Descrição de chapéu Eleições 2020

Irmão de Bolsonaro apoia candidatura de aliado do PT acusado de improbidade

Em Cajati (SP), Renato Bolsonaro participa de evento de candidatura de Vavá, do PSB

São Paulo

O processo eleitoral nem bem começou e já produziu a inusitada cena de juntar no mesmo palanque um Bolsonaro e o PT. Foi em Cajati (SP), cidade com menos de 30 mil habitantes do Vale do Ribeira, região paulista onde o presidente da República passou a infância e onde ainda vivem seus familiares.

Neste sábado (12), o ex-prefeito do município Vavá Cordeiro (PSB) lançou-se candidato à prefeitura na convenção do partido e contou com o apoio do comerciante Renato Bolsonaro, irmão do presidente da República. Vavá também tem parceria com o PT, partido que compõe o arco de alianças da candidatura.

Renato Bolsonaro sentou-se à mesa ao lado de Vavá, que lançou o slogan: “Cajati acima de tudo, Deus acima de todos”. No cartaz, embaixo do bordão inspirado no mote bolsonarista, a legenda informava os partidos apoiadores. Além de PT e PSB, compõem a coligação Republicanos, PTB e PL.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao lado do irmão Renato Bolsonaro
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao lado do irmão Renato Bolsonaro - Adriano Vizoni /Folhapress

Vavá foi eleito prefeito de Cajati na última eleição, mas foi afastado do cargo pela Câmara Municipal em agosto passado, acusado de improbidade administrativa.

O processo de cassação aconteceu após um morador da cidade denunciar irregularidades envolvendo um contrato de aluguel de um terreno que pertence a uma empresa da esposa de Vavá, Telma Cordeiro, e compras feitas pela prefeitura.

A ex-primeira-dama alugou o terreno para um posto de combustíveis, e o contrato previa que parte do pagamento fosse feito com base no consumo de combustível no estabelecimento. Na gestão de Vavá a frota da prefeitura abastecia naquele posto, o que melhorava os percentuais pagos à empresa da primeira-dama.

Na ocasião, o então prefeito divulgou um vídeo em que disse sofrer perseguição política com o objetivo de levar ao cargo seu vice, Dirney de Pontes, o Ney do Hospital (PSDB), que hoje comanda a cidade.

Vavá disse que não havia irregularidade no contrato com o posto de combustíveis e que ele foi assinado antes de sua gestão. Defendeu que as aquisições de combustível foram feitas por licitações e que o Tribunal de Contas do Estado nunca viu irregularidade nelas.

No discurso de lançamento de sua candidatura, Vavá afirmou que nada foi provado contra ele e agradeceu o apoio da família Bolsonaro. “Nosso amigo aqui falou em nome da família Bolsonaro", disse, apontando para Renato. "Isso aí é muito importante a gente ter. Eu sempre acreditei no presidente Jair Bolsonaro.”

“Então, Renato, a toda sua família você pode ter certeza que eu estive com vocês e vou estar com vocês o tempo todo. O trabalho que nosso presidente tem feito, ele está sendo muito criticado. Infelizmente na política tem isso. Quando a gente mostra o trabalho, quem não trabalha se sente acuado”, disse, numa relação velada às críticas que ele próprio recebe por causa da denúncia que resultou em seu afastamento.

Renato Bolsonaro pouco falou, mas esteve atento a todos os anúncios feitos na noite. Virou-se para o telão para conferir a foto e o nome de cada um dos 10 candidatos petistas a vereador. Também ouviu atentamente o discurso de João Plasido, presidente do PT em Cajati.

“Até que enfim chegou o dia”, disse o petista. “Cumprimento todos os companheiros aí da composição da mesa”, afirmou Plasido, mirando Renato Bolsonaro e Vavá. “Eu queria dizer para vocês: o PT está junto com Vavá”, disse, aumentando o tom da voz. Foi aplaudido.

Os vídeos do evento mostram uma convenção lotada. Fiel ao estilo do irmão presidente, Renato Bolsonaro posou para fotos com militantes. Estava sem máscara e não respeitou o distanciamento social. Pipocaram nas redes sociais fotos de abraços com o irmão do presidente.

Cajati é a cidade do Vale do Ribeira com mais casos de Covid-19. São 1.490 diagnósticos e 23 mortes, segundo dados do governo paulista desta segunda (14).

No sábado, dia da convenção, o país contabilizou 131.274 mortes em decorrência do coronavírus. O uso de máscara e o distanciamento social são as recomendações dadas pelos organismos de saúde para conter a pandemia.

Em janeiro, reportagem da Folha mostrou que Renato atuou, no ano passado, como intermediador informal de verbas federais para prefeitos aliados políticos no Vale do Ribeira e do litoral paulista.

Ao todo, segundo levantamento da Folha, Renato Bolsonaro conseguiu, em 2019, mais de R$ 110 milhões para prefeituras paulistas. Disse não ter cobrado nada por isso e nunca respondeu quem custeou as viagens que fez para pleitear essas verbas.

Há duas semanas,​ Renato esteve com o irmão Jair Bolsonaro num tour pelo Vale do Ribeira em que o presidente da República participou de lançamentos de projetos de obras de pontes nas cidades de Pariquera-Açu e Eldorado, além de visita a postos policiais na cidade de Registro.

As pontes anunciadas em Pariquera-Açu e Eldorado receberão verba federal e foram, no ano passado, anunciadas pelos prefeitos locais como fruto da intermediação de Renato Bolsonaro.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.