Quilombo Periférico chega à Câmara de SP sob o lema da disposição do arroz e feijão

Eleita vereadora, Elaine Mineiro (PSOL) promete combater racismo estrutural com integrantes do mandato coletivo

Elaine Mineiro e os integrantes do mandato coletivo Quilombo Periférico, eleito para a Câmara de SP

Elaine Mineiro e os integrantes do mandato coletivo Quilombo Periférico, eleito para a Câmara de SP Zanone Fraissat/Folhapress

São Paulo

É quando educa a filha Maria Luiza, 13, que Elaine Mineiro se vê mais parecida com a mãe. A menina já aprendeu, por exemplo, que sua principal tarefa na vida é estudar. Já entendeu como tratar as pessoas e se posicionar no mundo. E, assim como pregava a avó, Maria Luiza sabe também que o feijão deve sempre vir por baixo do arroz.

Pode parecer uma bobagem, explica Elaine, mas a ordem da comida é carregada de significado.

A geógrafa de 36 anos lembra que, um dia, dona Maria Cecilia assistiu a uma das filhas que trabalhava como babá chegar da casa dos patrões e, ao se servir, inverter o padrão da família: usou o feijão para regar o que já havia no prato.

Maria Cecilia mandou o almoço voltar. Afinal, aquilo era coisa aprendida na casa dos outros.

“Você não é o seu patrão”, avisou. Disse que não era preciso ser diferente da sua própria família para se tornar alguém que conquista coisas. “Minha mãe conseguia ensinar valores profundos com coisas simples”, lembra Elaine.

A quinta filha da empregada doméstica Maria Cecilia Mineiro e do supervisor de segurança Benedito Mineiro agora está eleita vereadora de São Paulo pelo PSOL. A sua bancada coletiva a escolheu para representar a chapa nas urnas com o nome Elaine do Quilombo Periférico. Levaram 22.742 votos.

Ela conta que a liderança veio em consideração à fala construída tanto pelo movimento negro quanto pelas periferias de que “representatividade importa”. “Você olha para a Câmara e, até agora, não havia nenhuma mulher negra. E na história da casa só tivemos duas mulheres negras”, lista.

“A mulher negra está sempre à frente dos processos de construção, mas nunca está sendo o referencial das decisões desse processo. Então, era fundamental que uma negra ocupasse essa posição."

Ao lado dela no Quilombo Periférico estão o produtor cultural Alex Barcellos, 41, a coordenadora do núcleo de educação da UNEafro Samara Shostenes, 33, a educadora popular Débora Dias, 22, o assistente social Julio Cezar de Andrade, 34, e o articulador cultural Antonio Erick, 31.

“Estamos nas zonas sul, leste e centro. A Débora está em Sapobempa, o Julio no Lageado, Alex no Capão Redondo, Erick no Jardim Ibirapuera, e Samara na Ocupação Prestes Maia, na Luz. A ideia é ter um gabinete no centro onde a gente se encontre, mas também termos bases dentro dos nossos territórios”, diz Elaine.

Ela também prevê que, para tomar decisões coletivamente, a bancada se valha das plenárias, como já vinha fazendo desde a época da campanha. “Se tiver uma decisão a ser tomada na área de infância e juventude, por exemplo, a gente vai chamar profissionais de assistência social."

Elaine e Julio Cezar se conhecem há mais de 20 anos. Já com Alex são dez anos de proximidade. “As meninas são mais novinhas, a Débora tem 22 anos, mas ela foi aluna do cursinho UNEafro. A relação que a gente tem já vinha de outros lugares, a gente já construía a militância."

Ela diz considerar a amizade fundamental, mas entende que há algo mais importante. “Quando se fala em candidatura coletiva, em não ter uma pessoa decidindo tudo, processos são balizados pelo projeto político comum. Temos que ter o compromisso de abrir mão de qualquer problema quando o nosso projeto estiver à frente."

“Isso é uma decisão militante, de quem já decidiu que a politica é extremamente importante para vida”, continua. Elaine acha, ainda, que as bancadas coletivas são um formato que veio para ficar, mas que é preciso que se entenda que cada uma delas funciona de uma maneira.

Para Elaine, não é possível descartar o surgimento de bancadas coletivas também à direita. “Acho que a direita sempre está aberta a captar qualquer coisa que tenha uma chance de ganhar eleição, né?”

“Só que não adianta ter uma bancada coletiva interessante se ela não tem pautas de um campo progressista. Mesmo aquela pessoa que sai sozinha com um nome único na urna, ela tem um grupo de pessoas com ela e que toma decisões. O mandato coletivo explicita quem são essas pessoas. Acho que essa é a diferença."

Na pauta da bancada do Quilombo Periférico estarão assistência social e rede de proteção à criança e ao adolescente. Elaine explica que a bancada pretende fazer um diagnóstico da “situação real” destas populações em termos de demanda para a saúde e educação.

“Em São Paulo a gente pode pegar dados e exemplificar que o racismo estrutural faz com que os negros sejam sempre os mais atingidos. Temos um dado que foi apresentado ano passado que diz que uma pessoa como eu vive 23 anos a menos que alguém que mora em Moema. Isso exemplifica o quanto a cidade é racista”, avalia.

“O maior número de mortes na pandemia se deu nas periferias. Lá você tem dificuldade de acesso ao sistema de saúde. Não consegue que façam terapia, atividade física. Todos os lugares onde a política pública deveria estar atuando ela é falha”.

Elaine chegou ainda pequena ao Conjunto Habitacional Sítio Conceição, em Cidade Tiradentes, depois que a família foi expulsa de um cortiço na Bela Vista, por uma reintegração de posse. Em 1989, o pai, Benedito, foi assassinado. Dona Maria Cecília ficou sozinha com os cinco filhos para criar.

Enquanto conseguia emprego como empregada doméstica, o filho mais velho, de 15 anos, foi trabalhar de auxiliar de pedreiro. Elaine, a caçula de cinco anos, ficava em casa aos cuidados de irmãos um pouco mais velhos que ela e sob o olhar vigilante da vizinhança.

“A gente sabia que era difícil. A criança na periferia entende esse tipo de coisa mais rápido. Eu sabia por exemplo que não podia pedir doce para a minha mãe quando a gente saía. Não era que eu não tinha vontade, era que eu sabia que ela não ia poder comprar."

Elaine diz que sempre se soube negra. “Sempre entendi os aspectos e o peso do racismo. Na escola a criança negra ela é ofendida, as professoras têm uma relação diferente”, fala.

Maria Cecília morreu há quatro anos, depois de enfrentar a hipertensão e o mal de Alzheimer. Entre os ensinamentos que deixou para os filhos, estavam a disposição correta do arroz com feijão e a certeza de que a vida seria mais dura com Elaine e os irmão pelo simples fato de que eram todos negros.

“Só que eu entendi que isso não era algo que ia me paralisar, mas sim me dar condições de fazer uma luta contra”.

Raio-x

  • Elaine Mineiro
  • 36 anos
  • Geógrafa
  • PSOL
  • 22.742 votos
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.