Descrição de chapéu Coronavírus Governo Bolsonaro

Mourão recebe alta e se solidariza com vítimas da Covid

Vice foi diagnosticado no final de dezembro e permaneceu em isolamento na residência oficial

Brasília

No dia em que recebeu alta médica da Covid-19, o vice-presidente Hamilton Mourão se solidarizou com familiares de pessoas que morreram pela doença. A fala do vice ocorre no dia seguinte ao Brasil ter atingido a marca de 200 mil óbitos pela doença.

"Meus sentimentos e solidariedade a todas as famílias enlutadas pela morte dos seus entes queridos pela Covid-19. São perdas irreparáveis que não encontram consolo na recuperação dos mais de 7 milhões de brasileiros", escreveu Mourão, no Twitter.

Na quinta, durante sua live semanal, Bolsonaro disse que lamenta as mortes, mas que "a vida continua".

"Lamentamos as mortes, a vida continua. E pedimos a Deus que abençoe e nosso Brasil e abençoe o mundo, que afinal de contas somos filhos dele", disse o presidente.

A alta médica de Mourão foi informada pela vice-presidênia nesta sexta-feira (8). "O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, diagnosticado com Covid-19, recebeu alta médica nesta data, retornando às atividades normais na próxima segunda-feira, 11", diz a nota do gabinete.

Mourão foi diagnosticado com o novo coronavírus em 27 de dezembro e estava em isolamento no Palácio do Jaburu. Ele fez o exame após ter febre e sentir dores no corpo e na cabeça.

Na terça (5), a vice-presidência divulgou comunicado em que afirmou que Mourão estava seguindo um programa de exercícios respiratórios, orientado por um fisioterapeuta.

Em comunicados anteriores, a vice-presidência havia informado que Mourão estava tomando remédios para dor e febre, além de hidroxicloroquina, azitromicina e Annita (um antiparasitário).

O uso da hidroxicloroquina e da azitromicina para tratamento da Covid-19 é defendido por Bolsonaro, mas as substâncias não têm eficácia científica comprovada contra o coronavírus.Já o antiparasitário Annita é propagandeado pelo ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, mas estudos indicaram que ele não reduz sintomas da doença. Pessoas com mais de 60 anos são consideradas grupo de risco pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.