Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
31/12/2010 - 11h35

Ministro italiano da Defesa diz que 'se realizou a pior previsão' sobre caso Battisti

Publicidade

DA ANSA

O ministro italiano da Defesa, Ignazio La Russa, disse nesta sexta-feira (31) que "se realizou a pior previsão ", comentando a decisão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de negar a extradição do ex-militante italiano Cesare Battisti.

A Itália "não deixará de tentar no plano jurídico e sobre qualquer outro aspecto permitido por lei, para que o Brasil volte atrás nesta decisão, por sorte não definitiva, que, além de ser injusta e gravemente ofensiva para a Itália, é sobretudo para a memória das pessoas assassinadas e para a dor dos familiares de todos aqueles que perderam a vida por responsabilidade do assassino Battisti", afirmou o ministro.

Veja a cronologia do caso Cesare Battisti
Lula nega extradição de Battisti e governo critica Itália
Leia íntegra da nota da Presidência sobre concessão de refúgio
Amorim diz que decisão de não extraditar foi 'soberana'
Defesa da Itália afirma que Lula cometeu crime de responsabilidade ao manter Battisti
Governo afirma que Battisti vai ficar no Brasil como imigrante
Decisão do caso Battisti deve passar pelo Supremo

O ministro Celso Amorim (Relações Exteriores) informou hoje a decisão de Lula de não extraditar o italiano, condenado à prisão perpétua em seu país por quatro assassinatos cometidos na década de 70, quando pertencia ao grupo de extrema-esquerda PAC (Proletários Armados pelo Comunismo).

Battisti nega e diz que, na Itália, é vítima de perseguição política.

Ele foi preso no Brasil em 2007 e, no mesmo ano, a Itália entrou com pedido de extradição.

Ontem, o líder da Liga Norte e aliado do premiê Berlusconi, Umberto Bossi, disse que a decisão sobre o caso de Battisti poderia trazer "consequências para a Itália e para o Brasil".

Editoria de Arte/Folhapress
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página