Descrição de chapéu Grande São Paulo

Centro histórico de Santana de Parnaíba preserva casas coloniais tombadas

Edificações ajudam a contar a história do povoado que nasceu como pouso de bandeirantes

Flávia G. Pinho
São Paulo

Passear pelas ruas de Santana de Parnaíba é como voltar no tempo. Tombado desde 1982, o centro histórico reúne 209 edificações coloniais, um dos mais importantes conjuntos arquitetônicos do estado.

Casas de taipa de pilão e pau a pique, boa parte construídas no século 19, e outras edificações ainda mais antigas, como a residência bandeirista, do século 17, e o sobrado que abriga o Museu Casa do Anhanguera, do século seguinte, ajudam a contar a história do povoado que nasceu como pouso de bandeirantes. 

O primeiro a se instalar na região foi o português Manuel Fernandes Ramos, integrante de uma expedição realizada em 1561 por Mem de Sá, governador-geral do Brasil. 

A comitiva, mostram os registros históricos, descia acompanhando o traçado do rio Tietê em busca de ouro e metais preciosos. 

Ramos decidiu ficar. Instalou-se em um local encachoeirado, que os índios chamavam de parnaíba (lugar de muitas ilhas), e ali estabeleceu uma fazenda e uma capela.

Ao redor da igrejinha, inicialmente dedicada a Santo Antônio e, anos depois, a Sant’Ana, formou-se o povoado, elevado à categoria de vila em 14 de novembro de 1625. 

Para preservar edificações importantes, como o Museu Anhanguera e o Casarão Monsenhor Paulo Florêncio da Silveira Camargo, ambos no largo da Matriz, o governo municipal investiu cerca de R$ 1 milhão nos últimos cinco anos. 

Parte da mão de obra vem do Projeto Oficina Escola de Artes e Ofícios, fundado em 1999, que capacita adolescentes em construção civil com especialização em restauro. 

Mas não é só de história que se faz o turismo em Santana de Parnaíba. Diversas festas populares tradicionais, principalmente de cunho religioso, ajudam a atrair turistas. 

O Drama da Paixão, na Semana Santa, recebe aproximadamente 35 mil pessoas e é considerado o segundo maior do país, diz a secretária de Cultura e Turismo, Fátima Aparecida Muro. 

Em junho, a cidade recebe o Encontro de Antigomobilismo, que costuma reunir 15 mil pessoas, e em dezembro, o Natal de Luz recebe 100 mil visitantes.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.