Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Pressão sobre PF e críticas a políticos e STF dominaram reunião de Bolsonaro; leia transcrição comentada

Vídeo de encontro com ministros no dia 22 de abril é peça-chave em inquérito que apura acusações de Moro contra o presidente

São Paulo

O ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), tornou público, na sexta-feira (22), o vídeo da reunião ministerial citada pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro em depoimento à Polícia Federal como um indício de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desejava interferir na autonomia do órgão.

Leia, abaixo, a transcrição das principais falas de Bolsonaro e de seus auxiliares durante a reunião, ocorrida no dia 22 de abril.

PLANO PRÓ-BRASIL

Braga Netto: [Risos]. Muito obrigado.

Hamilton Mourão: [Ininteligível].

Braga Netto: O senhor gostou?

Hamilton Mourão: Bota ordem nesse troço aí, dá logo um esporro...

Braga Netto: Senhores, bom dia. É... é... essa reunião é por solicitação minha ao presidente da República, porque... é... nós iríamos apresentar isso à imprensa que não foi apresentado e começaram uma série de especulações sobre esse plano de retomada.

Então eu solicitei ao presidente uma reunião com os ministros, porque o plano não vai ter efeito se todos os senhores não nos ajudarem, cada um na sua área, é claro. Tá?

[...] É uma apresentação de dez minutos no máximo, somente isso. Eu pediria também aos senhores que... é... é... não é... a finalidade não é reunião de ministros para nós discutirmos nada. É simplesmente para apresentarmos o plano. ma, o programa se chama Pró-Brasil1, tá? Volto, dou o crédito ao... o azar do Tarcísio2 foi ele ter conversado comigo (risos). Eu gostei e roubei.

1 O programa prevê um conjunto de medidas que incluem a retomada de gastos públicos para a recuperação de empregos. O anúncio, comandado pela Casa Civil, provocou desconforto na equipe econômica de Paulo Guedes, que defende uma menor atuação do Estado na economia.

2 Ministro Tarcísio Gomes de Freitas, da Infraestrutura.​

[...]

Jair Bolsonaro: Vamos dar a palavra ao Paulo Guedes, acho que é... com todo respeito aos demais, acho que é o ministro mais importante nessa missão aí.

Paulo Guedes: Eu queria fazer a primeira observação, é o seguinte, não chamem de Plano Marshall3 porque revela um despreparo enorme.

3 O Plano Marshall foi um programa de auxílio à Europa patrocinado pelos Estados Unidos logo após o fim da Segunda Guerra Mundial, em 1945.

Braga Netto: Não, não, não, isso aqui foi só aqui e agora. É o Pró-Brasil.

Paulo Guedes: Então quando se falou em Plano Marshall, Pró-Brasil é um nome espetacular. Dez, mil. Plano Marshall é um desastre. Eu... revela despreparo nosso. Plano Marshall, por exemplo, os Estados Unidos podem fazer um Plano Marshall para nos ajudar. A China, [trecho suprimido], deveria financiar um Plano Marshall para ajudar todo mundo que foi atingido4. Então a primeira inadequação, a gente tem que tomar muito cuidado é o seguinte, é o plano Pró-Brasil.

4 A China registrou os primeiros casos da Covid-19.

Braga Netto: Positivo. [Ininteligível]

Paulo Guedes: Não se fala Plano Marshall, porque é um desastre. Vai revelar falta de compreensão das coisas. A segunda coisa é o seguinte, é super bem-vinda essa iniciativa, para nos integrarmos todos. Agora, não vamos nos iludir. A retomada do crescimento vem pelos investimentos privados, pelo turismo pela abertura da economia, pelas reformas. Nós já estávamos crescendo.

Voltar uma agenda de 30 anos atrás, que é investimentos públicos financiados pelo governo, isso foi o que a Dilma fez 30 anos. Então tá cheio de gente pensando nessa eleição agora, e botando coisa na p... na cabeça do... de todo mundo aqui dentro, que são governadores querendo fazer a festa, são às vezes ministros querendo aparecer, tem de tudo. E todo mundo vem aqui: “vamos crescer, agora temos que crescer, tem que ter a resposta imediata, porque o governo vai gastar”.

