Descrição de chapéu São Paulo Eleições 2024

Aliados de Ricardo Nunes minimizam rebelião de líderes de PL e União Brasil

Desembarque dependeria da adesão de Bolsonaro, e interlocutores do ex-presidente rechaçam ideia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A foto de um jantar de apoio à reeleição de Ricardo Nunes (MDB) no dia 22 de abril com a presença de líderes dos principais partidos do país se tornou símbolo da força política de uma coligação com mais de dez legendas.

Menos de um mês depois, no entanto, Nunes e seus aliados trabalham para conter insatisfações em dois partidos considerados cruciais para o sucesso de sua candidatura —o PL e a União Brasil.

O prefeito Ricardo Nunes (MDB), que concorre à reeleição, durante evento em CEU em São Miguel Paulista, zona leste - Rubens Cavallari - 14.mar.24/Folhapress

Como mostrou a coluna Painel, da Folha, líderes desses partidos chegaram a discutir lançar outro candidato e abandonar Nunes, a quem atribuem soberba, "salto alto" e "espírito de já ganhou". O prefeito está empatado com o rival, Guilherme Boulos (PSOL), na última pesquisa Datafolha, mas melhorou seu patamar.

De acordo com quem acompanha a questão, PL e União Brasil cobram mais espaço na prefeitura, que é loteada entre os partidos que apoiam o emedebista.

O foco do descontentamento, segundo interlocutores do prefeito, é o deputado federal Antonio Carlos Rodrigues (PL-SP), que é próximo do presidente do PL, Valdemar da Costa Neto.

Nesta segunda (20), Rodrigues esteve com o presidente da Câmara Municipal, Milton Leite, principal cacique da União Brasil em São Paulo.

Reunião entre o presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (União Brasil), e o deputado Antonio Carlos Rodrigues (PL-SP), na segunda (20)
Reunião entre o presidente da Câmara Municipal, Milton Leite (União Brasil), e o deputado Antonio Carlos Rodrigues (PL-SP), na segunda (20) - Reprodução @antoniocarlosrodrigues.sp

A empreitada contra Nunes, porém, depende da adesão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), para quem as críticas a respeito do prefeito têm sido levadas.

Para contornar a situação, integrantes do MDB afirmam que conversaram com os presidentes do PL, Valdemar, e da União Brasil, Antonio Rueda, e que há a garantia de que os partidos seguem na aliança e com Nunes. Eles minimizam a rebelião, que entendem como uma jogada por mais cargos.

Da mesma forma, interlocutores de Bolsonaro, principal apoiador de Nunes, afirmam que o ex-presidente não deve alimentar o fogo amigo contra o prefeito. Nesta segunda-feira, páginas bolsonaristas passaram a desmentir notícias de que o PL não apoiaria Nunes.

Na visão de pessoas próximas a Nunes, a ameaça de desembarque só causaria preocupação se fosse capitaneada por Bolsonaro ou Valdemar, o que não seria o caso.

No entanto a aposta dos caciques rebeldes é a de que a rejeição dos militantes bolsonaristas a Nunes poderia fazer o ex-presidente mudar de lado. Uma ideia aventada é que PL e União Brasil apoiem Pablo Marçal (PRTB), coach que tem a simpatia de Bolsonaro.

Resultado de uma união mais por interesse do que afinidade, o casamento entre Nunes e Bolsonaro enfrenta a oposição da direita radical, que não enxerga no prefeito os valores defendidos pelo ex-presidente. Eles cobram que Nunes faça gestos aos bolsonaristas e o veem como um político morno, que esconde o apoio de Bolsonaro.

Recentemente a visita de Nunes ao papa Francisco —que depois veio a se encontrar também com o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra)— e a resistência do prefeito em aceitar um vice bolsonarista voltaram a inflamar os eleitores de Bolsonaro.

Nesse sentido, membros do PL veem o clima azedar em relação a Nunes, seja pelo lado dos radicais ou dos pragmáticos, que cobram influência na prefeitura.

Nunes chegou a marcar uma reunião com Rodrigues neste mês, mas ele não compareceu. Ainda assim, emedebistas afirmam que relação do prefeito com o deputado é boa e próxima.

Em abril, o prefeito teve que substituir diversos secretários que vão concorrer na eleição, e integrantes do PL e da União Brasil reclamam de não terem sido consultados a respeito das mudanças. Como mostrou a Folha, Nunes optou por soluções caseiras na maior parte das pastas.

Há ainda um ressentimento em relação ao PSDB, que comanda diversas secretarias e dispõe de cargos na prefeitura sem que tenha oficializado o apoio a Nunes. Os tucanos se dividem entre apoiar o prefeito, lançar a candidatura do apresentador José Luiz Datena (PSDB) ou apoiar Tabata Amaral (PSB).

PL e União Brasil ainda perderam o controle de subprefeituras. A do Butantã é ligada ao vereador Thammy Miranda, que migrou do PL para o PSD. E a de Itaquera é ligada à vereadora Sandra Tadeu, que saiu da União Brasil rumo ao PL.

Outra cobrança do PL e da União Brasil em relação a Nunes é que o prefeito decida quem será seu vice na chapa, posto almejado por ambas as siglas.

O PL ofereceu diversas opções, como o coronel da PM aposentado Ricardo Mello Araújo, preferido de Bolsonaro, e as vereadoras Sonaira Fernandes e Rute Costa. Na União Brasil, é Milton Leite quem almeja ser vice.

Interlocutores de Nunes, justamente para evitar as disputas internas na coligação que a escolha do vice pode gerar, afirmam que essa decisão só será tomada em julho.

Procurados pela reportagem, aliados de Bolsonaro também minimizaram a ameaça de desembarque do PL e da União Brasil. O entorno do ex-presidente afirma que ele e Valdemar seguem firmes com Nunes e que há uma tentativa de Rodrigues de ganhar projeção.

Mesmo o deputado federal Ricardo Salles (PL-SP), que era o pré-candidato favorito do bolsonarismo em São Paulo, saiu em defesa de Nunes. Salles teve que desistir de concorrer depois que Bolsonaro fechou a aliança com o prefeito.

"Fui contra apoiar Nunes, tentei ser candidato, não consegui e acatei a decisão de indicar o vice: bola pra frente. Hoje, entretanto, vejo notícias plantadas por negociantes de plantão que querem, com elas, praticamente chantagear/extorquir cargos, espaços e verbas do prefeito", escreveu Salles no X nesta terça (21).

"Não concordo e tenho certeza que JB [Jair Bolsonaro] também não. Não caiam nessa. Não vamos nos prestar a isso. Não botar inocentemente pressão só para que outros malandramente colham vantagens. Não sejamos manipulados por eles. Farol alto. Nada de varejinho...", completou.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.