Descrição de chapéu Coronavírus

Zema defende Bolsonaro e diz que há pessoas adotando 'totalitarismo contra o presidente'

'Se ele arrotar, vai virar motivo de alguém se manifestar', diz governador de Minas, um dos 7 que não assinaram carta crítica

Belo Horizonte e Rio de Janeiro

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), defendeu a participação do presidente Jair Bolsonaro nos atos registrados no domingo (19), que incluíram pedidos de intervenção militar e críticas ao Congresso, ao STF (Supremo Tribunal Federal) e às políticas de isolamento social para conter a pandemia do coronavírus.

Segundo ele, há "pessoas que estão adotando um totalitarismo contra o presidente".

Zema foi um dos sete governadores que não assinaram a carta conjunta em defesa da democracia e em apoio aos presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ambos do DEM.

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema
O governador de Minas Gerais, Romeu Zema - Pedro Gontijo - 17.out.19/ Imprensa MG

Na pauta dos atos também apareceu a defesa do AI-5 —ato institucional assinado em 1968, que recrudesceu a tortura no regime militar (1964-1985). A PGR (Procuradoria-Geral da República) pediu ao Supremo para apurar as manifestações devido ao teor pró-intervenção militar.

Em entrevista ao MG1, telejornal local da Rede Globo, Zema disse nesta segunda (20) que preferiu não tomar posição porque já tem muitos incêndios a apagar em Minas Gerais. Sem citar nomes, ele criticou pessoas que estariam se aproveitando do conflito entre os Poderes para ganhar palanque.

"Eu vejo que está havendo um movimento exacerbado, desnecessário, com relação a algumas falas, algumas questões do presidente. Outro dia até brinquei, se o presidente arrotar, vai virar motivo de alguém se manifestar. Nós deveríamos focar no nosso trabalho”, afirmou.

Sobre aparições públicas de Bolsonaro, que provocaram aglomerações, contrariando recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde) para conter a pandemia, Zema respondeu que é um direito dele e que pode ser que não concorde com a posição do presidente.

“Eu não tenho feito isso aqui em Minas Gerais. Agora, é um direito dele se manifestar, nós estamos em uma democracia e temos que lembrar disso. A riqueza da democracia é a diferença de opiniões. E parece que tem pessoas que estão adotando um totalitarismo contra o presidente. Aí eu não concordo também”, disse.

Em março, o governador mineiro contrariou a postura de 25 governadores e também não assinou documento que cobrava Bolsonaro por ações contra o coronavírus.

Zema tem mantido uma relação próxima ao governo federal. No dia 9 de abril, ele e uma comitiva foram recebidos em Brasília por Bolsonaro e ministros como Paulo Guedes (economia) e o general Luiz Eduardo Ramos (governo), para negociar a situação financeira de Minas Gerais, uma das piores do país.

Na entrevista desta segunda, Zema repetiu a avaliação que publicou nas redes sociais, de que Minas Gerais está enfrentando de forma satisfatória a pandemia do novo coronavírus e disse que a ocupação de leitos de UTI, em decorrência da doença, pode subir até 15 vezes, que o estado ainda terá condições de atender a demanda.

Números citados por ele na entrevista apontam que 3% das internações atuais em UTIs são em decorrência do novo coronavírus. Minas tem 41 mortes e 1.189 casos confirmados de infecção até esta segunda.

Há ainda 75.441 casos suspeitos, mas segundo Zema, por questões financeiras, não há planos de testagem em massa no estado. O governo tem dito que avalia a situação da curva epidemiológica a cada semana e com base nisso tomará as decisões dos próximos passos, como previsão de retomada de atividades paralisadas.

Policial aponta arma para moradores contrários a protesto pró-Bolsonaro no RJ

Um policial militar apontou uma arma em direção à comunidade do Vidigal, após protesto dos moradores contra a carreata a favor do presidente Jair Bolsonaro, neste domingo (19), na avenida Niemeyer, zona sul do Rio de Janeiro. O incidente foi registrado pelo fotógrafo freelancer Lucas Landau, da agência Reuters.

No momento, Lucas disse à Folha que membros da comunidade atiravam ovos e outros objetos nos carros que faziam parte da manifestação, que defendia também a reabertura do comércio em meio à pandemia do novo coronavírus. Foi quando um policial que estava por perto caminhou até o local e apontou o revólver em direção às casas, sem colocar o dedo no gatilho.

O PM estava em companhia de outro colega, em uma viatura na subida do Vidigal. Após o gesto, o policial retornou ao seu posto inicial, ao ver que os moradores pararam de lançar coisas contra a carreata. Nenhum tiro foi disparado enquanto o fotógrafo esteve no local, segundo ele.

A PM foi procurada para comentar o incidente, mas ainda não se manifestou.

Neste domingo, também ocorreram manifestações em Salvador, São Paulo e Manaus. Além de ataques ao Supremo e ao Congresso e de pedidos pela volta do regime militar, os manifestantes criticaram o isolamento social, pedindo a volta ao trabalho e a abertura do comércio.

Em Brasília, o ato contou com a participação do presidente Jair Bolsonaro. Em cima da caçamba de uma caminhonete, diante do quartel-general do Exército e se dirigindo a uma aglomeração de apoiadores pró-intervenção militar no Brasil, ele afirmou que "acabou a época da patifaria" e gritou palavras de ordem como "agora é o povo no poder" e "não queremos negociar nada".

Policial aponta arma em direção a moradores da comunidade do Vidigal, no Rio, contrários a protesto pró-Bolsonaro, neste domingo (20)
Policial aponta arma em direção a moradores da comunidade do Vidigal, no Rio, contrários a protesto pró-Bolsonaro, neste domingo (20) - Lucas Landau/Reuters

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.