O governo quebrou! O governo quebrou! Em todos os níveis. Prefeitura, governador e governo federal. Que que nós conseguimos fazer? Nós sinalizamos o contrário. Nós desalavancamos banco público, reduzimos endividamento, baixamos juros e o Brasil ia começar a voar. Então se agente lançar agora um plano, é... todo o discurso é conhecido: “acabar com as desigualdades regionais”, Marinho, claro, tá lá, são as digitais dele. É bonito isso, mas isso é o que o Lula, o que a Dilma tão fazendo há 30 anos. Se a gente quiser acabar igual a Dilma, a gente segue esse caminho5.

5 O PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) criado em 2007 no governo Lula e continuado na gestão Dilma, ambos do PT, previa um total de R$ 503,9 bilhões em investimentos quando foi lançado. Em 2019, após consumir bilhões do caixa da União, auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) contabilizou 14 mil obras paradas.

MANOBRA AMBIENTAL

Braga Netto: Ricardo

Ricardo Salles: Presidente, eu tava assistindo atentamente a apresentação do colega, ministro Braga Neto, e... na parte final ali na, no slide da, das questões transversais tá o Meio Ambiente, mas eu acho que o que eu vou dizer aqui sobre o meio ambiente se aplica a diversas outras matérias.

Nós temos a possibilidade nesse momento que a atenção da imprensa tá voltada exclusiva... quase que exclusivamente pra Covid, e daqui a pouco para a Amazônia, o general Mourão tem feito aí os trabalhos preparatórios para que a gente possa entrar nesse assunto da Amazônia um pouco mais calçado, mas não é isso que eu quero falar.

A oportunidade que nós temos, que a imprensa não tá... tá nos dando um pouco de alívio nos outros temas, é passar as reformas infra-legais de desregulamentação, simplificação, todas as reformas que o mundo inteiro nessas viagens que se referiu o Onyx certamente cobrou dele, cobrou do Paulo… cobrou da Teresa, cobrou do Tarcísio, cobrou de todo mundo, da segurança jurídica, da previsibilidade, da simplificação, essa... grande parte dessa matéria ela se dá em portarias e norma dos ministérios que aqui estão, inclusive o de Meio Ambiente.

E que são muito difíceis, e nesse aspecto eu acho que o Meio Ambiente é o mais difícil, de passar qualquer mudança infra-legal em termos de infraestru... instrução normativa e portaria, porque tudo que agente faz é pau no Judiciário, no dia seguinte.

Então pra isso precisa ter um esforço nosso aqui enquanto estamos nesse momento de tranquilidade no aspecto de cobertura de imprensa, porque só fala de Covid e ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas6. De Iphan, de Ministério da Agricultura, de Ministério do Meio Ambiente, de ministério disso, de ministério daquilo. Agora é hora de unir esforços pra dar de baciada a simplificação regulam... é de regulatório que nós precisamos, em todos os aspectos.

6 A WWF-Brasil afirmou não ser surpresa que Salles trabalhe para “fragilizar as regras e as instituições” de defesa ambiental. O Observatório do Clima disse que Salles conclama todo o governo a desmontar regramentos da própria pasta.

E deixar a AGU —o André7 não tá aí né? E deixar a AGU de standby pra cada pau que tiver, porque vai ter, essa semana mesmo nós assinamos uma medida a pedido do Ministério da Agricultura, que foi a simplificação da lei da mata atlântica, pra usar o Código Florestal.

7 Salles se refere a André Mendonça, que, na data da reunião, era ministro da AGU (Advocacia-Geral da União). Ele assumiu o Ministério da Justiça após a saída de Moro da pasta.​

IMPEACHMENT

Jair Bolsonaro: A desgraça tá aí8. Eles vão querer empurrar essa... trozoba pra cima da gente, esse pessoal aqui do lado vai querer empurrar, e a gente vai reagir porque aqui não é saco sem fundo. Tá? Então essa preocupação vamos ter. Paralelamente a isso tem aí OAB da vida, enchendo o saco do Supremo, pra abrir o processo de impeachment porque eu não apresentei meu... meu exame de... de... de... de vírus, essas frescurada toda, que todo mundo tem que tá ligado.

8 O presidente faz referência à crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Não é apenas é... cuidar do seu ministério nessas questões que estamos tratando aqui, é tratar da questão política também. Tá certo? Então é... essa é a preocupação temos que ter, porque a luta pelo poder continua. A todo... a todo vapor. E, sem neurose da minha parte, tá? O campo fértil pra aparecer um... uns porcaria aí, né?

