Deltan e chefe da Lava Jato de SP criticam decisão de Toffoli que suspendeu busca em gabinete de Serra

Para líder de força-tarefa de Curitiba, se 'a moda pega', argumento de ministro do STF pode servir em qualquer lugar

São Paulo

A decisão do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, de suspender a busca e apreensão no gabinete do senador José Serra (PSDB) em Brasília irritou membros da Lava Jato.

Deltan Dallagnol, coordenador da Lava-Jato em Curitiba, fez uma sequência de posts para argumentar contra a decisão de Dias Toffoli.

Ao pontuar seus motivos, o procurador afirma que, se a PF encontrasse alguma prova no gabinete do senador, esse material seria "submetido à jurisdição do STF ", o que é "suficiente para preservar a jurisdição do tribunal".

Ele ainda diz que se "a moda pega", o mesmo argumento de Toffoli "poderia ser utilizado contra buscas e apreensões em quaisquer lugares".

​O procurador afirmou que o ministro do STF Celso de Mello, no ano passado, deu outro rumo à decisão semelhante.

"'Ninguém está acima da autoridade das leis e da Constituição da República', enfatizou o decano do STF, acrescentando que o postulado republicano repele privilégios e não tolera discriminações", escreveu Deltan, citando Celso de Mello.

Após as críticas ao tribunal, Deltan afirma que respeita o STF e acredita que as "instituições são essenciais para a democracia e desempenham em medida relevante seus papeis".

Diz ainda que "a crítica a parte de suas decisões é um instrumento para o o aperfeiçoamento das instituições".

Janice Ascari, chefe da Lava Jato em São Paulo, também fez uma sequência de publicações em crítica à posição do STF.

Ela lembrou algumas decisões semelhantes do Supremo, em casos relacionados à Justiça Eleitoral, em uma sequência de postagens em uma rede social. Depois, ela os compara ao caso de Serra.

"STF decide que foro especial é só para crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados à função (maio/2018). STF decide que não é bem assim, quando a Justiça Eleitoral de 1º grau expede medida cautelar de busca e apreensão (julho/2020)", escreveu a procuradora em uma rede social.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.