Descrição de chapéu Eleições 2020

Cancelamento de debates na TV frustra adversários de Russomanno, líder em SP

SBT, Record, CNN e RedeTV! confirmaram que não terão encontro no 1º turno; evento da Globo é dúvida

São Paulo

O cancelamento dos debates antes do primeiro turno entre os candidatos a prefeito de São Paulo no SBT, na Record, na CNN Brasil e na RedeTV! deixou frustradas as campanhas dos adversários de Celso Russomanno (Republicanos), por considerarem que o cenário favorece a estratégia do líder nas pesquisas.

O deputado federal e apresentador de TV, que segundo o Datafolha alcança 29% das intenções de voto, adotou uma tática de exposição controlada na campanha eleitoral, para evitar o derretimento que o acometeu nas tentativas anteriores de chegar à prefeitura, em 2016 e 2012.

Aliados chegaram a aconselhá-lo a se ausentar de todos os debates, mas ele compareceu ao único encontro realizado até agora, o da Band, na quinta-feira (1º).

O debate de candidatos à Prefeitura de São Paulo, com 11 participantes, na TV Bandeirantes - Bruno Santos - 1º.out.2020/Folhapress

Nos bastidores ou em público, marqueteiros e coordenadores da campanhas ouvidas pela Folha reagiram negativamente à escassez de debates. Embora reconheçam a dificuldade de fazer os encontros em meio à pandemia, eles dizem que as iniciativas ajudam a esclarecer o eleitor e são vitrines para os postulantes.

A avaliação é a de que os cancelamentos podem beneficiar Russomanno, ao poupá-lo de ter explicar suas propostas —a promessa de criar o auxílio emergencial paulistano, por exemplo, é considerada frágil— e questões da vida pessoal e da atividade parlamentar que já o desgastaram nos pleitos anteriores.

Adversários consideram ainda que, levando em conta sua atuação no encontro da Band, o deputado não tem bom desempenho nesses embates e, após cada programa, poderia ver reduzida sua vantagem nas pesquisas.

Russomanno tem contrato com a Record, onde apresenta o quadro "Patrulha do Consumidor", e estava no ar até agosto deste ano —o limite permitido pela lei eleitoral. Ele só oficializou a candidatura no último dia do prazo da Justiça Eleitoral, em 16 de setembro.

A assessoria de Russomanno divulgou nota na semana passada para informar que o deputado só compareceria a debates com a presença de todos os postulantes que, por lei, têm direito a participar (10, de um total de 14 candidatos) —Russomanno também já anunciou que não participará do debate Folha/UOL, marcado para 11 de novembro.

A regra eleitoral determina que todos os candidatos cujos partidos tenham elegido ao menos cinco representantes na Câmara dos Deputados devem ter a participação assegurada nos debates nas TVs.

O excesso de concorrentes foi um dos obstáculos encontrados pelas emissoras de TV na organização dos programas, assim como as medidas para evitar a disseminação do novo coronavírus.

Ao contrário dos adversários, o marqueteiro da campanha de Russomanno, Elsinho Mouco, diz não haver prejuízo ao eleitor pela ausência de debates. Na avaliação dele, a quantidade de concorrentes fez com que o tempo de cada um fosse insuficiente para explicar propostas e só possibilitou ataques.

"O formato da Band mostrou que fica inviável. É um 'debício', debate com comício. Em 30 segundos só dá para atacar, não dá para desenvolver proposta, tanto que os candidatos chamavam para suas redes sociais para apresentar propostas", diz.

A TV Globo, que usualmente tem o debate de maior audiência, sempre a três dias da votação no primeiro turno, por ora mantém a data prevista para o encontro (12 de novembro), mas a realização é considerada incerta.

A Globo pretende fazer o evento somente com os quatro primeiros colocados nas pesquisas, mas a condição é rejeitada pelas campanhas —por lei, dois terços dos candidatos aptos a participarem devem concordar com as regras elaboradas pelas emissoras.

Com isso, a tendência é que o único debate na TV durante o primeiro turno seja o da Band, que transcorreu cercado de cuidados, como distância maior entre os debatedores, uso de máscara, ausência de plateia e limite de dois assessores por postulante.

O da RedeTV!, que estava marcado para 23 de outubro, foi cancelado na noite desta quarta-feira (7). A emissora, que até o dia anterior confirmava a realização do evento, disse querer "preservar a saúde de todos os envolvidos e manter os protocolos sanitários recomendados pelas autoridades".

O canal afirmou que fez testes preliminares e pilotos, mas, após consultar especialistas de saúde e de segurança do trabalho, "concluiu ser inviável a realização do encontro, tendo em vista o número elevado de candidatos, profissionais ligados às campanhas e equipes da RedeTV! presentes no estúdio".

Em nota divulgada nesta terça-feira (6) para anunciar o cancelamento, a Record disse que "preza pela saúde de seus colaboradores e de seus convidados" e que, após consultar uma comissão de médicos, "entendeu que não há condições de promover o encontro com segurança".

A emissora também desmarcou o debate no Rio de Janeiro.