Levantando a... aquela bandeira de... do povo ao meu lado, não custa nada. E o terreno fértil é esse, o desemprego, caos, miséria, desordem social e outras coisas mais. Então essa é a preocupação, todos devem ter, né? Não é “tá bom?”, o ministério fatura, “deu merda?”, no colo do presidente. Não pode ser assim. Hoje eu vi o Magno Malta me defendendo. O Magno Malta, desculpa aí, foi tratado lá atrás para ser vice. Depois ele resolveu não ser, tudo bem. Depois foi ser tratado para ser ministro, tudo bem.

Agora politicamente ele nunca me deu uma alfinetada e sempre tá defendendo com os problemas que ele tem. Então não é o ministro ir de peito aberto, enfrentar, entrar no covil dos leões, mas não pode, né? Por exemplo, quando se fala em possível impeachment, ação no Supremo, baseado em filigranas, eu vou em qualquer lugar do território nacional e ponto final! O dia que for proibido de ir... pra qualquer lugar do Brasil, pelo Supremo, acabou o mandato.

E, espero que eles não decidam, ou ele, né? Monocraticamente, querer tomar certas medidas porque daí nós vamos ter um... uma crise política de verdade. E eu não vou meter o rabo no meio das pernas. Isso daí... zero, zero. Tá certo? Porque se eu errar, se achar um dia ligação minha com empreiteiro, dinheiro na conta na Suíça, porrada sem problema nenhum. Vai pro impeachment, vai embora. Agora, com frescura, com babaquice, não!

LEALDADE

Jair Bolsonaro: Tem que se preocupar com a questão política, e a quem de direito, tira a cabeça da toca, porra9! Não é só ficar dentro da toca o tempo todo não! “Tô bem, eu tô cuidando da minha imagem, a imagem tá aqui, eu sou bonitinho, e o resto que se exploda.”
Não! Tem que fazer a sua parte. Então é isso que eu tento, tenho falar com vocês, porque depois de um certo momento, onde chegar na... cabeça dessas pessoas, fica difícil voltar atrás. Daí querem uma crise, é uma crise. Não tenho amor por essa... por essa... por esse mandato a... pe... pela cadeira de presidente. Ne... zero, zero! Não vou provocar ninguém. E assim como a defesa faz uma nota muito boa dizendo que vai cumprir a constituição, liberdade, e co... dez! E não aceita golpe, dez! Também não aceita um contragolpe dos caras, porra!

9 Bolsonaro e seus auxiliares usaram palavrões ao menos 41 vezes na reunião ministerial.

Vai deixar alguns maluco aí, que eles sabem quem são, ficar aí naquela fervura de “Ó, o presidente é irresponsável, ele é maluco, ele é genocida”. Não é assim. Não va... o que vale prum lado, vale pro outro, o que não vale prum lado, não vale pro outro. Essa é a nossa preocupação que devemos ter. Com isso que tá aqui, o Pró-Brasil, mas também com a questão política.

Se nós começarmos a falar com propriedade, e tem gen... muita gente que fala muito melhor do que eu, e tem um conhecimento muito melhor do que eu, tem que falar, pô! Discretamente mas tem que falar, pra não deixar subir a temperatura, porque é só porrada o tempo todo em cima de mim. E vou continuar indo em qualquer lugar do Brasil e ponto final, é problema meu. Tá certo? Se eu não tiver esse direito de ir e vir.

Prefeitinho lá do fim do mundo, um jaguapoca dum prefeito manda prender. Tem que a Justiça se posicionar... se posicionar sobre isso, porra! Tem que se posicionar sobre isso, abertamente! Não admitimos prisão por parte de prefeitos, e o decreto!

Tem que falar, não é ficar quieto. E quem de direito aqui, e todos os ministros tem que falar isso aí, não é só a Justiça. Todos tem que falar. Não é ficar, deixa o... toca o barco não e... e vamos em frente. Tá? Então é isso que eu apelo a vocês, pô. Essa preocupação. Acordem para a política e se exponham, afinal de contas o governo é um só. E se eu cair, cai todo mundo. Agora vamo... se tiver que cair um dia, vamos cair lutando, uma bandeira justa. Não por uma babaquice de... de... de exame antivírus, pô. Pelo amor de Deus, pô. Tá?

