Bolsonaro chama Doria de 'bosta' e Witzel de 'estrume' em gravação de reunião

Vídeo de reunião apontada por Moro como prova foi tornado público nesta sexta (22)

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de "bosta" e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), de "estrume".

Os ataques do mandatário aos chefes dos governos estaduais constam em vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, no Palácio do Planalto, tornado público nesta sexta-feira (22) por decisão do ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal).

"Que os caras querem é a nossa hemorroida! É a nossa liberdade! Isso é uma verdade. O que esses caras fizeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo [Doria], esse estrume do Rio de Janeiro [Witzel], entre outros, é exatamente isso. Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus [Arthur Virgílio] agora, abrindo covas coletivas. Um bosta. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado!", diz o mandatário na gravação.

As declarações ocorreram em meio a uma queda de braço público de Bolsonaro com prefeitos e governadores. As autoridades nos estados e municípios defendem medidas de isolamento social para enfrentar a crise da Covid-19, enquanto Bolsonaro prega a volta à normalidade e a reabertura do comércio.

Desde o início da crise a divergência tem gerado troca de críticas entre o mandatário e governadores.
Em outro trecho, Bolsonaro diz que os ministros precisam abraçar suas bandeiras, como "família, Deus, Brasil, armamento, liberdade de expressão, livre mercado".

"Quem não aceitar isso, está no governo errado", disse.

Esperem pra 2022, né? O seu Álvaro Dias. Espere o [Geraldo] Alckmin. Espere o [Fernando] Haddad. Ou talvez o Lula, né? E vai ser feliz com eles, pô! No meu governo tá errado!", completou.

Em rede social, Witzel disse que a "falta de respeito de Bolsonaro pelos Poderes atinge a honra de todos". "Sinto na pele seu desapreço pela independência dos Poderes. E espero que num futuro breve o povo brasileiro entenda que, do que ele me chama, é essencialmente como ele próprio se vê", afirmou.

Doria disse que "o Brasil está atônito com o nível da reunião ministerial". "Palavrões, ofensas e ataques a governadores, prefeitos, parlamentares e ministros do Supremo, demonstram descaso com a democracia, desprezo pela nação e agressões à institucionalidade da Presidência da República", disse.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.