Descrição de chapéu Guia do MBA

MBA em big data atrai profissionais de todas as áreas

Instituições não exigem conhecimento prévio e oferecem análise de problemas empresariais

Renan Marra
São Paulo

Profissionais de diferentes áreas investem em MBAs relacionados à tecnologia para ampliar sua área de conhecimento e se destacar no mercado de trabalho.

O universo dos cursos mais buscados hoje inclui coleta e análise de dados, programação de softwares que leem algoritmos para a tomada de decisões estratégicas e inovação tecnológica para a criação de novos modelos de negócio.

O administrador Franz Rodrigues na FIA, em São Paulo
O administrador Franz Rodrigues na FIA, em São Paulo - Lucas Seixas/Folhapress

A maioria das instituições de ensino não exige conhecimento em programação, mas a desenvoltura dos alunos que têm noções sobre o assunto será melhor.

Cursos de big data são os mais procurados. Os estudantes têm noções de como ler e executar códigos que usam modelos matemáticos para propor soluções de problemas. Através de técnicas analíticas, os alunos podem gerar gráficos ou mapas que dão suporte ao objeto de estudo.

A base das informações analisadas é captada em bancos de dados de empresas ou governos. Informações obtidas por registro de drones, sensores e câmeras também podem subsidiar a análise.

Uma empresa de varejo, por exemplo, consegue saber por quanto tempo uma pessoa navegou no site, onde clicou, se saiu do portal etc.

“Isso permite analisar com precisão a jornada do cliente: onde ele se deteve mais, por quais produtos e promoções se sentiu mais atraído e onde enroscou ou abandonou o carrinho de compras”, diz José Kugler, coordenador do MBA executivo em business analytics e big data da FGV (Fundação Getulio Vargas).

Desenvolvido em 2015 principalmente para atender gestores, o curso vem atraindo profissionais das áreas de tecnologia da informação, engenharia, economia e também de humanas e biológicas.

Na FIA (Fundação Instituto de Administração) cursos de big data também atraem alunos de diferentes setores, inclusive profissionais da área de saúde. “Com base na entonação da voz, um dos projetos usa algoritmos identificar padrões e calcular a probabilidade de depressão”, diz Alessandra Montini, coordenadora do curso introdução ao big data e a inteligência artificial da instituição.

Depois de ter feito o MBA analytics em big data, da FIA, o administrador Franz Rodrigues aperfeiçoou a programação de softwares no banco em que trabalhava.

Com o cruzamento e a análise de dados dos dias e horários em que o correntista ligava e passava mais tempo na linha conversando com os atendentes, ele identificou o melhor momento para contatar clientes e oferecer produtos ou soluções de problemas.

Com a mesma programação, Rodrigues diz que auxiliou os departamentos de RH e jurídico listando funcionários que estatisticamente tinham maior probabilidade de mover processos trabalhistas.

“Em dois anos a empresa reduziu as perdas com ações trabalhistas pela metade”, diz Rodrigues. “Com esse tipo de dado, empresas podem também adotar controles para reduzir a jornada extra.”

A base de dados é usada também para criar programas que usam IA (inteligência artificial). Mas o foco desses cursos é o desenvolvimento de algoritmos e aplicações inteligentes, e não a extração e análise dos dados. A IA identifica padrões para tomar decisões sem interferência humana.

Na Fiap (Faculdade de Informática e Administração Paulista), o MBA artificial intelligence & machine learning foi organizado para criar e aperfeiçoar negócios e produtos. 

“Imagine um elevador. Com o uso da inteligência artificial, o programa pode gerar economia. Sem interferência humana, o algoritmo determina o desligamento em determinados horários de acordo com a movimentação dos moradores”, ilustra Guilherme Pereira, diretor de MBA da Fiap.

Ao mesmo tempo em que há disseminação das moedas virtuais, cresce na Fiap a procura pelo curso de blockchain, tecnologia de descentralização de dados para aumentar a segurança.

É uma espécie de “livro contábil virtual”, com registros de transações espalhadas em vários computadores. O sistema é formado por uma cadeia de blocos cujos dados são criptografados. “É como se fosse um cartório virtual”, diz Pereira.

Nesse caso, o curso exige conhecimento intermediário ou avançado em lógica de programação.

Onde estudar

MBA Executivo em Business Analytics e Big Data (FGV)
Ensina o aluno a analisar problemas empresariais e utilizar técnicas analíticas avançadas
Público-alvo profissionais de diversas áreas que atuam na área de análise de dados e modelos preditivos
Duração 432 horas; de 15 a 20 meses
Local avenida Paulista, avenida Faria Lima e Berrini (São Paulo)
Preço R$ 39.904 à vista ou 25 parcelas de R$ 1.793

MBA Artificial Intelligence & Machine Learning (FIAP)
Ensina o aluno a desenvolver novos produtos, serviços e soluções inteligentes baseadas em cognição e inteligência artificial
Público-alvo profissionais de tecnologia da informação que desejam desenvolver ou expandir as habilidades
Duração 360 horas; 12 meses
Local unidades Alphaville (Grande São Paulo), avenida Paulista e Vila Olímpia (São Paulo) 
Preço R$ 29.425 à vista ou 24 parcelas de R$ 1.495

MBA Blockchain – Development & Technologies (FIAP)
Ensina o aluno a desenvolver contratos inteligentes e aplicações descentralizadas
Público-alvo profissionais de tecnologia da informação que desejam atualizar ou expandir os conhecimentos com blockchain
Duração 360 horas; 12 meses
Local unidade Vila Olímpia (São Paulo) 
Preço R$ 29.425 à vista ou 24 parcelas de R$ 1.495

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.