Eu até... deixar bem claro, de uns oito anos pra cá, quando pedia farmácia de manipulação um remédio qualquer, eu falava com o médico: “bota um nome de fantasia”10, porque se for o meu nome pra lá, como era, sempre fui um cara manjado, não é, tem três, quatro que vão manipular lá o medicamento, podem me envenenar, pô! E assim é a mesma coisa a questão do vírus, entre outros. De acordo com interesse, o cara dá negativo ou dá positivo. Depois que deu, vai pra contraprova mas dá problema.

10 O presidente usou os pseudônimos ‘Airton’, ‘Rafael’ e ‘05’ em exames que deram negativo para coronavírus.

E nós sabemos, tá certo? Que nós temos um compromisso com a verdade. Eu jamais mentiria se não tivesse realmente um exame negativo.

[...] Eu não vou esperar o barco começar a afundar pra tirar água. Estou tirando água, e vou continuar tirando água de todos os ministérios no tocante a isso. A pessoa tem que entender. Se não quer entender, paciência, pô! E eu tenho o poder e vou interferir em todos os ministérios, sem exceção. Nos bancos eu falo com o Paulo Guedes, se tiver que interferir. Nunca tive problema com ele, zero problema com Paulo Guedes. Agora os demais, vou!
Eu não posso ser surpreendido com notícias. Pô, eu tenho a PF que não me dá informações. Eu tenho as... as inteligências das Forças Armadas que não tenho informações. Abin tem os seus problemas, tenho algumas informações. Só não tenho mais porque tá faltando, realmente, temos problemas, pô!

Aparelhamento etc. Mas a gente num pode viver sem informação11. Sem info... co... quem é que nunca ficou atrás do... da... da... da porta ouvindo o que seu filho ou sua filha tá... tá comentando. Tem que ver pra depois que e... depois que ela engravida, não adianta falar com ela mais.

11 Logo após citar a PF num contexto de insatisfação, Bolsonaro reforça a necessidade de obter informações dos órgãos de segurança.

E não dá pra trabalhar assim. Fica difícil. Por isso, vou interferir12! E ponto final, pô! Não é ameaça, não é uma... uma extrapolação da minha parte. É uma verdade. Como eu falei, né? Dei os ministérios pros senhores. O poder de veto. Mudou agora. Tem que mudar, pô. E eu quero, é realmente, é governar o Brasil.

12 Neste momento da reunião, Bolsonaro olha para a sua esquerda, na direção onde Sergio Moro está sentado.

[...] O nosso barco tá indo, mas não sabemos ainda, no momento dado o último caso, esse... vírus, pra onde tá indo nosso barco. Pode tá indo em direção a um iceberg. A gente vai pro fundo. Então vamos se ligar, vamos se preocupar. Quem de direito, se manifesta, com altidez com palavras polidas, tá? Mas coloca uma posição! Porque não pode tudo, tudo, veio pra minha retaguarda, tudo tá? E vocês tem que apanhar junto comigo, logicamente quando tiver motivo pra apanhar, ou motivo pra bater13.

13 Em vários momentos, Bolsonaro cobra lealdade de ministros. Ele cita ameaças de impeachment e rupturas institucionais por eventuais decisões do STF.​

MATAR OU MORRER

Braga Netto: Pedro Guimarães, por favor. Peço aos senhores que sejam breves.

Pedro Guimarães: São só cinco pontos muito rápidos. Primeiro, presidente, o maior programa da história do mundo de inclusão social digital, que nós estamos fazendo nesse governo. Pessoas que tomavam dinheiro a vinte e cinco por cento ao mês. Quer dizer, todos os ladrões lá, PT, PMDB, PSDB, aquela ladroagem toda, vinte e cinco por cento ao mês. E ninguém se indigna. Esse governo que se indignou, o governo dos liberais.

Então, assim, acho que a gente tá com um problema de narrativa. Hoje de manhã por exemplo, o pessoal da Band queria dinheiro. O ponto é o seguinte, vai ou não vai dar dinheiro pra Bandeirantes? A, não vai dar dinheiro pra Bandeirantes? Passei meia hora levando porrada, mas repliquei. E falei: “Olha vocês tão em casa? Eu tenho trinta mil funcionário na rua. Não tem esse negócio, essa frescurada de home office. Eu já visitei quinze agências, e você em casa?”.

