Descrição de chapéu
senado

Fatura do casamento com o centrão prolonga agonia do governo Bolsonaro

Teatro do fundão e reforma ministerial expõem presidente lutando para chegar a 2022

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Na história da redemocratização brasileira, reformas ministeriais são sinais inequívocos ora de acomodações pontuais, ora de prolongamento de agonias. O segundo caso se aplica ao governo Jair Bolsonaro, que namora mais uma mudança no gabinete.

Arthur Lira e Ciro Nogueira conversam durante a campanha do deputado à chefia da Câmara
Arthur Lira e Ciro Nogueira conversam durante a campanha do deputado à chefia da Câmara - Pedro Ladeira - 9.dez.2021/Folhapress

É a fatura, ou "invoice" para ficar no espírito do tempo de CPI da Covid, de seu casamento com o centrão.

O bloco amorfo, nem sempre com a mesma composição, é considerado vital para a governabilidade desde sempre, mas ganhou renovada assertividade sob o presidente.

A alocação de Ciro Nogueira (PP-PI) na Casa Civil sinaliza uma abertura de porteiras da máquina interna do governo ao centrão.

A concessão anterior, dos mecanismos de negociação com o Congresso na forma da Secretaria de Governo na mão de Flávia Arruda (PL-DF), acabou embaçada pela inapetência do general Luiz Eduardo Ramos (Casa Civil), seu antecessor.

O militar da reserva que carrega o título de amigo mais longevo de Bolsonaro no Planalto impediu que a deputada exercesse sua função a contento. Nos bastidores, afinal, os fardados continuam a chamar o centrão pela alcunha eternizada pelo general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional).

Uma hora a corda estouraria, pois não há casamento com dote, mas sem consumação, para usar figuras anacrônicas afeitas a Bolsonaro e ao próprio centrão.

O curto-circuito ficara evidente no teatro patrocinado por ambos os lados na discussão do fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões. O acerto é evidente: Bolsonaro toparia algum aumento, talvez aos R$ 4 bilhões vazados pelos envolvidos, e tentaria posar de guardião da moralidade.

Seria a culminação do que se viu entre seus apoiadores no Congresso, gente que posta em rede social o absurdo do valor e depois vota a favor da iniciativa. Esperteza em tempo real tem seu preço.

O problema é que, fiel a seu fígado, Bolsonaro tentou inventar um Cristo no processo, o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM). Salvo a integral participação do deputado na farsa, foi um tiro no pé.

Publicamente, ganhou uma ameaça constante, ainda que pouco crível, de abertura de processo de impeachment se o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), decidir dar uma voltinha.

Isso nos traz de volta ao imbróglio da reforma, que anda de mãos dadas com a pantomima do fundão —afinal, R$ 4 bilhões é dinheiro de sobra para fazer muita gente feliz na campanha do ano que vem.

A indicação e o convite ao senador Nogueira passaram por uma articulação de Fábio Faria (Comunicações), o solerte deputado-ministro que opera em nome do centrão no Planalto e está de mudança para o partido de Lira, o PP.

Ele nunca se deu com o general Ramos, e a oportunidade foi colocada para alinhar, agora para ficar num termo medonho oriundo da Faria Lima que apoiou Bolsonaro, Casa Civil e Secretaria de Governo aos interesses do centrão.

De quebra, se houver a esperada facilidade para que André Mendonça seja aprovado pelo Senado como futuro ministro do Supremo Tribunal Federal, sua cadeira de advogado-geral da União pode ficar com um amigo da turma, o número 2 da Secretaria-Geral, José Vicente Santini.

Ramos, chamado de "pitbull" por seus ex-comandantes no Exército, será novamente alijado. Na Secretaria-Geral, poderá palpitar, mas na prática será apenas um síndico das minúcias palacianas.

Na Casa Civil, tentou sem sucesso manter a mão na articulação e não exerceu nem as funções precípuas da pasta, embora nada indique que Nogueira será um tocador de obras que garantirá a recuperação de imagem do governo visando 2022.

A debacle de Ramos está sendo comemorada por seus adversários bolsonaristas dentro e fora do governo, mas não muito: circularam vídeos tentando demonizar Ciro Nogueira por seu apoio histórico a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e por ter chamado Bolsonaro de fascista.

É um processo conhecido do Planalto sob este presidente. O vazamento de um convite e a exposição do nome às intempéries do deserto virtual da razão do bolsonarismo. O problema é que o senador não é um nome obscuro qualquer, e sim uma das chaves do sistema de poder em Brasília.

Assim, a fritura tende a não dar certo, se Bolsonaro seguir o juízo possível que lhe resta. Segundo aliados, sua preocupação é binária: não sofrer impeachment e ser um candidato viável em 2022. Se a primeira angústia ainda parece ao alcance de solução pelo centrão, a segunda é uma incógnita.

Pior: ela depende da primeira. Por ora, o presidente prolonga a agonia de seu mandato para tentar chegar ao ano que vem contando com alguma melhora geral do cenário sanitário e econômico.

O político, contudo, já era. Nem mesmo os militares que ainda acreditam nele como última trincheira contra Lula parecem dispostos a engolir o centrão mandando tanto e Bolsonaro traindo todas suas bandeiras residuais de campanha.

A eventual recriação do Ministério do Trabalho só para acomodar o lateral Onyx Lorenzoni serve apenas para evitar que o aliado de primeira hora fique na chuva.

Se não tem impacto fiscal significativo, é mais um prego no caixão do discurso de austeridade e reforma do Estado que, de resto, nunca passou disso. A essa altura da crise, é quase uma multa de trânsito, de todo modo.

Em favor de Bolsonaro há o instinto comensal do centrão, que vai sempre até os últimos estertores de seu hospedeiro, Dilma Rousseff (PT) em 2016 que o diga. Se chegar inteiro a 2022, contudo, é de se questionar a viabilidade do presidente e da fidelidade das hordas ora às portas do governo.

Aí a avenida tanto espezinhada por ele, e naturalmente por um Lula cioso do antipetismo na praça, da tal terceira via poderá se alargar com um sinal verde em seu começo. E o petista, como Ciro Nogueira prova, sempre poderá contar com o centrão.

A alternativa, o arranjo dar certo e manter Bolsonaro como o rival de Lula lá para abril do ano que vem. A renovada histeria virtual dos filhos presidenciais, que criticam o PT a cada soluço, demonstra que este é o plano —até por falta de opções.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.