Bolsonaro rebate críticas de militarização na Saúde e diz que Pazuello fica

Sob pressão para troca, presidente diz que pasta precisa mais de gestor do que de médico; Mourão previa novo nome em agosto

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro rebateu as críticas contra a militarização do Ministério da Saúde e afirmou que o general Eduardo Pazuello deve seguir à frente da pasta.

“O Pazuello está muito bem lá”, declarou Bolsonaro ao citar o interino em sua live semanal nas redes sociais.

O presidente argumentou ainda que prefeitos e governadores que têm solicitado auxílio ao Ministério da Saúde estão sendo atendidos.

“Acho que está precisando muito mais de um gestor do que um médico na saúde”, acrescentou Bolsonaro, referindo-se às queixas de que o militar não tem formação médica.

A atuação de Pazuello —ministro interino desde o pedido de demissão de Nelson Teich, em maio— e a ocupação de postos-chave da pasta por militares estiveram no centro de uma crise nos últimos dias.

No final de semana passado, o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), criticou a militarização do ministério e disse que o Exército estava se associando a um genocídio.

Pazuello comanda a principal pasta responsável por reagir à crise do coronavírus, que no Brasil já soma mais de 2 milhões de infectados e 76 mil mortos.

Na quarta-feira (15), o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, afirmou ao UOL que Bolsonaro deveria escolher em agosto um novo nome para o ministério.

"Pazuello assumiu interinamente e está há dois meses na função. Acredito que em mais um mês, em agosto, Bolsonaro vai retornar da quarentena e analisar outros nomes", disse.

A fala de Gilmar associando o Exército a um genocídio desencadeou dois movimentos.

Porta-voz da cúpula militar, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, publicou uma dura nota e informou que havia representado contra Gilmar na PGR (Procuradoria-Geral da República).

Em outro flanco, integrantes do Exército incomodados com a responsabilização das Forças Armadas renovaram as pressões para que Pazuello seja substituído ou peça remoção para a reserva —como fez o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo.

A aliados, no entanto, o ministro interino sinalizou que não pretende antecipar sua ida para a reserva.

Na live desta quinta, o presidente Jair Bolsonaro confirmou que conversou com Gilmar, como revelou a coluna Mônica Bergamo, após a eclosão da crise e que instruiu Pazuello a informar o magistrado sobre ações da pasta.

Em um sinal de que não pretende antagonizar com Gilmar, Bolsonaro afirmou que “crítica construtiva é bem-vinda” e que, com a nota do Ministério da Defesa, considera o assunto encerrado.

O presidente usou a transmissão para render elogios a Pazuello, a quem chamou de “excepcional”, e negar que exista um excesso de militares na pasta ou mesmo na Esplanada. Bolsonaro está em isolamento no Palácio da Alvorada, após ter sido diagnosticado com o coronavírus.

“[Vamos] falar em Pazuello. Alguns querem a saída dele porque [tem] a militarização. Vocês estão com saudades dos ministros da Dilma, Lula e Fernando Henrique?”, questionou o presidente. "Salles fica. Pazuello fica. Sem problema nenhum", afirmou, referindo-se também ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que também tem enfrentado críticas nas últimas semanas.

Bolsonaro disse que Pazuello levou consigo 15 militares para auxiliá-lo na pasta. Apesar da fala do presidente, há ao menos 24 militares, na ativa ou na reserva, nomeados para o ministério.

Bolsonaro enumerou ainda um a um todos os seus ministros que também são militares e lembrou que sua chapa presidencial em 2018 era formada por ele —um capitão reformado— e pelo vice-presidente Hamilton Mourão, general da reserva.

“É proibido militar na política? É proibido militar ser ministro? Não”, declarou o presidente.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.