Aí o pessoal ficou um pouco mais calmo. Quer dizer, eu posso ter 30 mil brasileiros nas agências lá... sabe quantas pessoas a Caixa está pagando hoje? Sete milhões de pessoas, e todo mundo em home office. Que porcaria é essa?

Desculpa o meu ponto, presidente, quando o senhor falou, pô, o... eu vo... eu vou me emocionar. O Luiz Lima14, que nadou com meu pai, foi atleta olímpico, teve a esposa e a filha de catorze anos presa ontem, no camburão. Que porra é essa? Desculpa…

14 O deputado federal Luiz Lima (PSL-RJ) teve a mulher e a filha detidas após terem entrado no mar, no Rio.

Jair Bolsonaro: Tá certo.

Pedro Guimarães: Que porra é essa? O cara vai pro camburão com a filha. Se fosse eu, ia pegar minhas quinze armas e... ia dar uma... eu ia se... eu ia morrer. Porque se a minha filha fosse pro camburão, eu ia matar ou morrer. Que isso? Tava nadando na... é uma atleta olímpica. Você tira a pessoa, a pessoa tá nadando com catorze anos. Eu tenho uma filha, Maria, de catorze anos. Se a minha filha fosse pro camburão ou eu matava ou morria. Que isso?

(Não é possível identificar de quem é a voz): É, e a esposa do Luiz Lima nem usou o fato de ser esposa de um deputado federal.

Pedro Guimarães: Mas assim…

(Não é possível identificar de quem é a voz): Ela foi calada e saiu calada…

Pedro Guimarães: E aquele governador roubando…

(Não é possível identificar de quem é a voz): Mas ele tá revoltado.

Pedro Guimarães: ...pra direito, tá... pra tudo quanto é lado. Então o governador rouba, aí ele sai prendendo todo mundo, e fica tudo isso por isso mesmo.

PRISÃO DE POLÍTICOS

Damares Alves: [...] Neste momento de pandemia a gente tá vendo aí a palhaçada do STF trazer o aborto de novo para a pauta, e lá tava a questão de... as mulheres que são vítima do zika vírus vão abortar15, e agora vem do coronavírus? Será que vão querer liberar que todos que tiveram coronavírus poderão abortar no Brasil? Vão liberar geral? O seu ministério, ministro, tá lotado de feminista que tem uma pauta única que é a liberação de aborto. Quero te lembrar, ministro, que tá chegando agora, este governo é um governo pró-vida, um governo pró-família. Então, por favor. E aí quando a gente fala de valores, ministro, eu quero dizer que nós estávamos, sim, no caminho certo.

15 Tramita no STF proposta para permitir o aborto em casos de infecção pelo vírus zika. Não há previsão para julgamento.

A gente não precisa reinventar muita coisa, não. E eu quero citar aqui o exemplo da política indigenista como este governo estava construindo. Todo mundo começou a dizer, a esquerda começou a falar que o coronavírus iria dizimar os povos indígenas no Brasil. O primeiro óbito, dia doze de abril, sabe o que que é isso? A forma como nós estávamos conduzindo a política indígena no Brasil. Primeiro óbito: dia doze de abril. E eu fui lá pra Amazônia, em Roraima, junto com o presidente da Funai e o secretário nacional de saúde indígena pra acompanhar o primeiro óbito. A forma como a gente conduziu deu muito certo. Vamos ter que melhorar? Vamos ter que melhorar.

E por que que nós fomos lá, presidente? Porque nós recebemos a notícia que haveria contaminação criminosa em Roraima e Amazônia, de propósito, em índios, pra dizimar aldeias e povos inteiro pra colocar nas costas do presidente Bolsonaro. Eu tive que ir pra lá com o presidente da Funai e me reuni com generais da região e o superintendente da Polícia Federal, pra gente fazer uma ação ali meio que sigilosa, porque eles precisavam matar mais índio pra dizer que a nossa política não tava dando certo. Então, o que a gente tava fazendo estava dando certo. O que nós estamos fazendo está dando certo. Então, aqui, general, todo o nosso trabalho que envolve políticas de valores, precisa estar aqui no Pró-Brasil.

Braga Netto: (Ininteligível).

