Essa proximidade de posicionamento muda quando questionados sobre o temor de serem infectados —por alguma razão, os evangélicos se sentem mais protegidos do que os católicos, com uma diferença de 11 pontos percentuais.

Mais próximos do pensamento de Bolsonaro, os evangélicos concordam em 44% dos casos que as pessoas que não pertencem ao grupo de risco (idosos e doentes) deveriam sair para trabalhar e não ficar em casa, número que, para os católicos, é de 33%.

Opinam que as escolas devem permanecer fechadas 90% dos católicos e 84% dos evangélicos. Apoiam que o comércio não essencial se mantenha fechado 68% dos católicos contra 59% dos evangélicos.

Essa maior proximidade entre evangélicos e o presidente se reafirma quando 49% deles estão de acordo que Bolsonaro mais ajuda que atrapalha, contrastando com os 37% dos católicos.

Para a maioria dos católicos, o governador de São Paulo, João Doria, está certo no combate à Covid-19 e os brasileiros não devem seguir as orientações do presidente. Para os evangélicos, essa taxa é inferior em 13 pontos percentuais.

Afirmar que há visível afinidade entre evangélicos e Bolsonaro não contempla toda a realidade. Muitos evangélicos não votaram no presidente eleito e pensam de outra forma. A pesquisa nos permite separar católicos e evangélicos em dois grupos: os que votaram em Jair Bolsonaro e os que votaram em Fernando Haddad no segundo turno. As diferenças apontadas, com isso, ganham maior magnitude.

Os evangélicos bolsonaristas são os que mais afirmam não ter medo do contágio (32%), os que mais acreditam que as pessoas fora do grupo de risco devem sair para trabalhar (57%), os que menos querem ver fechados as escolas (79%) e o comércio (47%).

Em maior número acham que Bolsonaro mais ajuda que atrapalha (67%) e são os que menos aceitam que se deve seguir orientações do governador Doria e não as do presidente (31%).

Os evangélicos eleitores de Haddad têm taxas bem diferentes, sua posição é outra. Por sua vez, entre os católicos, ser bolsonarista ou não é igualmente um divisor de águas. De todo modo, a identidade religiosa tem um peso inegável na avaliação da pandemia.

Ao avaliar as medidas tomadas pelas autoridades, os evangélicos que votaram em Bolsonaro se destacam no apoio ao presidente, mas não na ação de seus ministros da Saúde e da Economia e governadores de estado, mais apoiados pelos bolsonaristas católicos.

Outro dado que corrobora os contrastes é a diferença de 10 pontos percentuais na taxa dos que se se dizem arrependidos por terem votado em Bolsonaro na última eleição presidencial —12% dos evangélicos contra 22% dos católicos.

Os resultados no geral refletem o alinhamento do presidente com a posição de algumas correntes evangélicas que defendiam, especialmente na fase inicial da epidemia no país, a abertura dos templos e no máximo, isolamento vertical.

Católicos, mesmo os que optaram por Bolsonaro na última eleição, mostram-se proporcionalmente mais alinhados com o discurso atual do vaticano e da CNBB que prega o isolamento total, com igrejas fechadas e transmissão de missas principalmente por plataformas digitais.

Reginaldo Prandi

Professor emérito da USP e um dos criadores do método de pesquisas do Datafolha

Mauro Paulino e Alessandro Janoni

Diretor-geral do Datafolha e Diretor de Pesquisas do Datafolha

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.