A CNN Brasil também anunciou nesta terça ter desistido de fazer os encontros em São Paulo e no Rio de Janeiro. A emissora da TV paga disse que tomou a decisão "por não chegar a um acordo com os partidos sobre o número máximo de participantes".

O plano do canal era restringir a seis a quantidade de candidatos no estúdio, "por medida de segurança".

O SBT, ao cancelar os debates em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Belém, disse que tomava a decisão "em virtude da pandemia e do elevado número de postulantes às prefeituras".

A Globo, que também suspendeu as entrevistas individuais que costumava fazer em seu telejornal local SPTV, afirmou em nota à Folha que "não há controle possível sobre os cuidados que os candidatos adotam para si", o que se reflete nos riscos de contaminação caso haja mais de quatro debatedores.

Para a campanha do prefeito Bruno Covas (PSDB), que é candidato à reeleição e aparece em segundo lugar no Datafolha, com 20%, a ausência de debates vai reduzir um espaço que o tucano usaria para exaltar sua gestão e se defender de críticas.

Auxiliares de Covas comentam que a exposição do prefeito nas ruas e em entrevistas poderá preencher essa lacuna, mas dizem que o embate frente a frente permite ao cidadão comparar os candidatos mais claramente.

"O cancelamento é ruim para a democracia. Bruno está superpreparado e isso ficou evidente", afirma Wilson Pedroso, coordenador da campanha, que vê benefício a Russomanno.

"O cancelamento só interessa a quem tem pauta única, zero propostas e que depende de padrinho e marqueteiro para organizar a campanha eleitoral", completa.

Coordenador de comunicação da campanha de Jilmar Tatto (PT), o deputado estadual José Américo (PT) também afirma ser "ruim que as emissoras, que são concessões públicas, não cumpram seu papel social na democracia".

Segundo Américo, a falta de embates beneficia não só Russomanno, mas também Covas —alvos de Tatto no encontro da Band. O petista, no entanto, também ouviu ataques a seu partido e seu padrinho político, o ex-presidente Lula (PT).

A situação também foi lamentada no entorno de Márcio França (PSB), que apostava nos debates para repetir o desempenho alcançado em seus enfrentamentos com João Doria (PSDB) na disputa pelo governo do estado em 2018.

"O cancelamento é bom para quem está na frente, para não ter que se expor", diz o marqueteiro da candidatura de França, Raul Cruz Lima. "E, para os outros concorrentes, é uma oportunidade a menos de aparecer."

O prejuízo da falta de debates é ainda mais sensível para concorrentes que possuem pouco tempo no horário eleitoral gratuito de TV e rádio.

É o caso de Arthur do Val (Patriota). Sua campanha quer propor aos oponentes a realização de debates independentes para suprir a ausência dos espaços na TV. Os aliados de Arthur consideram que os eventos o favorecem eleitoralmente —ele cresceu nas redes após o embate na Band.

Marqueteiro da campanha de Guilherme Boulos (PSOL), Chico Malfitani diz que o candidato "é o maior prejudicado" pelos cancelamentos, por ser preparado para fazer as discussões.

"Para mim, o cancelamento dos debates vem de uma submissão das emissoras de TV [ao governo federal], agora que ficou claro o apoio do Bolsonaro ao Russomanno. SBT e Record estão no campo do Bolsonaro", afirma Malfitani.

Malfitani afirma ainda que, assim como o presidente da República —que foi a apenas dois debates de TV na eleição de 2018, ambos antes de sofrer a facada durante a campanha—, Russomanno "é o mais fraco nos debates, muito ruim".

"É triste a população não ter acesso ao debate e a mídia não cumprir o seu papel de informar", diz o estrategista de Boulos.

A opinião de que SBT, Record e RedeTV! agem politicamente a favor de Russsomanno é partilhada por membros do PT, por auxiliares de Arthur do Val e por aliados de Joice Hasselmann (PSL).

"É um prejuízo gravíssimo para a democracia e para o esclarecimento do eleitor", diz a candidata. "Quando uma emissora cancela um debate, ela está diretamente ajudando o candidato que está na máquina e aquele que está sendo apoiado pela máquina do ódio", afirma ela.

A Record, onde Russomanno apresenta seu programa, é ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, que também exerce grande influência no Republicanos, partido do deputado.

Já o SBT tem relações com Bolsonaro —seu ministro das Comunicações é genro de Silvio Santos. A RedeTV! também é considerada alinhada ao governo federal.

Em nota à Folha, o SBT disse que "vincular o cancelamento do debate ao benefício a algum candidato é especulação que não encontra respaldo na realidade".

A emissora reafirmou que a medida se deu por "excesso de candidatos e pandemia" e disse que a cobertura da eleição não se resume ao debate, mas se dá também com entrevistas e reportagens diárias.

A RedeTV! não quis comentar a tese de favorecimento e afirmou que "estará dedicada a uma cobertura eleitoral ampla, plural e multiplataforma", tanto na TV quanto nos canais digitais.

Procurada, a Record não comentou até a publicação deste texto as afirmações dos adversários de Russomanno.

O presidente Jair Bolsonaro ao declarar apoio a Celso Russomanno (Republicanos) em São Paulo - Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.