Chinesa Huawei faz parceria com Oi para câmeras de reconhecimento facial

Sistema que registra rostos, placas de carro, atitudes e objetos é muito usado na China

Paula Soprana
São Paulo

A gigante chinesa Huawei anunciou uma parceria para a comercialização de câmeras de reconhecimento facial com a Oi nesta terça-feira (16) durante o Futurecom, evento de tecnologia em São Paulo.

Chamado de VCM (sigla para Video Cloud Manager), o sistema registra rostos, placas de carro, "atitudes" e objetos, e é amplamente usado para controle governamental em locais públicos da China, como aeroportos, ruas e parques.

0
Demonstração da tecnologia de reconhecimento facial; Huawei quer expandir uso no Brasil - Paula Soprana/Folhapress

A parceria com a provedora é estratégica devido à vasta clientela da Oi que compra acesso à fibra ótica para a instalação de câmeras de vigilância. A empresa brasileira poderá definir quais parceiros podem se interessar pela tecnologia da Huawei.

Além da Oi, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia e a prefeitura de Campinas, em São Paulo, testam a tecnologia.

A diferença das câmeras da Huawei para dispositivos tradicionais de vigilância é o alto grau de precisão no reconhecimento de objetos e pessoas e os alertas que o sistema dá ao controlador, aperfeiçoados por sistemas de inteligência artificial.

Ricardo Bovo, diretor da Huawei para soluções de segurança na América Latina, diz que a expectativa da parceria é a multiplicação do uso desse sistema no Brasil.

"Podem ser usadas em rodoviárias, portos, estações de metrô e locais com alto risco de assalto ou ameaças à segurança. No aeroporto, é possível detectar um objeto esquecido por uma pessoa; o sistema avisa automaticamente, sem precisar solicitar."

Shenzhen, localizada no chamado Vale do Silício da China, de onde vem a ​Huawei, tem mais de 1 milhão de câmeras instaladas na cidade. Segundo o executivo, isso é mais do que o total instalado nos Estados Unidos.

As imagens capturadas pelas câmeras ficam armazenadas em um banco de dados na nuvem, de fácil acesso pelo controlador, seja a autoridade ou a corporação.

O sistema reconhece números parciais de uma placa de carro. Se a pessoa digitar 42, por exemplo, todos os veículos que contêm esses dígitos aparecem no monitor. É possível saber quantas vezes um automóvel ou uma pessoa visitou o local vigiado, com histórico de tempo indeterminado.

Em setembro, a Justiça determinou que a concessionária da linha amarela do metrô de São Paulo retirasse as placas de reconhecimento facial das estações por considerar ilegal a captação de imagens sem o consentimento das pessoas.

Em ação ganha pelo Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), a Justiça entendeu que a empresa não poderia comercializar dados sobre o comportamento dos transeuntes com terceiros, ainda mais tratando-se de um serviço público como o transporte.

Devido ao regime autoritário da China, a privacidade não é uma preocupação como em outros países. No Brasil, a Huawei defende que o monitoramento público seja acompanhado de placas de aviso.

Há 20 anos no Brasil, a empresa também anunciou projetos de longo prazo durante a Futurecom. Com a Claro, fez uma parceria para transmissão 8K em rede 5G e, com a Vivo, testes de realidade virtual em 5G com foco no consumidor final.

A gigante desponta como uma das empresas do Made in China 2025, programa de desenvolvimento do governo chinês que busca, entre outras frentes, superar economias como a dos Estados Unidos na tecnologia avançada.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.