Damares: E aí, presidente, só pra encerrar. É... eu quero dizer pro senhor que a sua angústia tem razão de ser. Nunca houve tanta violação de direitos no Brasil como neste período. Direitos fundamentais foram violados. No nosso “Disque 100” tem mais de cinco mil registros, ministros, de violação de direitos humanos. Mas o senhor tem uma ministra de Direitos Humanos e uma equipe muito corajosa. São mais de cinco mil procedimentos e ações que estão sendo construídas. Governadores e prefeitos responderão processos.
Idosos estão sendo algemados e jogados dentro de camburões no Brasil. Mulheres sendo jogadas no chão e sendo algemadas por não terem feitos nada... feito nada. Nós estamos vendo padres sendo multados em R$ 90 mil porque estavam dentro da igreja com dois fiéis. A maior violação de direitos humanos da história do Brasil nos últimos trinta anos está acontecendo neste momento, mas nós estamos tomando providências.
A pandemia vai passar, mas governadores e prefeitos responderão processos e nós vamos pedir inclusive a prisão de governadores e prefeitos. E nós tamo subindo o tom e discursos tão chegando. Nosso ministério vai começar a pegar pesado com governadores e prefeitos. Nunca vimos o que está acontecendo hoje. Se eles falavam que nós éramos violadores de direitos, eles estão, inclusive o governador Wellington16, agora, ontem, determinou que a polícia poderá entrar nas casas. Vocês não imagina o que ele vai fazer! Poderá entrar na ca…

16 A ministra se refere ao governador do Piauí, Wellington Dias (PT). Ele rebateu afirmando que “no Piauí, segurança só entra em uma casa para salvar vidas”.

Jair Bolsonaro: Ele assina? Ele... ele assina?

Damares: Assinou! A polícia poderá entrar na casa sem mandato. Então, assim, as maiores violações estão acontecendo nesses dias.

Então, nós estamos fazendo um enfrentamento, mais de cinco procedimentos o nosso ministério já tomou iniciativa e nós tamos pedindo inclusive a prisão de alguns governadores. Então, taí algumas resposta.

MINISTROS DO STF

Braga Netto: Eu, é... Saúde e Turismo. Pra gente definir. Penúltimo debatedor, ministro Weintraub.

Abraham Weintraub: Obrigado. Tem três anos que eu…

Braga Netto: Fui claro no penúltimo, hein? (Risos).

Abraham Weintraub: Muito obrigado. Tem três anos que, através do Onyx, eu conheci o presidente. Nesses três anos eu não pedi uma única... conselho, não tentei promover minha carreira. Me ferrei, na Física. Ameaça de morte na universidade. E o que me fez, naquele momento, embarcar junto era a luta pela... pela liberdade. Eu não quero ser escravo nesse país.

E acabar com essa porcaria que é Brasília. Isso daqui é um cancro de corrupção, de privilégio. Eu tinha uma visão extremamente negativa de Brasília. Brasília é muito pior do que eu podia imaginar. As pessoas aqui perdem a percepção, a empatia, a relação com o povo. Se sentem inexpugnáveis. Eu tive o privilégio de ver a... a mais da metade aqui desse time chegar. Eu fui secretário-executivo do ministro Onyx. Eu acho que a gente tá perdendo um pouco desse espírito. A gente tá perdendo a luta pela liberdade. É isso que o povo tá gritando. Não tá gritando pra ter mais Estado, pra ter mais projetos, pra ter mais... o povo tá gritando por liberdade, ponto. Eu acho que é isso que a gente tá perdendo, tá perdendo mesmo. A ge... o povo tá querendo ver o que me trouxe até aqui.

Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF17. E é isso que me choca.

17 Em sua decisão, Celso de Mello cita “aparente crime contra a honra dos ministros do STF, supostamente perpetradas pelo ministro da Educação”. ​

INFORMAÇÕES PARALELAS

Jair Bolsonaro: [...] Se precisar que, tenho certeza, nossas forças armadas vão cumprir com seu papel, mas, né? Nós temos que dar exemplo e mostrar que o Brasil não é -eu sou mais educado que o Weintraub, até me poli muito, né? No linguajar que ele usou- mas não é isso que o pessoal pinta por aí. Se reunindo de madrugada, pra lá, pra cá. Sistemas de informações: o meu funciona.

(Não é possível identificar de quem é a voz): General, (ininteligível).

