Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Acompanhe a sãopaulo no Twitter
09/06/2010 - 22h04

É dinheiro de verdade, mas não é real

Publicidade

OCIMARA BALMANT
DE SÃO PAULO

No açougue do Silvestre, no Jardim Maria Sampaio (zona sul), há um cartaz inusitado pendurado bem no meio dos que anunciam os preços da alcatra e do coxão-mole. Em maiúsculas: "Aceita-se sampaio". No outro extremo da cidade, no Jardim Filhos da Terra (zona norte), Elaine Natalina da Silva, 36, compra um refrigerante e duas roscas recheadas com presunto e queijo para o café da tarde. Tudo fica em R$ 7,40. Mas ela não paga em real. Aliás, nem carrega a moeda oficial na carteira. "Aqui no bairro, eu só uso o apuanã."

Newton Santos/Folhapress
Na caixa registradora do açougue do Silvestre, na zona sul, sampaio e real têm a mesma cotação
Na caixa registradora do açougue do Silvestre, na zona sul, sampaio e real têm a mesma cotação

Não se trata de um tipo de vale, nem de dinheiro de brincadeira. Apuanã e sampaio são duas das cinco moedas sociais que circulam em São Paulo. Além delas, há também o vista linda, o freire e o moradias em ação. As cédulas são oficiais, numeradas e com marcas de segurança que impedem a falsificação. A cotação em relação ao real é de um para um e as moedas chegam à população por meio de bancos comunitários criados por moradores com a ajuda de organizações não governamentais.

Novidade em São Paulo --foram implantadas no fim do ano passado-, as moedas sociais circulam no Brasil desde o ano 2000, quando o Banco Palmas criou uma moeda na periferia de Fortaleza. Em pouco mais de uma década, a estratégia baseada no princípio da economia solidária se alastrou. Segundo a Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho, existem hoje 51 "cédulas alternativas" no país, com nomes como sabiá, terra, tupi e maracanã.

O funcionamento é simples: em vez de pagar em reais, o consumidor usa o dinheiro em circulação no seu bairro, o que movimenta a economia local. "Como a moeda não é aceita em outra comunidade, o morador consome onde mora. Assim, o comércio vende mais, contrata mais gente, e a região progride", resume Hilda Pires, gerente do Banco Apuanã.

É essa a explicação que ela repete a cada vez que tenta convencer os comerciantes a participarem do projeto. Em cinco meses, conseguiu 18 adeptos, de loja de ração a boteco.

"Se quiser tomar uma com limão, a gente aceita apuanã", brinca Edvalda Alves de Oliveira, dona do Bar da Valda, que depois troca os apuanas por real no banco comunitario. Para ampliar a lista de estabelecimentos conveniados, no entanto, é preciso pressão da população.

"Quando todos quiserem comprar com moeda social, o comerciante que não aceitar vai perder a venda", diz Hilda.

Para a estreia do apuanã em novembro do ano passado, a associação de moradores promoveu uma feira solidária em que não se aceitava real. Para adquirir qualquer produto artesanal, era preciso "fazer o câmbio". Conhecido o visual do novo dinheiro, a adesão tem sido incentivada por meio dos empréstimos sociais. As transações, que chegam a 200 moedas, são feitas a juro zero.

Foi assim que Elaine começou a usar o apuanã. Há um mês, obteve 200 deles no banco comunitário, a serem pagos em três vezes. Conseguiu o empréstimo depois que o analista de crédito do banco checou com vizinhos se ela é boa pagadora, o chamado "aval solidário". "É simples. Se a gente sabe que o caminhão da loja de móveis já veio buscar o sofá por falta de pagamento, não empresta", brinca Hilda. Por ali, já foram realizados dez empréstimos e não há registro de inadimplência.

O banco União Sampaio, na zona sul, contabiliza 38 empréstimos. Esther de Almeida Vieira, 50, foi uma das primeiras clientes. Em janeiro, ela queria aproveitar o verão para vender sorvetes na varanda da casa, que fica no caminho para a escola do bairro, mas não tinha dinheiro para investir. Fez um empréstimo de 300 sampaios no banco comunitário e usou para as compras corriqueiras: açougue, padaria, farmácia e supermercado. Com o real que economizou, comprou sorvetes em um atacado e revendeu. "Consegui transformar R$ 300 em R$ 700 e troquei boa parte do que ganhei por sampaio para fazer com que o dinheiro renda ainda mais", contabiliza a autônoma.

Esse lucro adicional fica por conta de um "plus" que ajuda a atrair a comunidade. Boa parte dos 25 comerciantes que aceitam o sampaio oferecem desconto para quem paga em moeda social. "A lógica é simples: se vendo mais barato, vendo mais. Bom para mim, bom para o cliente", diz Marcos Morais, dono da loja de materiais de construção, que cobra 5% a menos e faz o sampaio mais forte que o real.

Curiosidades

- O Banco Palmas deu origem ao Instituto Palmas, que é responsável pela abertura da maioria dos bancos comunitários existentes no país, entre eles, os de São Paulo

- As moedas sociais também existem em outros países. Na Argentina, chegaram a atingir quase 1 milhão de pessoas, após a crise econômica de 2001

- Ainda não regulamentadas, as moedas sociais são reconhecidas pelo Banco Central

- O Ceará é o Estado que mais concentra as moedas sociais. Em municípios pequenos, elas valem na cidade toda. É o caso do acaraú, em Tamboril, e do paz, em Paramoti

Como criar um banco

Sem detector de metais ou seguranças armados, os bancos comunitários são bem diferentes dos convencionais. Os de São Paulo funcionam em pequenos cômodos e contam com três funcionários: o gerente, o caixa e o analista de crédito. Todos moradores da área e treinados pelo Instituto Palmas que, junto com a Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da USP e a Secretaria Nacional de Economia Solidária, implantou as unidades.

Para criar um banco comunitário, é imprescindível que a associação de moradores seja forte. "Se for fraca, não consegue convencer as pessoas de que aquele dinheiro novo vale tanto quanto o real", diz Juliana Braz, do Núcleo de Economia Solidária da USP. É preciso, também, ter crédito para cobrir os gastos com a emissão da moeda, pagar os funcionários e realizar os primeiros empréstimos. Cada moeda social emitida precisa de um correspondente em real.

O banco comunitário realiza empréstimo de consumo, sem cobrança de juros, e produtivo, com taxas abaixo do mercado, para quem quer empreender.

Bancos comunitários em São Paulo

1. Apuanã Jardim Filhos da Terra (zona norte). O nome da moeda é o mesmo do condomínio onde o banco está situado

2. Paulo Freire Inácio Monteiro (zona leste). Nome da associação de moradores do bairro

3. Moradia em Ação Jardim São Luiz (zona sul). Ligado à história da luta pela moradia dos habitantes da região

4. Sampaio Jardim Maria Sampaio (zona sul). É o nome do bairro

5. Vista Linda Jardim Donária (zona oeste). Nome do condomínio onde o banco está situado

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página