Descrição de chapéu Lava Jato

Saída de Moro do governo racha grupos pró-Lava Jato, e parte se alinha a Bolsonaro

Movimento que organizou acampamento símbolo da operação em Curitiba vê ex-juiz como traidor, enquanto outros criticam fanatismo de bolsonaristas

Curitiba

O desembarque do ex-juiz Sergio Moro do governo Jair Bolsonaro provocou um racha nos grupos paranaenses de direita, que surgiram principalmente em apoio à Operação Lava Jato e à pauta anticorrupção encampada pelo ex-ministro da Justiça.

No último final de semana, militantes ligadas ao Acampamento Lava Jato, em Curitiba, gravaram um vídeo em que aparecem queimando camisetas do movimento que levavam o rosto de Moro e inscrições em alusão à operação. Com xingamentos, como de traidor, covarde e canalha, as mulheres assumiram uma nova postura, de apoio irrestrito a Bolsonaro.

“Você foi baixo, covarde, você era a última pessoa na face da Terra que a gente imaginava que ia fazer o que fez. Agora você não é nada, você não é juiz, você não é nada, Sergio, que nojo eu senti de você. Como você pôde enganar a gente tanto assim?”, disse uma das militantes.

Manifestante pró-Lava Jato agita bandeira do Brasil em acampamento montado em frente ao prédio da Justiça Federal em Curitiba, em 2017, onde trabalhava o então juiz Sergio Moro
Manifestante pró-Lava Jato em acampamento montado em frente ao prédio da Justiça Federal em Curitiba, em 2017, onde trabalhava o então juiz Sergio Moro - Theo Marques - 27.abr.17/Folhapress

O grupo ficou famoso por montar, no auge da operação, um acampamento em frente ao prédio da Justiça Federal onde trabalhava Moro, na capital paranaense, e organizar atos de apoio à Lava Jato.

A estrutura física foi desmobilizada antes das eleições de 2018, mas o grupo continua ativo nas redes sociais e à frente de protestos na chamada "República de Curitiba".

A cena transmitida ao vivo pelo Facebook teve cerca de 800 mil visualizações e 10 mil curtidas e demonstra a nova fase do grupo, que agora leva outro nome: Acampamento com Bolsonaro.

A advogada Paula Milani, uma das militantes que aparece no vídeo, apontou que a posição se deve à forma “nada ortodoxa” com que Moro se demitiu do governo e da exposição de prints de mensagens privadas trocadas pelo ex-juiz com a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP).

“Tal atitude, de uma baixeza inadmissível, destoa completamente do herói que o Brasil um dia apoiou”, afirma.

Milani classifica as críticas ao ato como insignificantes em comparação ao sentimento das manifestantes. “Estivemos por dois anos sendo xingados, passando frio, calor, tomando chuva em defesa e apoio ao ex-juiz. Portanto, nossa dor, pertence a nós."

A mudança do nome do acampamento também é efeito do racha entre os próprios militantes. Condenando o ato das ex-companheiras de movimento, a professora aposentada Narli Resende contou que pretende registrar o antigo nome do grupo para evitar novas “apropriações”.

“São pessoas fanáticas que se aproveitaram do nome enquanto foi útil, e jogaram nossa história fora. Parece agora uma seita ao santo mito”, afirma.

Ao lado de outras pessoas, Narli é hoje uma das líderes do Curitiba Contra a Corrupção, que possui braços pelo estado e continua, segundo ela, ao lado de Moro. "Não vou deixar que o nosso trabalho seja jogado na lama por esse grupelho de pessoas ensandecidas."

Apesar de ter apoiado Bolsonaro na campanha eleitoral de 2018, o grupo já havia sentido uma incoerência entre o discurso do então candidato e as medidas tomadas por ele no Palácio do Planalto. Para Narli, a saída de Moro foi uma “pá de cal” na retirada do apoio ao presidente.

“Ou a gente concorda que vamos apoiar o combate à corrupção ou vamos concordar em ver pessoas condenadas no mensalão e no petrolão dentro do governo. A gente tem que ser coerente com o que defendeu nesses anos todos”, disse a professora aposentada.

Essa mesma linha é seguida pelo movimento Patriotas do Brasil, que surgiu em Maringá (PR), cidade natal de Moro, e reúne apoiadores por todo o país, somando cerca de meio milhão de seguidores nas redes sociais. A advogada Cassia Franzoi, uma das líderes do grupo, ressalta que os militantes já vinham se afastando de Bolsonaro desde o ano passado.

“Houve uma tentativa de sepultamento da imagem do Moro desde o ano passado, e, para nós, é ele que fala a verdade, o correto. Temos um trabalho de apoio a ele como autoridade. Bolsonaro é um simples político, não tem histórico de nada”, diz.

Apesar de ainda não querer antecipar o futuro, a advogada acredita que, se Moro resolver entrar para a política, pode ter apoio desses movimentos, como o que ela integra.

“Procuramos representantes que tenham o mínimo de cultura para nos transmitir paz e segurança e o que Bolsonaro fez, ao contrário, foi transformar nossa vida num inferno desde o primeiro dia em que assumiu."

Já o grupo Direita Curitiba, que também nasceu dos movimentos anticorrupção e ganhou força com o apoio ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), escolheu a defesa de Bolsonaro.

“Moro como ministro foi um grande juiz”, afirma o presidente do grupo, Renato Gasparin Jr. Mesmo admitindo que a saída do ex-ministro enfraquece o apoio ao presidente, para ele a saída de Moro foi uma “jogada política” que afetou negativamente a imagem do ex-juiz da Lava Jato.

“A gente não esperava era ele sair atirando, não era o momento de largar o país, estamos vivenciando uma crise. O que ele está fazendo já é guerra política”, avalia.

Gasparin diz acreditar que a direita não está se dividindo entre Moro e Bolsonaro, mas apenas se firmando ao lado do presidente. "Quem largou o tal apoio ao Bolsonaro é que realmente não eram da direita conservadora, estavam apenas se aproveitando da onda."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.