Descrição de chapéu Eleições 2020

Bolsonaro pede voto para Russomanno em São Paulo e dá apoio constrangido a Crivella no Rio

'Se você não quiser votar nele, fique tranquilo, não vamos criar polêmica, não vamos brigar entre nós', disse sobre prefeito carioca

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) declarou em sua live desta quinta-feira (29) apoio explícito a Celso Russomanno (Republicanos), candidato à prefeitura de São Paulo, e, timidamente, defendeu o nome de Marcelo Crivella (Republicanos), que tenta se reeleger no Rio.

Bolsonaro já havia prometido anunciar seus candidatos duas semanas antes do primeiro turno da disputa.

"Estamos aqui com CR10, Celso Russomanno, em São Paulo. Eu conheço ele há muito tempo. Foi deputado federal comigo. E eu sou capitão do Exército, né? Ele aqui é tenente R2 da Aeronáutica. Então, um capitão do Brasil e um tenente na prefeitura de São Paulo. Então, Celso Russomanno é minha pedida para São Paulo. Quem não escolheu ainda, [se] puder escolhê-lo, a gente agradece aí", disse Bolsonaro.

O candidato a prefeitura Celso Russomano (Republicanos) e o Presidente da Republica Jair Messias Bolsonaro falam ao publico apos reuniao no Aeroporto de Congonhas, zona sul da cidade de Sao Paulo, nesta Segunda-feira
Bolsonaro e o candidato à prefeitura de São Paulo, Celso Russomano, falam ao público após reunião no Aeroporto de Congonhas - Ettore Chiereguini - 5.out.2020/AGIF

Ao falar da disputa na capital fluminense, já iniciou dizendo que o nome que apoia "dá polêmica" porque "o Rio de Janeiro sempre é polêmico". Bolsonaro disse conhecer Crivella há muito tempo e fez uma breve apresentação do candidato.

"Terminando agora, um nome que dá polêmica, porque o Rio de Janeiro sempre é polêmico, né? Estou aqui com o Crivella, está certo? Conheço ele há muito tempo, foi deputado federal comigo, depois foi ser senador, prefeito do Rio de Janeiro, é autor de uma proposta de emenda à Constituição, tem uns 7, 8 anos, que passou a permitir que os militares das Forças Armadas pudessem exercer também a profissão de saúde, né? Fosse médico, enfermeiro, pudesse acumular também. Foi tenente do Exército R2, serviu por oitos no batalhão de Barra Mansa, na época", disse o presidente.

Logo após esta declaração, afirmou que "logicamente a gente está pedindo voto pela administração lá do Rio de Janeiro" e fez alusão, sem mencionar os nomes, ao ex-prefeito Eduardo Paes (DEM) e à deputada estadual Martha Rocha (PDT). Paes lidera as pesquisas no Rio e Martha Rocha aparece numericamente empatada com Crivella.

"Nós sabemos que tem mais dois nomes lá concorrendo. Um lá, que é de um partido X, está já... o tal do Ciro Gomes falou que se ela ganhar, vai ser o chefe da Casa Civil dela. E outro, vocês conhecem também, eu não quero tecer críticas, é um bom administrador, mas eu fico aqui com o Crivella", disse o presidente.

Bolsonaro, então, encerra dizendo que, quem não quiser, não precisa votar em Crivella.

"Que não tenha muita polêmica, se você não quiser votar nele, fique tranquilo, tá certo, não vamos criar polêmica, não vamos brigar entre nós por causa disso daí porque eu respeito os seus candidatos também", afirmou.

Bolsonaro reiterou, desta vez de forma mais explícita, apoio a candidatos em Santos (SP), Manaus (AM) e Belo Horizonte (MG), respectivamente Ivan Sartori (PSD), Coronel Menezes (Patriota) e Bruno Engler (PRTB).

O Capitão Wagner (PROS), candidato em Fortaleza, não foi mencionado. Na live de 8 de outubro, o presidente havia dado informações suficientes para identificá-lo.

Bolsonaro também apresentou nomes de candidatos a vereador e atacou Manuela D'Ávila (PCdoB), candidata que lidera as pesquisas em Porto Alegre (RS).

"Uma candidata do PC do B está lá na frente? Pensa nas consequências. Vejam o que esse partido defende, os problemas que esse partido cria para a família tradicional brasileira", disse o presidente.

"É um apelo que eu faço para Porto Alegre. Não vou indicar ninguém, vocês são livres para votar. Agora, votar em uma candidata do PC do B, acho que é o fim da picada", afirmou Bolsonaro.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.