Ex-deputado do Ceará é preso com R$ 2 milhões escondidos em caixas de televisão

A Polícia Federal não revelou o nome do político envolvido em esquema de licitações fraudulentas

Recife

Policiais federais prenderam em flagrante na manhã desta quinta-feira (19), em Fortaleza, um ex-deputado federal e estadual durante operação para investigar esquema de desvios de recursos públicos a partir de licitações fictícias.

O nome do político não foi revelado. Os agentes encontraram R$ 2 milhões em espécie numa empresa ligada a ele. As notas estavam escondidas em caixas de aparelhos de televisão.

De acordo com informações da Polícia Federal, a organização criminosa usava laranjas para forjar uma concorrência. O esquema ocorria há 20 anos em contratos de locação de veículos pelo poder público.

Dinheiro empilhado sobre uma mesa
Operação da Polícia Federal em Fortaleza apreende milhões escondidos em caixas de televisão - Divulgação/PF Ceará

“A empresa utilizava laranjas para participar de um mesmo certame licitatório, forjando uma concorrência. Era uma concorrência fictícia. Uma empresa vencia concorrendo com outra da mesma organização”, explicou o delegado da Polícia Federal Carlos Joésio Duarte.

Ao todos, foram cumpridos 27 mandados de busca e apreensão nos estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Rio de Janeiro.

A primeira fase da Operação Km Livre foi realizada há quatro anos. Na ocasião, a Polícia Federal apreendeu na empresa, com suspeitas de ser ligada ao ex-deputado Adail Carneiro (PP), R$ 5,9 milhões. Ele negou que o dinheiro seria seu e que teria ligações com a empresa.

Adail foi assessor especial durante gestão do governador do Ceará, Camilo Santana (PT).

A Polícia Federal não confirmou se Adail tinha envolvimento com o esquema.

A Prefeitura de Fortaleza informou que apoia qualquer tipo de investigação para apurar o uso de recursos públicos. Ressalta que servidores públicos não foram alvo dos mandados expedidos pela Justiça.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.