Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro recebeu no Planalto empresário que doou carro e apoiou negócio de Jair Renan, o filho 04

Empresa de filho do presidente é investigada pela Polícia Federal sob a suspeita de tráfico de influência junto ao governo federal

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro recebeu no Palácio do Planalto o empresário Wellington Leite​, o mesmo que doou um carro elétrico avaliado em R$ 90 mil para um projeto parceiro da empresa de Jair Renan, o filho 04 do presidente.

O projeto MOB é de propriedade do ex-personal trainer de Renan, Allan Lucena. O MOB e a Bolsonaro Jr Eventos e Mídia, de Jair Renan, inauguraram em outubro do ano passado o projeto Camarote 311, no estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Leite esteve na inauguração. Ele apareceu entre Renan e Allan em um vídeo do evento.

O carro elétrico foi doado pelos grupos WK, de propriedade de Leite, e Gramazini Granitos e Mármores Thomazini. Ambos tiveram suas logomarcas impressas na decoração da parede de entrada do escritório de Renan, junto com outras empresas que apoiaram o empreendimento.

Leite divulgou a foto do encontro com Bolsonaro em suas redes sociais no último dia 21 de março, data de aniversário do chefe do Executivo.

“Parabéns meu querido presidente por completar mais um ano de vida, que Deus possa te abençoar poderosamente e lhe dê cada vez mais saúde, força e sabedoria para conduzir essa nação”, disse.

A Secretaria de Comunicação da Presidência disse não ser possível informar a data do encontro nem o motivo da reunião no Palácio do Planalto. O encontro não aparece na agenda oficial de Bolsonaro.

À Folha o empresário do Espírito Santo não informou a data. "Confesso que não me recordo”, disse. "Visitei o Palácio do Planalto e tive a sorte de tirar uma foto com o presidente. Foi tudo muito rápido", afirmou, acrescentando também não se lembrar quem o levou ao encontro com Bolsonaro. "Tivemos apenas esse encontro.”

A empresa de Jair Renan é investigada pela Polícia Federal, a pedido do Ministério Público Federal, sob a suspeita de tráfico de influência junto ao governo.

A Bolsonaro Jr tem como finalidade a organização, promoção e criação de conteúdo publicitário para feiras, leilões, congressos, conferências e exposições comerciais e profissionais.

Representantes da Gramazini Granitos também conseguiram um encontro com uma autoridade do governo federal. Foram recebidos pelo ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, no dia 13 de novembro, em encontro agendado pelo secretário especial da Presidência Joel Fonseca.

Na ocasião, foi apresentado ao ministro um projeto de casas populares desenvolvido em parceria com Leite, do Grupo WK.

Renan foi ao Espírito Santo conhecer o projeto, assim como a sede do Grupo WK, em setembro. O encontro foi publicado nas redes sociais de Leite, com fotos de Renan e Allan. Em algumas das imagens, os dois apareceram ao lado da filha do empresário.

Um dos vídeos divulgados da viagem registrou o momento da chegada da comitiva a uma construção, em que Leite afirmou, ao lado do filho 04 do presidente: “Quero registrar esse momento justamente em que estamos mostrando ao Renan esse projeto que estamos a caminho de desenvolver e já colocando Deus acima de tudo”.

Em outra gravação, feita em um restaurante de Vitória, com Jair Renan e Lucena, Leite pergunta: “Allan, fala para mim aqui, o que você espera dessa parceria da sua empresa MOB, do Renan lá, a JB, juntamente com o Grupo WK?”.

Allan responde: “Fala pessoal, sou Allan Lucena de Brasília e a gente tá aqui em Vitória, justamente para cumprir uma aliança, uma parceria com o Grupo WK, que vai ajudar inúmeras pessoas em Brasília, junto com o meu projeto social MOB Fit. Fica de olho aí que a gente vai trazer muita coisa para vocês ao longo dos próximos meses”, diz.

Logo em seguida, o filho do presidente responde: “Fica de olho aí na gente, sou Renan Bolsonaro, sou carioca, tá vindo muita coisa boa por aí”.

Em outro vídeo, Renan pergunta: “O que eu vim fazer aqui em Vitória, Wellington?”. Este responde: “Networking, parceria, aliança, Brasil”.

A viagem de Renan mobilizou o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) da Presidência da República. De acordo com a assessoria do gabinete, comandado pelo general Augusto Heleno, o filho do presidente viajou em voo comercial e não foram utilizados veículos ligados à Presidência no estado.

O GSI disse que houve “emprego mínimo de servidores” da Presidência, sem avançar em mais detalhes. “O GSI não fornece detalhes operacionais, efetivo empregado, bem como não divulga nomes de servidores envolvidos com a segurança do presidente, vice-presidente e familiares”, afirmou.

O empresário respondeu à Folha que Allan levou Renan ao Espírito Santo para a troca de ideias sobre projetos que poderiam ser tocados em parceria. “O Allan que trouxe o Renan, que veio falar sobre o projeto social do MOB e do JB, porém acabou que não foi adiante”, disse Wellington.

Sem fornecer valores à reportagem, o empresário afirmou que arcou com as despesas da viagem do filho do presidente e de seu parceiro comercial. “Como eu convidei, mais do que justo arcar [com as despesas]”, disse. “Sobre o valor, eu não sei nem o que gastei ontem, vou saber o que gastei há quase oito meses?”

Wellington não deu mais informações sobre a cessão do carro elétrico. “Foi cedido para o projeto social MOB, mas parece que [o projeto] não foi adiante e o mesmo foi devolvido”, afirmou.

A reportagem enviou perguntas à defesa de Allan Lucena, mas não houve resposta até a publicação deste texto​.

Quem também participou do encontro com Rogério Marinho foi a arquiteta Tânia Fernandes, sócia da TF Arquitetura Inteligente, que prestou serviços ao Camarote 311.

À Folha Tânia disse que chegou até Renan por ter sido cliente de seu ex-parceiro Allan, quando sofreu um acidente e precisou de seus serviços como personal trainer.

Em uma foto da reunião no ministério, Tânia apareceu ao lado de Marinho, do secretário especial da Presidência Joel Fonseca e do filho do presidente.

A empresa foi aberta pela arquiteta e pelo marido, Wesley Washington Lourenço, que é funcionário do Ministério da Economia.

No mês passado, a defesa de Allan Lucena disse à Folha que os serviços da TF Arquitetura foram pagos por uma doação financeira do vice-presidente da Aliança pelo Brasil, partido que Bolsonaro quer criar, Luis Felipe Belmonte.

Belmonte negou a afirmação e disse que Allan requisitou uma ajuda financeira para a empresa, mas que não chegou a ser concretizada.

Allan não informou quanto a TF cobrou pelo serviço prestado à empresa de Renan, tampouco apresentou notas e contratos relacionados.

Tânia não quis revelar quanto cobrou pelo serviço prestado à Bolsonaro Jr alegando questões de confidencialidade com o cliente, nem quem fez o pagamento.

“Eu assino termo de confidencialidade com todos os meus clientes, previsto por lei no código de conduta do Conselho de Arquitetura, entende?", disse.

Também afirmou que seu marido nada teve a ver com a prestação do serviço e que ele entrou como sócio no negócio "somente para constituir a empresa, que agora é Eireli [modalidade de microempresa na qual é exigido apenas um sócio]".​

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.