Liberdade concentra metade dos novos prédios da região central de São Paulo

Reduto oriental, bairro vira destino de estudantes e jovens que trabalham no centro

São Paulo

Morar perto do trabalho é a máxima que tem levado estudantes e jovens que trabalham nos bairros do centro para a Liberdade, bairro que entrou no foco das incorporadoras.

O distrito, que inclui uma boa fatia da Aclimação, é o líder de lançamentos em número de unidades no centro da cidade: 1.260 novos apartamentos foram postos no mercado entre janeiro e novembro do ano passado, metade do total da região no período, segundo o Secovi-SP.

Além de estar entre os 20 bairros paulistanos com maior Índice de Desenvolvimento Humano (0,936 de uma escala de 0 a 1), a Liberdade apresenta uma conjunção de fatores que, segundo Paulo Petrin, da One Desenvolvimento Imobiliário, tem agradado o público jovem.

“As opções de mobilidade, que incluem estação de metrô e ciclovia, são pontos fortes do bairro, além da presença de universidades, hospitais e do Fórum João Mendes. Eles fazem circular por ali muitos estudantes, médicos, enfermeiros e advogados, que são o nosso público.”

Para fisgá-los, a One-DI lançou, em setembro de 2019, o Mobi One Liberdade, com previsão de entrega para dezembro de 2021.

Localizado na avenida Liberdade, o empreendimento terá 213 unidades, com preços a partir de R$ 265 mil. São duas opções de plantas: estúdios de 26 m² e apartamentos de 31 m², com um dormitório.

Além das 180 unidades convencionais, servidas por áreas comuns, como lounge gourmet, coworking, academia, cobertura com spa e lavanderia compartilhada, três pavimentos serão exclusivamente destinados a 33 flats, projetados para locação de curta temporada, com portaria exclusiva e sem acesso às áreas de lazer e serviços.

“Já comercializamos 60% das unidades. A Liberdade é dotada de ótima infraestrutura de transportes e serviços e tem potencial para atrair diversos públicos, principalmente para apartamentos compactos”, avalia Petrin.

Unidades maiores também têm feito sucesso no bairro. No final de 2020, a Eztec entrega o empreendimento In Design Liberdade. Das 114 unidades, 60% foram vendidas.

Apartamentos de dois dormitórios, com 65 m² ou 70 m², terão terraços com churrasqueira. Nas áreas comuns, brinquedoteca, academia, piscinas para adultos e crianças, playground, salão de festas, bicicletário e sala de jogos para adolescentes mostram que as famílias são o público-alvo.

Um concierge, funcionário que será escolhido pelo futuro condomínio, terá a incumbência de coordenar diversos prestadores de serviços, como passeadores de cães, babás e pessoas que façam compras no supermercado.

“A concentração de médicos que trabalham em hospitais próximos e de consultórios particulares nas redondezas tem levado muitos profissionais experientes para o bairro. São famílias que preferem abrir mão de alguns metros quadrados para viver perto do trabalho e morar em um edifício que ofereça serviços”, avalia Alexandre Tagawa, da Eztec.

Foi exatamente nesse público que a Tegra Incorporadora mirou ao entregar, em 2019, o empreendimento Viva Cittá Centro.

Localizado na rua do Glicério, o prédio tem apartamentos de um, dois e três dormitórios. Segundo a diretora de inteligência de mercado da Tegra, Andrea Bellinazzi, 80% dos moradores trabalham no centro.

“A localização foi o primeiro motivador de compra, seguido do preço do metro quadrado, de R$ 6.800”, afirma. A média da cidade de São Paulo fica em R$ 9.033.

Bairros ao redor do centro, emenda Bellinazzi, prometem continuar em alta nos próximos anos. “Para o mercado imobiliário, que tem a localização como ponto de partida para definir seus lançamentos, o centro tem se mostrado cada vez mais promissor.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.