Senadora democrata dos EUA quer dividir Google, Facebook e Amazon

Elizabeth Warren defende mudança estrutural no setor para promover a concorrência

Washington | Reuters

A senadora democrata americana Elizabeth Warren disse na sexta-feira (8) que se for eleita presidente dos Estados Unidos vai tentar dividir Amazon, Google e Facebook, como parte de uma mudança estrutural no setor de tecnologia para promover a concorrência.

Warren, que busca se destacar em um campo democrata repleto de progressistas de olho nas eleições de novembro de 2020, disse que as empresas compraram potenciais concorrentes, como ocorreu quando o Facebook adquiriu o Instagram.

"Elas destruíram a concorrência, usaram nossas informações privadas para lucrar e viraram o campo de jogo contra todos os outros. E, no processo, elas prejudicaram os pequenos negócios e sufocaram a inovação", escreveu Warren.

Senadora americana Elizabeth Warren
Senadora americana Elizabeth Warren - Scott Olson/AFP

A democrata disse que nomeará reguladores para desfazer negócios como as aquisições do WhatsApp e Instagram, pelo Facebook; da Whole Foods e Zappos, pela Amazon; e do Waze, Nest e DoubleClick, pelo Google.

Amazon e o Google não responderam imediatamente às solicitações de comentários. Facebook se recusou a se pronunciar sobre o assunto.

O NetChoice, um grupo de comércio eletrônico cujos membros incluem o Facebook e outras empresas online, disse que o plano de Warren levará a preços mais altos para os americanos.

"A senadora Warren está errada em sua afirmação de que os mercados de tecnologia não têm concorrência. Nunca antes os consumidores e trabalhadores tiveram mais acesso a bens, serviços e oportunidades online", disse Carl Szabo, vice-presidente e conselheiro geral da NetChoice.

O CEI (Competitive Enterprise Institute), um centro de estudos que promove o livre mercado, chamou o plano de Warren de um experimento regulatório condenado.

"A próxima onda de inovações tecnológicas provavelmente exigirá enormes economias de escala para atender aos consumidores. Enquanto isso, não há barreiras à entrada para o próximo aplicativo matador ou empreendedor que mude o setor", disse Jessica Melugin, diretora associada de tecnologia e inovação da CEI.

As empresas de tecnologia estão entre os maiores doadores a políticos. O Google gastou US$ 21 milhões (R$ 81 milhões) para fazer lobby em 2018, enquanto a Amazon desembolsou US$ 14,2 milhões (R$ 54,8 milhões) e o Facebook US$ 12,62 milhões (R$ 48,6 milhões), de acordo com dados enviados ao Congresso dos EUA.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.