Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/10/2010 - 18h17

Derrotada, Heloísa Helena fala em 'conluio da esquerda e direita'

Publicidade

SÍLVIA FREIRE
ENVIADA ESPECIAL A MACEIÓ (AL)

A ex-senadora Heloísa Helena (PSOL) disse que está lambendo as feridas e que foi feito "um conluio de esquerda e de direita" --na esferas federal e estadual-- para derrotá-la politicamente.

Ela perdeu a eleição para o Senado em Alagoas, onde enfrentou uma campanha com fortes ataques de seus adversários.

"O PSDB agiu articulado com o governo Lula para me derrotar", disse à Folha.

Veja mapa com todos os resultados das eleições
Veja a cobertura completa sobre as eleições
Acompanhe a Folha Poder no Twitter
Conheça nossa página no Facebook

"Agora é época de lamber as feridas e orgulhosamente ver as cicatrizes que tenho porque é o sinal mais claro que não me rendi."

Durante a campanha, os rivais disseram que ela não trabalhou pelo Estado quando foi senadora e que não mostrava o candidato à Presidência de seu partido. Também propagavam que a ex-senadora criticava Lula.

O presidente gravou mensagens de apoio para dois de seus principais oponentes, que acabaram eleitos: Renan Calheiros (PMDB) e Benedito de Lira (PP).

Hoje pela manhã, Heloísa participou de sessão na Câmara Municipal de Maceió, onde é vereadora. Ela disse que não irá orientar seus eleitores --ela teve 417 mil votos (16,6%)-- em relação ao segundo turno da eleição no Estado.

"Tenho convicção de que os votos que recebi são de mulheres e homens livres, que votaram em mim mesmo enfrentando toda a canalha política do Estado de Alagoas e o conluio da direita e da esquerda, federal e estadual. Jamais teria a pretensão de orientá-los", disse.

Falou ainda que desde o início da disputa soube que seria uma campanha difícil e que não houve erros na trajetória.

"Alguém pode caracterizar como erro eu não ter feito acordo com a bandidagem política de Alagoas e de Brasília. Tenho a obrigação moral e ideológica."

Ela completou: "Se alguém queria que eu fosse para a TV choramingar o que fiz no Senado, tire o cavalo da chuva porque ele morre de pneumonia".

"Vim para este mundo não para se arrastada pelos cabelos para a senzala da canalha política. Vim para arrombar as portas da senzala. Sempre", afirmou a vereadora.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página