Onda dos compactos chega ao Jardim Paulista em versão de alto padrão e preço

Imóveis de um dormitório dominam oferta no bairro, onde metro quadrado custa R$ 22,4 mil

São Paulo

Um retângulo de aproximadamente três km², emoldurado pelas avenidas Rebouças, Paulista, Brigadeiro Luís Antônio e pela rua Estados Unidos, compõe um dos bairros mais desejados de São Paulo.

O Jardim Paulista ganhou dez empreendimentos entre fevereiro de 2018 e janeiro de 2020, que totalizam 814 unidades residenciais, segundo dados da Embraesp.

O distrito homônimo, onde fica o bairro, foi líder de lançamentos na zona oeste em 2019, com 1547 novas unidades ofertadas entre janeiro e novembro. Ficou atrás apenas de Perdizes, com 1266, e Itaim Bibi, com 1129, em ranking elaborado pelo Secovi-SP (sindicato de habitação).

A nova leva de empreendimentos mantém o preço alto característico desse enclave de luxo da cidade: R$ 22,4 mil o m² em média. Na cidade de São Paulo, o preço médio do metro quadrado fica em R$ 9.033, segundo o Fipezap.

A mudança veio no perfil dos empreendimentos. A maioria, 58%, têm apenas um dormitório. Trata-se de uma novidade em um bairro que, desde os primeiros loteamentos, no início do século 20, se caracterizou pelos imóveis de luxo com metragem generosa.

Localizado na rua Batataes, o You Jardim Paulista exemplifica esse novo momento do bairro. Das 82 unidades já entregues, apenas quatro têm um dormitório, em 55 m² – todas as demais são estúdios, com 27 ou 31 m².

Inteiramente vendido, o empreendimento atraiu fatias específicas de público, segundo o diretor comercial da You Incorporadora, Rafael Mentor.

“Como são unidades fáceis de alugar, muitos investidores se interessaram, além de pessoas de outras cidades paulistas que precisavam de um ponto fixo na capital, para o filho estudar ou para passar alguns dias do mês, a negócios.”

Conheça os bairros campeões de vendas em cada região de SP

  1. Construtoras miram jovens nascidos em Santana com imóveis menores e perto do metrô

A infraestrutura de serviços e lazer compartilhados, com lavanderia, churrasqueira, salão de festas e academia, foi pensada para compensar as plantas enxutas.

“O Jardim Paulista é para quem gosta de vida noturna, bons restaurantes e comércio perto. Custa caro, mas há um público sempre disposto a pagar por isso”, afirma Mentor.

Nem só de pequenas unidades, porém, se faz o crescimento do bairro. Em agosto de 2021, a Helbor entrega o Facces Jardins, erguido em um terreno da alameda Lorena, uma das mais nobres do bairro.

Segundo Marcelo Bonanata, diretor de vendas da incorporadora, o empreendimento destina-se ao público do mais alto padrão. Serão apenas 18 unidades de 263 m² cada, uma por andar, e uma cobertura dúplex de 520 m². O preço do metro quadrado chega a R$ 33 mil.

“Por ser de altíssimo padrão, ainda é importante prever uma garagem generosa. Serão quatro vagas por apartamento. Mas não preciso oferecer 50 itens de lazer. Basta uma bela piscina coberta, uma academia bem equipada e um espaço gourmet”, diz Bonanata.

Se depender da Helbor, o Jardim Paulista continuará em alta nos próximos anos. A incorporadora tem mais dois terrenos nos arredores, cujos projetos já estão em desenvolvimento.

“Vejo o bairro como plural, que aceita todo tipo de empreendimento, desde os amplos até os mais compactos. Pena que haja tão poucos terrenos disponíveis hoje”, afirma Bonanata.

É justamente em função da escassez de áreas livres que o diretor da You faz uma aposta: para ele, bairros que fazem limite com o Jardim Paulista têm tudo para absorver parte da demanda.

Como exemplo, ele cita o Core Pinheiros, lançado pela You em 2019, com 280 unidades entre estúdios e apartamentos de um, dois e três dormitórios.

Localizado na rua Artur de Azevedo, a uma quadra da avenida Rebouças, o empreendimento já foi quase inteiramente vendido.

“Como há mais gente querendo viver no Jardim Paulista do que oportunidades para construir, acredito que os bairros lindeiros serão a solução. Basta atravessar a Rebouças para o preço do metro quadrado cair de R$ 22 mil para R$ 17 mil.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.