Descrição de chapéu Governo Tarcísio São Paulo

Sou bolsonarista, vou continuar sendo bolsonarista, diz Tarcísio

Governador de São Paulo defende ex-presidente e diz desconhecer motivos para cerco da Polícia Federal

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Guarujá (SP)

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse neste sábado (8) em Guarujá (SP) que é bolsonarista e que não vê problema em ser de uma corrente política sob atenção da Polícia Federal —atenção essa que, segundo ele, não é compreensível.

Em evento do grupo empresarial Esfera, sentado próximo ao ministro Alexandre Silveira (Minas e Energia) e do ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União, Tarcísio foi provocado pelo jornalista William Waack, que mediava a conversa, a dizer se era bolsonarista.

Sentado diante de um fundo preto, Tarcísio, um homem branco, cabelos grisalhos, vestido de terno cinza e gravata. Ele tem semblante sério e olha para o lado
O governador de São Paulo, Tarcisio de Freitas, durante cerimônia no Palácio dos Bandeirantes - Danilo Verpa - 06.mai.2024/Folhapress

A pergunta fazia referência a um editorial publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo neste sábado.

"A primeira pergunta que a gente tem que saber é o que é ser bolsonarista. Eu sou bolsonarista, vou continuar sendo bolsonarista. Isso significa que eu sou conservador, sou liberal e acredito em um Brasil que vai ter economia de mercado", afirmou.

Questionado sobre as investigações da PF em torno de Bolsonaro e seus aliados por causa de declarações e ações golpistas, Tarcísio minimiza: "Não vejo porque a gente está na atenção da Polícia Federal, porque essa corrente está na atenção da Polícia Federal".

Bolsonaro é um dos alvos de investigação em curso pela PF sobre uma trama golpista desencadeada em 2022 para evitar a posse de Lula (PT) na chefia do Executivo. Essa investigação tem como uma de suas bases mensagens e delação do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro na Presidência da República.

Outros elementos ainda em fase de investigação são a reunião de teor golpista na qual, em julho de 2022, o então presidente sugere formas para atacar o sistema eleitoral e, já após a eleição, o papel dele na elaboração de uma suposta minuta de decreto na qual seria fundamentado o golpe de Estado.

Fora esses pontos que vieram à tona em recente operação da PF, Bolsonaro coleciona uma série de evidências anteriores de tom golpista.

No evento deste sábado, Tarcísio citou também temas que estão na pauta do governo Lula, como transição energética, e que cabem à gestão federal, como o Sistema Único de Saúde.

"[Vamos continuar acreditando em] Um Brasil que vai aproveitar seu potencial, vai fazer a transição energética. Vamos continuar acreditando no SUS, no SUS universal, vamos continuar acreditando na educação gratuita de qualidade."

O mediador voltou a provocá-lo e citou a necessidade de Tarcísio conquistar um eleitorado de centro enquanto faz parte de uma corrente política "na atenção das autoridades, sobretudo a Polícia Federal". Tarcísio disse não ver problema.

O governador de São Paulo ainda defendeu seu padrinho político, ao dizer que, durante o governo Bolsonaro houve o enfrentamento de uma pandemia e "entregou o Brasil crescendo, gerando emprego, com déficit em queda, e que teve, pela primeira vez a redução de impostos administrativos desde a Constituição de 1988."

Ao longo da pandemia da Covid-19, Bolsonaro promoveu aglomerações, desrespeitou medidas sanitárias, divulgou e adquiriu medicamentos sem eficácia contra a Covid e propagou afirmações falsas sobre as vacinas.

Bolsonaro questionou políticas de distanciamento social e elegeu governadores, prefeitos e o STF (Supremo Tribunal Federal) como inimigos. Bolsonaro usou ainda palavras como "histeria" e "fantasia" para classificar a reação da população e da mídia à doença.

Enquanto ministro da Infraestrutura de Bolsonaro, Tarcísio endossou a postura negacionista do então presidente. O agora governador estava ao lado de Bolsonaro na live em que o ex-presidente ri ao comentar um suposto aumento de suicídios na pandemia.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.