Descrição de chapéu stf

PF abre inquérito após encontrar celulares em sala de prisão de deputado bolsonarista

Dois aparelhos foram achados no local onde dormiu Daniel Silveira na superintendência da corporação no Rio

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

A Polícia Federal abriu um inquérito policial após encontrar dois aparelhos celulares na sala onde está preso desde a madrugada de quarta-feira (17) o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), na Superintendência da corporação no Rio de Janeiro.

Em nota, a PF informou que os aparelhos foram localizados durante a realização de protocolos de segurança.

Ex-policial-militar, Silveira será transferido para o BEP (Batalhão Especial Prisional), em Niterói (RJ), conforme decisão do juiz Airton Vieira em audiência de custódia nesta quinta (18). O magistrado entendeu que o batalhão, onde ficam detidos policiais militares, é mais bem estruturado para a manutenção da prisão do deputado.

Após a prisão de Silveira, na noite de terça-feira (16), algumas postagens foram feitas em seu perfil no Twitter. Não é possível identificar se o autor foi o próprio deputado ou um assessor.

Por volta da 1h de quarta-feira, uma transmissão ao vivo no Facebook do deputado mostrava sua discussão com uma policial civil no IML (Instituto Médico Legal), após resistir a utilizar uma máscara, em função da pandemia do novo coronavírus.

O parlamentar foi conduzido ao local para realizar o exame de corpo de delito, antes de ser transferido para a Superintendência da PF.

"E se eu não quiser botar? Se a senhora falar mais uma vez eu não boto. Respeito que não está falando com vagabundo, não. A senhora é policial civil, eu também sou polícia, e aí? Sou deputado federal, e aí?", disse Silveira. "Folgada pra caralho."

0
O deputado federal Daniel Silveira no IML, para onde foi conduzido na noite de terça-feira (16) para realizar exame de corpo de delito - Betinho Casas Novas/Futura Press/Folhapress

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes ordenou a prisão de Silveira após o deputado publicar um vídeo com ofensas contra ministros do Supremo.

Na tarde desta quarta, a decisão foi mantida por unanimidade pelos 11 ministros da corte. Silveira é alvo de dois inquéritos no STF —um apura atos antidemocráticos e o outro, fake news.

Na audiência de custódia, nesta quinta-feira (18), Silveira afirmou: "no meu entendimento, com todo o respeito à magistratura e à decisão do senhor ministro [Alexandre de Moraes], tenho para mim que a situação reputada como flagrante assim não poderia tê-lo sido".

"Entendo, com todo respeito reiterado que não estávamos diante de uma situação de flagrante, cuja lavratura fora, então, irregular​."

Deputado Daniel Silveira deixando a Polícia Federal no centro do Rio de Janeiro - Brenno Carvalho / Agência O Globo

E prosseguiu: "Por exemplo, se houvesse algum vídeo disponível de um narcotraficante, tendo sido visto por mim, questiono se eu poderia, tempos depois, autuá-lo em flagrante? Por isso, aproveitando esta audiência de custódia, deixo registrado o meu entendimento sobre a questão."

A Câmara dos Deputados aguardava o resultado dessa audiência para decidir sobre a posição a ser adotada. Por previsão constitucional, cabe à Casa confirmar ou derrubar a ordem de prisão de um deputado.

O centrão avalia não derrubar a decisão do STF. O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), defendeu punição exemplar para o colega, com suspensão ou cassação de mandato.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.