Após esvaziar função, Bolsonaro extingue posto de porta-voz

Em nota, Secretaria de Governo informou que o posto, exercido pelo general Otávio Rêgo Barros., será desativado nas próximas semanas

Brasília

Conhecido pelo estilo personalista, o presidente Jair Bolsonaro decidiu extinguir o cargo de porta-voz da Presidência da República, ocupado desde o ano passado pelo general Otávio Rêgo Barros.

Em nota oficial, a Secretaria de Governo informou que a função será desativada em decreto publicado nas próximas semanas no "Diário Oficial da União".

O general da reserva não fazia pronunciamentos oficiais desde março, após, segundo assessores presidenciais, incômodo de Bolsonaro com o protagonismo que o militar ganhou à frente do posto.

Porta-voz Otávio Rêgo Barros durante cerimônia dos 100 dias do governo Bolsonaro, no Palácio do Planalto - Evaristo Sá - 11.abr.2019/AFP

Inicialmente, o presidente mudou o formato do briefing diário. O general deixou de responder perguntas de repórteres credenciados e passou a apenas ler um informe oficial.

Mesmo com a alteração da função, que rendeu ao porta-voz o apelido de "porta-notas", Bolsonaro decidiu interromper as leituras semanais.

De acordo com auxiliares palacianos, o presidente decidiu que ele próprio poderia desenvolver a função de porta-voz de seu governo, por meio de mensagens nas redes sociais e entrevistas diárias.

Mesmo com o fim do cargo, o presidente ainda avalia uma forma de realocar Rêgo Barros para outra função no governo relacionada à área de comunicação. Uma das alternativas é que ele seja deslocado para o Ministério da Defesa.

Com a recriação do Ministério das Comunicações, em junho, a Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), que antes respondia à Secretaria de Governo, passou para o controle da nova pasta.

Além da extinção da função de porta-voz, o ministro Fábio Faria fará outras mudanças em estruturas hoje comandadas por militares.

O comando da EBC (Empresa Brasil de Comunicação) será alterado, com a demissão de diretores. A diretoria executiva é composta hoje por três militares.

Além do presidente Luiz Carlos Pereira Gomes, general do Exército, fazem parte dela o coronel Roni Baksys Pinto, diretor-geral, e o coronel Márcio Kazuaki, diretor de administração.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.