Jair Bolsonaro: O meu particular funciona. Os ofi... que tem oficialmente, desinforma. E voltando ao... ao tema: prefiro não ter informação do que ser desinformado por sistema de informações que eu tenho18. Então, pessoal, muitos vão poder sair do Brasil, mas não quero sair e ver a minha a irmã de Eldorado, outra de Cajati, o coitado do meu irmão capitão do Exército de... de... de... lá de Miracatu se foder, porra! Como é perseguido o tempo todo. Aí a bosta da Folha de São Paulo, diz que meu irmão foi expulso de um açougue em Registro, que tava comprando carne sem máscara. Comprovou no papel, tava em São Paulo esse dia. O dono do... do restaurante do... açougue falou que ele não tava lá. E fica por isso mesmo. Eu sei que é problema dele, né? Mas é a putaria o tempo todo pra me atingir, mexendo com a minha família.

18 Bolsonaro dá indícios de que possui uma rede privada de informações. À rádio Jovem Pan, ele afirmou que policiais são as fontes dos dados que recebe. A explicação foi consi- derada um tiro no pé por advogados criminalistas e magistrados.

Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou19.

19 Moro afirmou que Bolsonaro se referia a mudanças em postos-chave da PF. Após demissão do então diretor-geral da PF, Maurício Valeixo, o primeiro ato da nova gestão do órgão foi trocar o superintendente da corporação no Rio.

Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meus, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa20. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira.

20 Entre as investigações que atingem o entorno de Bolsonaro estão o inquérito das fake news, a participação do presidente em atos antidemocráticos e a apuração sobre o suposto esquema de “rachadinha” operado por Fabrício Queiroz no antigo gabinete de Flávio Bolsonaro.​

IMPRENSA

Jair Bolsonaro: É. Quem não aceitar a minha, as minhas bandeiras, família, Deus, Brasil, armamento, liberdade de expressão, livre mercado... Quem não aceitar isso, está no governo errado. Esperem pra 22, né? O seu Álvaro Dias. Espere o Alckmin. Espere o Haddad. Ou talvez o Lula, né? E vai ser feliz com eles, pô! No meu governo tá errado! É escancarar a questão do armamento aqui. Eu quero todo mundo armado! Que povo armado jamais será escravizado.
E que cada um faça, exerça o teu papel. Se exponha. Aqui eu já falei: perde o ministério quem for elogiado pela Folha21 ou pelo Globo! Pelo Antagonista! Né?

21 Desde a campanha de 2018, Bolsonaro promove uma série de ataques ao jornal. As ofensas são alvo de repúdio de entidades jornalísticas e da sociedade civil.

Então tem certos blogs aí que só tem notícia boa de ministro. Eu não sei como! O presidente… Jair Bolsonaro... leva porrada, mas o ministro é elogiado. A gente vê por aí. “A, o governo tá, o... o ministério tá indo bem, apesar do presidente”. Vai pra puta que o pariu, porra! Eu que escalei o time, porra!

Trocamos cinco. Espero trocar mais ninguém! Espero22! Mas nós temos que, na linha do Weintraub, de forma mais educada um pouquinho, né? É... de se preocupar com isso. Que os caras querem é a nossa hemorroida! É a nossa liberdade! Isso é uma verdade.

22 Em 5 de abril, sem citar nomes, o presidente disse que integrantes de seu governo “viraram estrelas”. Em uma ameaça velada de demiti-los, disse não ter “medo de usar a caneta”.

DORIA, WITZEL E VIRGÍLIO

Jair Bolsonaro: [...] O que esses caras fizeram com o vírus, esse bosta desse governador de São Paulo, esse estrume do Rio de Janeiro, entre outros, é exatamente isso. Aproveitaram o vírus, tá um bosta de um prefeito lá de Manaus agora, abrindo covas coletivas. Um bosta23. Que quem não conhece a história dele, procura conhecer, que eu conheci dentro da Câmara, com ele do meu lado! Né?

23 Autoridades nos estados e municípios defendem medidas de isolamento social para reduzir a disseminação da Covid-19, enquanto Bolsonaro prega a reabertura do comércio.

[...] E nós sabemos o... o que, a ideologia dele e o que ele prega. E que ele sempre foi. O que a... tá aproveitando agora, um clima desse, pra levar o terror no Brasil. Né? Então, pessoal, por favor, se preocupe que o de há mais importante, mais importante que a vida de cada um de vocês, que é a sua liberdade. Que homem preso não vale porra nenhuma.

Leia a íntegra da reunião ministerial aqui.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.