Descrição de chapéu Ao Vivo em Casa

'É muita loucura, muita burrice', diz Janaina Paschoal ao defender renúncia de Bolsonaro

Recordista de votos, deputada estadual foi apoiadora do presidente, mas agora o critica

São Paulo

A deputada estadual de São Paulo Janaina Paschoal (PSL), que apoiou a eleição de Jair Bolsonaro (sem partido) e quase foi sua candidata a vice, defendeu a renúncia do presidente nesta segunda-feira (18), no Ao Vivo em Casa, série de lives (transmissões ao vivo) da Folha.

Uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), a professora de direito e advogada é hoje crítica a Bolsonaro, mas diz não ver motivos para um processo de impedimento dele. Ela atacou, contudo, o que chama de loucura e burrice do governo.

"As pessoas mais ponderadas, mais racionais, que o apoiaram e ainda torcem por ele [Bolsonaro], e eu me coloco entre essas pessoas, ficam numa situação difícil para defender. Porque é muita loucura", afirmou Janaina.

"Quando é que o país vai ter um pouco de estabilidade, de tranquilidade? Mantendo esse comportamento, ele não tem condição [de continuar presidente]", prosseguiu, ressalvando que falta de condição não é sinônimo de crime, o que ensejaria um impeachment.

"Ele podia renunciar, né? Ele insiste nos erros", disse ela, que em março já havia falado que o titular do Planalto deveria deixar o cargo.

"Eu sinto o presidente como uma pessoa muito recalcada. Eu acho que ele apanhou muito na vida. [...] E aí ele venceu. Parece que ele está sempre querendo mostrar para todo mundo que ele chegou lá, que ele não deve satisfações", afirmou na entrevista à Folha.

Janaina contestou a versão de que o excesso de polêmicas e recuos de Bolsonaro seja uma estratégia política. "É muita burrice, não dá para ter estratégia nisso aí, entendeu? Não consigo ver as Forças Armadas dando respaldo para algo tão grotesco."

"É muita ambiguidade. Tem quem diga que é para ele estar sempre em evidência e com isso a esquerda nem sequer aparece. Mas todo dia cansa. Ninguém aguenta mais", completou.

"Coloquei todas as esperanças e expectativas no presidente. Foi muito trabalho para tirar o PT, para elegê-lo", lamentou.

"É triste ver que uma pessoa que conseguiu chegar aonde chegou, a duras penas, está jogando essa oportunidade no lixo. Porque não consegue ter humildade de ouvir, de recuar um pouquinho em alguns posicionamentos. Talvez de fazer uma terapia."

A parlamentar minimizou o impacto das revelações feitas pelo empresário Paulo Marinho à Folha. Para ela, a afirmação de que um delegado da Polícia Federal vazou ao senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) a informação de que seria deflagrada uma operação contra Fabrício Queiroz, seu ex-assessor, deve ser investigada, mas é, por enquanto, um elemento frágil aos olhos da Justiça.

A deputada também demonstrou preocupação com a defesa que políticos, de esquerda e de direita, passaram a fazer de uma anulação da eleição de 2018 com base nas revelações de Marinho.

Se, no impeachment e na renúncia, quem assume a Presidência é o vice-presidente, no caso de anulação da eleição há dois caminhos: a realização de novo pleito ou a vitória do segundo colocado, no caso Fernando Haddad (PT).

"Não consigo ver, sob o ponto de vista do direito eleitoral, uma relação de causa e efeito [entre a entrevista e a anulação da eleição]. [...] Depois de todo o meu trabalho? Vão criar um caminho forçado para entregar a Presidência da República para o PT? Tudo que eu não quero na vida é o PT no governo", disse.

A entrevista de Marinho foi mais um capítulo em meio ao inquérito do STF (Supremo Tribunal Federal) que investiga se Bolsonaro interveio na Polícia Federal para proteger sua família. A investigação foi aberta após acusações do ex-ministro Sergio Moro ao deixar a pasta da Justiça.

Para Janaina, porém, não há crime de Bolsonaro nessa questão. "Nós não temos indício nenhum de uma interferência real na Polícia Federal. [...] No direito, a gente não pune intenção", afirmou.

"Fica muito claro que houve ali um choque entre os dois [Moro e Bolsonaro], que houve um inconformismo do ministro Moro. Que é um pouco o nosso também, com o fato de o presidente não ter comprado essa pauta anticorrupção com a força que nós gostaríamos. Mas aí é muito mais uma coisa de decepção do que de impeachment", comentou.

"Um fato pode ser verdadeiro e grave, mas não caracterizar um crime", ponderou, ao ser questionada sobre sua opinião, para além do entendimento jurídico, a respeito da crise envolvendo a PF.

Janaina Paschoal, deputada estadual (PSL-SP) - Núcleo de Imagem

Sem apoiar integralmente o governo, mas ainda torcendo para que a gestão de Bolsonaro dê certo, Janaina diz que se sente isolada nesse lugar —outros ex-aliados de Bolsonaro hoje fazem oposição declarada. "Eu estou muito isolada. Isso é um fato."

"Não estou batendo panela na varanda. Até porque quem está batendo panela é o povo que me chama de golpista [por ter atuado no impeachment de Dilma]. Vai ser complicado eu me unir nessa frente ampla que estão querendo formar. Eu não confio nesses grupos, não vejo boa intenção neles", continuou.

Para a deputada, a única área do governo da qual saem manifestações consistentes é o Ministério da Economia, conduzido por Paulo Guedes.

"Não consigo ver como eles [Bolsonaros] pensam em reeleição. Com essa dinâmica, eu não consigo ver. É que infelizmente faltam quadros alternativos. Talvez por isso eles achem que têm chance."

Indagada sobre a pressão que seu partido, o PSL, faz para que ela seja candidata à Presidência da República em 2022, Janaina desconversou, insistindo no discurso de que "não é o momento" de pensar em sucessão.

A parlamentar comentou sobre sua experiência ao contrair o coronavírus —ela foi internada duas vezes. "Eu nunca fiquei doente assim. Respirar era como se fosse um exercício físico."

"Acreditem que a doença existe, tomem as precauções, usem máscara, lavem as mãos, fiquem no distanciamento, evitem aglomeração", recomendou.

Sobre o uso da cloroquina, afirmou que os pacientes têm que ser informados do risco de arritimia. E repudiou a politização do assunto, falando que "erra o presidente ao endeusar a cloroquina", mas também não é justo vetá-la e tirar a possibilidade do paciente.

A advogada se elegeu em 2018 para a Assembleia Legislativa de São Paulo com mais de 2 milhões de votos, um recorde no país.

PROGRAMAÇÃO DAS LIVES

  • Segunda-feira

    Poder

  • Terça-feira

    Folhinha

  • Quarta-feira

    Saúde

  • Quinta-feira

    Mercado e Painel S.A

  • Sexta-feira

    Ilustrada, Turismo e Comida

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.