Ka e EcoSport ainda são encontrados com desconto na rede Ford

Vendedores dizem que procura diminuiu, mas algumas versões esgotaram; veja dados do último modelo testado

São Paulo

Três semanas após anunciar o fechamento de suas fábricas no Brasil, a Ford vê os estoques de modelos nacionais baixarem lentamente nas concessionárias. As vendas seguem impulsionadas por grandes descontos, embora a procura tenha diminuído.

"Tínhamos oito EcoSport 1.5 Titanium modelo 2021 no estoque antes de a fábrica fechar; vendemos todos", diz o vendedor Jorge, que trabalha em uma concessionária Ford na zona norte de São Paulo.

Ele afirma que essa versão, oferecida por R$ 104 mil no site da montadora, foi negociada por R$ 95 mil.

Já a versão SE do jipinho saiu por R$ 80,9 mil na concessionária —R$ 6.000 a menos que o preço sugerido. Nenhuma novidade aí: o abatimento já era praticado desde antes do encerramento da produção nacional. Essa também foi a opção mais encontrada para venda em lojas das regiões leste, oeste e sul, com variação mínima de preço.

O EcoSport Titanium foi o último modelo nacional da Ford a passar pelo teste Folha-Mauá, há um ano. O carro surpreendeu pelo acabamento e veio com pneus runflat, capazes de rodar por algum tempo mesmo furados. Mas o desempenho e o consumo de combustível decepcionaram, sobretudo no uso urbano.

Popular entre os motoristas de aplicativo, o Ford Ka 1.0 2020/2021 está sendo vendido por R$ 49,9 mil, outro valor praticado desde antes do fim da produção. No site da marca, é oferecido por R$ 51.990.

Entre os dez carros mais vendidos no Brasil em 2020, o Ka foi o que mais depreciou. O dado foi levantado pela KBB Brasil, especializada em pesquisa de preços de veículos novos e usados. Segundo a empresa, um zero-quilômetro comprado em janeiro de 2020 havia perdido 13,51% de seu valor em dezembro.

Ou seja, a depreciação ocorria mesmo antes de a produção ser encerrada, e uma das explicações para isso está nas vendas diretas para locadoras.

Luca Cafici, diretor-executivo da InstaCarro, startup que liga consumidores e lojistas, lembra que as empresas de locação venderam grande parte de suas frotas no início da pandemia. Foram os carros devolvidos pelos motoristas de aplicativo que não puderam mais arcar com o aluguel.

Por terem sido comprados com desconto e revendidos em lotes para lojistas, esses veículos, entre eles o Ka, chegaram ao mercado com preços mais baixos.

Mas o jogo virou. "O comércio de carros está vivendo um cenário muito particular. As locadoras, que movimentam muito o setor, reduziram as frotas e estão com poucos carros", diz Cafici.

Ele afirma ainda que a falta de peças e as restrições nas fábricas têm feito frotistas esperarem mais tempo para receber carros novos e, com isso, modelos antigos seguem disponíveis para aluguel. Isso gera falta de veículos no mercado de usados, principalmente de versões de menor preço.

Outro fator é a alta dos preços dos novos, atrelada à desvalorização do real. Assim, pode ocorrer um efeito inusitado: embora fora de linha, o Ka pode desvalorizar menos em 2021 do que em 2020.

Do lado dos proprietários, a maior preocupação é a falta de peças. Em comunicado, a montadora diz que continuará oferecendo assistência total ao consumidor com operações de vendas, serviços, peças de reposição e garantia.

"A única dificuldade que eu encontro para peças Ford se refere a modelos mais antigos, mas isso também ocorre com outras marcas", afirma Charles Rafael Barros dos Anjos, dono da autopeças Modelo T.

E quais carros irão substituir os modelos nacionais da Ford? A princípio, nenhum. Ao se concentrar em utilitários importados, a marca eleva seu preço de entrada para R$ 154.090, valor da versão mais simples da picape Ranger, produzida na Argentina.

Segundo o estudo Performance Veículos Usados 2020, da consultoria MegaDealer com a plataforma Auto Avaliar, 24% dos ex-proprietários de modelos Ford os trocaram por um Chevrolet em 2020, e 15% optaram por um Hyundai. Volkswagen e Fiat vêm em seguida, com 14% e 13% cada uma. A migração deve se intensificar em 2021, mantendo proporções similares.

Ford EcoSport Titanium

Preço sugerido R$ 104.090
Preço praticado R$ 95 mil
Motor dianteiro, transversal, flex, três cilindros, 1.497 cm³
Potência 137 cv (e) e 130 cv (g) a 6.500 rpm
Torque 16,2 kgfm (e) e 15,6 kgfm a 4.750 rpm
Transmissão tração dianteira, câmbio automático de seis marchas
Peso 1.310 kg
Porta-malas 356 l
Pneus 205/50 R17
Aceleração (0 a 100 km/h) 12,7s (e) e 13,3s (g)
Retomada (80 a 120 km/h) 10,5s (e) e 11,4s (g)
Consumo urbano 5,6 km/l (e) e 10,9 km/l (g)
Consumo rodoviário 12,4 km/l (e) e 16,8 km/l (g)
Comprimento 4,1 m
Entre-eixos 2,52 m
Largura 1,77 m
Altura 1,69 m

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.