Documento não prova fraude nas eleições de 2018 nem comprova vitória de Bolsonaro no 1º turno

Post que viralizou usa informações de 'de uma coleta de dados equivocada', segundo o Tribunal Superior Eleitoral

São Paulo

É falso que um documento prove que houve fraude na apuração dos votos do primeiro turno da eleição presidencial de 2018, ao contrário do que afirma uma postagem no site O Antiagonista, uma paródia do portal O Antagonista. O texto, verificado pelo Comprova, trata de uma denúncia, elaborada por um advogado e um engenheiro, enviada ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que provaria, por projeções matemáticas com base nos resultados parciais divulgados pela imprensa ao longo do dia 7 de outubro de 2018, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teria sido eleito no primeiro turno.

A denúncia faz contas com os percentuais divulgados a partir das 19h da data mencionada no estado de São Paulo e conclui falsamente que Bolsonaro teve 50,59% dos votos –e não 46,03%, como indicou o resultado ao fim do dia. Uma análise feita pelo TSE em 2019 concluiu que houve um problema técnico na divulgação dos resultados parciais da apuração para a imprensa por causa do alto número de acessos e, por isso, a conta “é fruto de uma coleta de dados equivocada”.

Na denúncia apresentada, os reclamantes usam como argumento apenas os dados parciais divulgados pela Rede Globo –e não a totalidade dos votos.

Jair Bolsonaro, de terno e gravata, faz o gesto da arma com as mãos; ao seu lado, Michelle, de vestido; eles estão em pé, em carro que os leva durante a possa
Bolsonaro e sua mulher, Michelle, durante a posse, em Brasília, em 2018 - Danilo Verpa/Folhapress

As mesmas alegações foram feitas em um vídeo do canal Papo Conservador com Gustavo Gayer, que ainda afirma –também de forma equivocada– que as urnas eletrônicas usadas no Brasil são produzidas na China. Segundo o TSE, os equipamentos usados nas eleições de 2018, que também serão usados em 2020, foram fabricados pela empresa norte-americana Diebold Nixdorf, gigante do sistema bancário, com algumas peças feitas na China. A tecnologia usada para o funcionamento é exclusivamente brasileira e a finalização da montagem acontece só no Brasil.

Em março, Bolsonaro havia prometido que teria provas sobre a vitória no primeiro turno –até hoje, sete meses depois, ele ainda não mostrou qualquer indício das acusações. O Comprova entrou em contato com o Palácio do Planalto a fim de ter acesso a tais documentos, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.

Verificação

Em sua terceira fase, o Comprova verifica conteúdos suspeitos que tenham viralizado nas redes sociais tratando sobre políticas públicas do governo federal ou sobre a pandemia da Covid-19.

O vídeo publicado no canal Papo Conservador com Gustavo Gayer teve quase 109 mil visualizações até o dia 21 de outubro, e desinforma ao colocar em xeque o sistema eleitoral brasileiro ao afirmar que houve fraude nas urnas eletrônicas quando não há qualquer prova disso. Gustavo Gayer, o responsável pelo canal, que aparece no vídeo, é candidato à prefeitura de Goiânia pelo partido Democracia Cristã, e, mesmo assim, questiona o mecanismo de votação usado no país.

Falso, para o Comprova, é o conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma mentira.

A investigação desse conteúdo foi feita por UOL, BandNews, Marco Zero e Alma Preta e publicada na quinta-feira (22) pelo Projeto Comprova, coalizão que reúne 28 veículos na checagem de conteúdos sobre coronavírus e políticas públicas. Foi verificada por Folha, GZH, A Gazeta, Bereia, NSC, Piauí e Correio.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.