Descrição de chapéu Eleições 2022

Lula prevê 1º turno isolado à esquerda e aposta em aliados só no 2º

Em rodadas de conversas, partidos de centro veem presidente ansioso com salto alto do PT

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Com uma dianteira expressiva nas pesquisas eleitorais, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não conta com alianças ao centro para a disputa na qual pretende desalojar Jair Bolsonaro (sem partido) da cadeira de presidente da República em 2022.

Após uma rodada considerada bem-sucedida pelos petistas de conversas com líderes de potenciais siglas aliadas no ano que vem em Brasília, o ex-presidente saiu convencido de que apoios só virão com diversas condicionantes.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante entrevista coletiva em Brasília
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante entrevista coletiva em Brasília - Lucio Tavora - 8.out.2021/Xinhua

Isso traz alguns dilemas importantes para o PT, que já não contava com aliança com Ciro Gomes (PDT) mesmo antes da barulhenta altercação entre o ex-ministro e figuras petistas como a ex-presidente Dilma Rousseff, a presidente da sigla, Gleisi Hoffmann, e o próprio líder máximo da agremiação.

Nas contas de Lula, seu arco de alianças será reduzido e à esquerda. Nele estarão o eterno escudeiro PC do B e, a definir detalhes, o PSB e o PSOL.

No caso dos pessebistas, arestas regionais importantes se colocam, como o fato de que o partido estará com Geraldo Alckmin em São Paulo —se o hoje ex-governador tucano for candidato pelo PSD ou pela União Brasil (DEM e PSL em fusão).

O nó com o PSOL também é paulista: Guilherme Boulos quer ser o candidato do partido a governador, amparado no bom desempenho no pleito na capital em 2020, quando foi derrotado no segundo turno pelo PSDB.

Só que o PT quer o ex-prefeito paulistano Fernando Haddad, ora mais bem colocado em pesquisas, na disputa. Os petistas namoram Boulos com um acordo tácito para integrar um eventual governo Lula e, depois, voltar a disputar São Paulo em 2024. É algo incerto.

Seja como for, é um universo irrelevante eleitoralmente do ponto de vista nacional, mas com um impacto simbólico importante: Lula busca ser um candidato de união nacional, após quatro anos de radicalização inaudita sob Bolsonaro.

Está difícil, não menos porque os mais recentes levantamentos o colocam refluindo levemente do que parece ser seu teto —inferior aos 50% mais um para matar a fatura no primeiro turno.

O petista esteve com líderes do MDB em jantar ofertado pelo seu ex-ministro Eunício Oliveira, com o mandachuva do PSD, Gilberto Kassab, e com o chefe do PL, Valdemar da Costa Neto, além de deputados, senadores e governadores na semana retrasada em Brasília e São Paulo.

O cômputo geral, segundo a Folha ouviu de participantes das conversas de ambos os lados, foi o de que Lula ouviu e compreendeu as razões de todos os potenciais aliados num segundo turno.

Todos os partidos, por óbvio, buscam montar bancadas fortes para ter uma boa posição de negociação a partir de 2023.

Petistas insistem em que a conversa com Kassab, altamente antecipada no meio político, foi um sucesso porque sinalizou uma aliança no segundo turno se o adversário for Bolsonaro.

Aliados do presidente do PSD, contudo, afirmam que a reafirmação do apoio dele ao nome de Rodrigo Pacheco (DEM, de saída para o PSD-MG) à Presidência foi um balde de água fria em Lula.

No caso do MDB, observadores notaram a ausência do ex-presidente José Sarney e do senador Renan Calheiros (AL) no jantar com Lula. É fato, e Eunício hoje tem peso relativo baixo, mas o que faltou dizer é que o ex-presidente já havia sido visitado por Lula e estava com a mulher doente em casa.

Já o relator da CPI da Covid combinou de encontrar o petista com outros integrantes do comando da comissão, assim que for votado na quarta (20) o relatório final sob sua responsabilidade.

Seja como for, está colocado aí um impasse. É certo que toda a turma deverá apoiar Lula ante Bolsonaro num segundo turno. Mesmo o PL de Costa Neto, hoje na base governista, prefere o líder petista neste momento.

A questão é que o presidente enfrenta uma crise sistêmica que muitos veem como irreversível: suas ameaças autoritárias, em que pese a trégua atual com o Judiciário, a inflação, o desemprego, a crise energética à vista, o desgoverno na pandemia dos 600 mil mortos —a lista não cessa.

Isso se reflete nos 53% de rejeição aferidos pelo Datafolha em setembro e no ânimo decrescente daqueles que se dizem seus aliados no Congresso. Com efeito, no último mês o presidente da Câmara, o prócer do centrão Arthur Lira (PP-AL), dedicou-se a tentar bolar saídas para o alto preço dos combustíveis.

Ou seja, a situação de Bolsonaro é hoje frágil, e há uma bolsa de apostas sobre quem poderia ir em seu lugar enfrentar Lula num segundo turno, considerando aqui a manutenção dos mais de 45% de intenção de voto no petista recentes.

Segundo líderes de partidos centristas, do ponto de vista político algum candidato que galvanizasse o eleitorado mais conservador e não bolsonarista teria boas chances de surfar na rejeição ao lulismo, muito forte na classe média, e também na ojeriza ao presidente.

Com isso, o plano petista de ver os diversos centros, que no Brasil vão de quase a centro-esquerda até a direita pura e simples, unidos em torno de Lula contra Bolsonaro vai para o ralo.

Nas contas do PSD, uma chapa ideal para tanto seria encabeçada por Pacheco, o presidente do Senado, tendo como vice a empresária Luiza Trajano (Magalu). Ela não foi nem sondada sobre o tema, embora seja vista como ativa politicamente.

De forma alternativa, numa avaliação que é compartilhada por dirigentes do centrão, a vice de Pacheco ou de outro nome poderia ser ocupada por Eduardo Leite, o governador gaúcho que desafia o paulista João Doria pela indicação do PSDB.

Leite já negou que possa vir a ser vice de qualquer pessoa, mas esses políticos centristas acreditam que pode haver jogo com ele.

O mesmo não se diz, mesmo entre petistas, de Doria, que por outro lado pode crescer mesmo entre quem não o apoia hoje se for escolhido o candidato tucano pelo peso de sua cadeira e de sua ambição.

De todo modo, são apenas alternativas hipotéticas hoje. Para Lula, esse isolamento à esquerda prejudica um tanto sua intenção de se mostrar conciliador, por mais que na prática seus governos (2003-10) tenham sido compostos pelas mesmas figuras com as quais conversa agora.

Com tudo isso, os aliados potenciais de Lula veem o petista ansioso, ajustando a modulação em temas como a regulação da mídia, enquanto seus companheiros creem que isso é só um chamado para evitar o salto alto no PT e deixar a situação solta nos estados.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.