Descrição de chapéu Eleições 2020

Político tradicional, França encara aventura em SP com discurso anti-Doria e biruta ideológica

Em sua 18ª campanha, filiado do PSB decidiu disputar eleição após vantagem sobre tucano em 2018

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

No momento em que Márcio França chegava para um ato de campanha no centro de São Paulo, na última quinta-feira (5), fazia cerca de duas horas da divulgação da pesquisa Datafolha que deu ao candidato do PSB 13% das intenções de voto, ante 10% do levantamento anterior.

Do lado de fora do Sindicato dos Padeiros, onde falaria para donos de padarias e profissionais do setor, o ex-governador era aguardado por um ansioso e saltitante Antonio Neto (PDT), que ocupa a posição de vice na chapa.

Neto, como o sindicalista é conhecido, correu na direção do parceiro assim que ele saiu do carro. "Tamo chegando!", disse, falando da expectativa de superar Guilherme Boulos (PSOL) e Celso Russomanno (Republicanos) e ganhar impulso rumo ao segundo turno contra o prefeito Bruno Covas (PSDB).

"Eu avisei, eu avisei", respondeu França, com um sorriso que misturava satisfação, cautela e uma pontinha de ceticismo.

Experiente em batalhas eleitorais, o advogado de 57 anos nascido em Santos (SP) nem sequer planejava, até pouco tempo atrás, disputar a prefeitura da capital paulista.

Ilustração mostra Marcio França em sua casa
Ilustração de Márcio França - Catarina Pignato

A coisa mudou quando o ex-vereador e ex-prefeito de São Vicente (SP), ex-deputado federal e ex-vice governador com base política na Baixada Santista virou governador por via indireta, em 2018, com a renúncia de Geraldo Alckmin (PSDB) para concorrer à Presidência.

Ao assumir o Palácio dos Bandeirantes em abril daquele ano, já pré-candidato à reeleição, França passou a antagonizar com João Doria (PSDB), a quem ajudara na campanha de 2016 para prefeito da capital, na qual o empresário neófito na política se sagrou vencedor em primeiro turno.

Em outubro de 2018, os dois travaram um duelo pela cadeira de governador que terminou com a vitória de Doria no estado, mas uma derrota humilhante na cidade que administrara por 15 meses.

Desconhecido da maioria do eleitorado, França usou o pleito para se projetar e colheu um feito: obteve quase 1 milhão de votos a mais que o tucano na capital no segundo turno. Doria virou governador por uma margem apertada (52% a 48%), e o oponente viu cair em seu colo uma oportunidade.

Animal político, do tipo que brilha os olhos ao fazer campanha, o filiado do PSB decidiu capitalizar a imagem de "anti-Doria" e assumir a empreitada de tentar barrar a reeleição de Covas.

Hábil negociador —característica reconhecida até por adversários—, França sumiu da cena pública em 2019, ao mesmo tempo em que entabulava conversas com potenciais aliados.

Obstáculos se impunham: ele não tinha uma relação exatamente próxima com a capital, e seu partido carecia de estrutura sólida na cidade. Ademais, a onda de rejeição a políticos tradicionais acendia um alerta sobre suas chances.

Em março deste ano, França anunciou uma aliança nacional entre o PSB e o PDT do ex-presidenciável Ciro Gomes (terceiro colocado em 2018) que passava por São Paulo. A coligação ganharia mais tarde a presença do Solidariedade, do PMN e do Avante, garantindo o segundo maior tempo de TV.

A fama de político moderado e conciliador, que transita entre esquerda e direita, acabaria se tornando sua retórica de campanha, mas também um calcanhar de aquiles explorado por adversários.

Logo que se consolidou o empate técnico nas pesquisas com Boulos, o ex-governador passou a ser tachado pelo líder de movimentos de moradia como símbolo da "direita do PSB", um partido de esquerda.

O curioso aqui é o contraste com a disputa de 2018, na qual Doria martelava a tese de que França seria comunista, em esforço para associá-lo ao socialismo e ao PT. "Márcio Cuba" foi o apelido criado pelo PSDB na ocasião.

O estilo camaleônico é, até aqui, uma das marcas de sua campanha a prefeito.

O discurso anti-Doria que passou a acompanhá-lo com mais força desde 2018 ganhou contornos nacionais com a contraposição entre o governador paulista e Bolsonaro, tendo como pano de fundo a ambição do tucano de disputar a Presidência em 2022.

Em entrevista à Folha ainda na pré-campanha, em julho, França disse que sua vitória na capital sepultaria o sonho presidencial de Doria. Em seu cálculo, a derrota de Covas frearia o projeto maior do rival.

Nos sonhos do candidado do PSB, o pragmatismo levaria eleitores de esquerda a apostar nele para barrar a reeleição do prefeito do PSDB e o levaria a receber também o voto do eleitorado conservador pró-Bolsonaro, que deseja ver Doria fora do caminho do presidente.

Em uma iniciativa controversa, sobre a qual ainda hoje precisa responder, o ex-governador foi ao encontro de Bolsonaro em agosto durante um evento São Vicente. Registrado em foto, o aperto de mãos lhe rendeu bordoadas da esquerda e pechas como traidor e oportunista.

Na versão de França e seus aliados, a conversa girou em torno da ajuda ao Líbano após a grande explosão no porto de Beirute. Lúcia França, esposa do candidato, tem origens familiares no país, o que o levou a se engajar na campanha beneficente, ao lado de amigos como o presidente da Fiesp (federação das indústrias paulistas), Paulo Skaf.

Há poucos dias, França disse se considerar progressista, mas afirmou que aceita de bom grado o voto de quem apoiou Bolsonaro, embora não tenha "nenhuma relação de afinidade" com o titular do Palácio do Planalto.

Além dos questionamentos ideológicos, voltou à tona nesta campanha —a 18ª em que França diz ter se envolvido, como postulante ou apoiador— seu histórico como gestor público.

Dono de um perfil clássico como administrador, o candidato sofre ressalvas de seus oponentes pelo comportamento centralizador em algumas ocasiões e por governar de olho em questões paroquiais.

Quando assumiu o governo estadual após a gestão de nove meses do rival, Doria anulou contratos que superavam R$ 143 milhões sob o argumento de que França beneficiou cidades de seu reduto eleitoral por interesses políticos.

Como mostrou a Folha, França adotou práticas de uso da máquina administrativa e iniciativas populistas que elevaram os gastos públicos. Enquanto se preparava para tentar a reeleição para o Bandeirantes, elevou a liberação de verbas para prefeituras e fez afagos ao funcionalismo.

Marcada pela pandemia, pelos eventos restritos e pela escassez de debates, a campanha de 2020 se aproxima do dia do primeiro turno com o candidato do PSB comemorando uma subida gradual nas pesquisas e a baixa taxa de rejeição (14%).

Mesmo sem sinais evidentes de um avanço seu na disputa, mantém a confiança —parte pela intuição aguçada, parte pela matemática. França gosta de exibir mapas com resultados da votação em eleições anteriores, sabe números de cabeça e passa os dias calculando tendências e projeções.

RAIO-X

Márcio Luiz França Gomes, 57
Formado em direito pela Universidade Católica de Santos, foi oficial de Justiça antes de entrar na política como vereador e duas vezes prefeito de São Vicente (1997-2004). Sempre filiado ao PSB, França foi ainda deputado federal (2007-2015) e vice-governador de São Paulo (2015-2018), até assumir o Palácio dos Bandeirantes em abril de 2018, com a renúncia de Geraldo Alckmin

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.