Crise aumenta procura por profissional especialista em cortar gastos

Profissões ligadas às áreas da saúde e tecnologia também são mais buscadas

São Paulo

A pandemia já provocou muitas mudanças no mercado de trabalho, mas ainda deve causar transformações profundas a longo prazo.

Em primeiro lugar, a crise sanitária gerou uma demanda por profissionais ligados à área da saúde —da indústria de equipamentos hospitalares ao varejo farmacêutico—, segundo consultorias de RH.

A quarentena, que obrigou empresas a colocarem suas equipes em home office, também fez com que aumentasse a procura por carreiras relacionadas ao mundo virtual, como desenvolvedores de ecommerce e especialistas em marketing digital, campos que devem seguir em alta no futuro.

Por outro lado, surgem novas necessidades, associadas à crise econômica à vista: os especialistas em reestruturação financeira e operações de fusões e aquisições —quando companhias aproveitam a recessão para adquirir outros negócios a preços baixos.

Segundo Luiz Valente, presidente da Talenses Group, os postos mais buscados no setor da saúde até agora foram gerentes de análise laboratorial e médicos do trabalho.

Homem com blusa preta sentado em mesa, olhando para o lado
Gabriel Mendes, gerente de planejamento financeiro, na sua casa em São Paulo - Lucas Seixas/Folhapress

Na área do digital, Valente aponta que as demandas recebidas têm sido principalmente por desenvolvedores de front-end e back-end (que trabalham com a interface ou o suporte de sistemas), desenvolvedores full stack (capazes de criar projetos completos) e engenheiros de software.

Outra carreira em alta ligada à tecnologia é a de cientista de dados. "Como se diz no mercado, minerar o dado é uma das grandes riquezas para as empresas hoje. Sejam dados relacionados ao cartão de crédito do consumidor ou à performance de um equipamento, por exemplo", diz Valente.

Para Maira Campos, da consultoria de RH Page Interim, se destacam agora profissionais de perfil analítico.

Vivian Junqueira, 30, atua como analista de inteligência de mercado em empresas do setor da saúde. Ela explica que sua função é estudar cenários e coletar dados, interpretando-os de modo a trazer ideias para a empresa.

"Antes você tinha uma área de análise de inteligência de mercado que atendia a companhia inteira, mas hoje o profissional trabalha especializado em setores: no marketing, no digital etc.", diz ela.

Diante do enorme volume de informação disponível atualmente, o mercado tem exigido desse tipo de profissional habilidades para trabalhar com big data e ferramentas de visualização e programação, como R e Python.

"Hoje e no futuro vemos a demanda em alta nesse campo porque as empresas estão sendo obrigadas a migrar para o digital", afirma Mônica Ramos, da consultoria LHH.

Já na área financeira as companhias têm buscado principalmente gerentes de custos e de controladoria.

Para os próximos 6 a 18 meses a procura deve crescer por profissionais de planejamento financeiro e tesouraria.

"É o momento das empresas otimizarem ao máximo sua estrutura de custos", afirma o presidente da Talenses.

Maira Campos faz análise semelhante, destacando dentro do segmento financeiro o de seguros, que tem crescido.

"O gerente de planejamento financeiro é o coração da empresa. Principalmente durante a pandemia, você precisa construir o fluxo de caixa, rever os acordos com os fornecedores, estabelecer novas metas, e tudo em alta velocidade", diz Gabriel Mendes, 31, profissional da área, que trabalha no setor de eventos.

Ele destaca que não é uma carreira que se limita a números: a posição exige tanto essa habilidade quanto a capacidade de integrá-los com a visão de futuro.

Quem vai para essa área precisa estar preparado para se relacionar com todos os setores de uma empresa, fazendo a ponte com a diretoria e o conselho administrativo.

Outra tendência são as posições que atuam em logística, na esteira da expansão das compras online. A migração para comércio virtual também deve resultar em mais vagas para atendimento ao cliente.

"Vemos alta nas contratações em todas as posições que se referem a fazer o online funcionar, até a entrega do produto", diz Ramos, da LHH.

Áreas de atuação que estão em alta

CIENTISTA DE DADOS
O que faz Atua com estudos e análises econômicas e financeiras a partir de grande volume de dados
Salário R$ 7.000 a R$ 9.000 (júnior) e acima de R$ 13 mil (sênior)

DESENVOLVEDOR WEB
O que faz Cria e faz a manutenção de páginas para internet
Salário A partir de R$ 6.500

ANALISTA DE LOGÍSTICA
O que faz É responsável pelos processos de entrada e saída de mercadorias em um galpão ou centro logístico
Salário De R$ 3.000 a R$ 5.000 (júnior) e R$ 9.000 a R$ 12 mil (sênior)

ANALISTA DE CUSTOMER SERVICE
O que faz Acompanha todos os canais de atendimento ao cliente da empresa, buscando a solução de problemas
Salário De R$ 3.000 a R$ 4.500

ESPECIALISTA EM MARKETING DIGITAL
O que faz Gerencia o conteúdo e campanhas da marca e nos meios digitais, e produz conteúdo para redes sociais e sites da empresa
Salário R$ 3.000 (júnior) a R$ 11 mil (sênior)

ANALISTA DE COBRANÇA
O que faz Responsável por recebimentos, atendimento a clientes, construção de indicadores para acompanhamento da carteira de cobrança, controle de inadimplência e renegociação
Salário De R$ 3.000 a R$ 6.000

ANALISTA CONTÁBIL E COORDENADOR DE CONTROLADORIA
O que faz Realiza conciliações e relatórios, faz atendimento à auditoria externa e revisão das demonstrações financeiras anuais
Salário De R$ 5.000 a R$ 7.000 (analista) e R$ 8.000 (coordenador)

ANALISTA DE FATURAMENTO
O que faz Valida todo o fluxo de notas fiscais, audita a precisão das informações de faturamento e monitora a operação, configura contratos para faturamento e cobrança
Salário De R$ 2.000 (júnior) a R$ 6.000 (sênior)

GERENTE DE PROJETO
O que faz Faz prospecção de novos negócios, e desenvolve avaliações econômico-financeiras, para fusões e aquisições de empresas
Salário De R$ 18 mil a R$ 22 mil

TÉCNICO DE ENFERMAGEM
O que faz Presta assistência direta ao paciente, administrando medicações e curativos, aferindo a pressão e temperatura e coletando material para exames, entre outras funções
Salário De R$ 2.500 a R$ 3.500

GERENTE DE ANÁLISE LABORATORIAL
O que faz Cuida dos testes e resultados de pesquisas, emite laudos e faz a interface com as áreas de desenvolvimento
Salário De R$ 9.000 a R$ 15 mil

Fontes: PageInterim e Talenses Group​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.