Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/12/2010 - 09h40

EUA impõem sanção a brasileiro acusado de integrar Hizbollah

Publicidade

ÁLVARO FAGUNDES
DE NOVA YORK

O governo dos Estados Unidos impôs sanção ao brasileiro Bilal Mohsen Wehbe, acusado de integrar o grupo Hizbollah, que é considerado terrorista por Washington.

Na prática, a sanção imposta ao brasileiro de origem libanesa é que ele fica impedido de utilizar os sistemas financeiro e comercial dos Estados Unidos. Ou seja, ele não pode, por exemplo, enviar dinheiro por meio de um banco americano.

EUA afirmam que Rio teme ser alvo de terrorismo em 2016
Itamaraty nega temor de terrorismo no Brasil

Segundo o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos, Wehbe, que mora em Foz do Iguaçu (Paraná), é o representante-chefe do Hizbollah na América do Sul, transmitindo informações e ordens do grupo no Líbano para seus membros na região.

"Ele tem ainda supervisionado a atividade de contrainteligência do Hizbollah na região da tríplice fronteira, entre Argentina, Brasil e Paraguai", diz o comunicado oficial do governo norte-americano, que afirma que Wehbe conseguiu levantar no fim de 2006 (época de conflito do grupo com Israel) mais de US$ 500 mil com empresários da região para serem enviados ao movimento no Líbano.

Além disso, os EUA afirmam que o brasileiro trabalhou no escritório do líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei.

A região da tríplice fronteira é acompanhada com atenção pelo governo americano, que considera que o local é uma fonte de financiamento do terrorismo.

Reportagem da Folha de domingo mostrou que o governo Lula vem monitorando nos últimos três anos um grupo de brasileiros que é suspeito de receber instruções e dinheiro de organizações islâmicas, entre elas, o Hizbollah, para desenvolver atividades ou núcleos terroristas no país.

O monitoramento teve início após o governo receber documento da CIA, a agência de inteligência do governo dos Estados Unidos.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página